Posicionamentos de homens em uma relação de coabitação

  • Rafael Luiz Marques de Abreu Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Leila Sanches de Almeida Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: masculinidades; conjugalidades; posicionamento; subjetividade

Resumo

As transformações culturais, sociais e econômicas contemporâneas se refletem nas relações conjugais, em suas representações e práticas. Conseqüentemente, grande parte das expectativas e demandas dirigidas aos parceiros nas relações conjugais também mudaram. Este estudo de casos, baseado nas teorias de González Rey e da Rede de Significações, teve como objetivo compreender o discurso de quatro homens (25-40 anos) que coabitam com suas parceiras sobre as posições que ocupam e que lhes são atribuídas na relação conjugal. A análise de conteúdo das entrevistas realizadas mostrou que todos consideraram que cabe ao homem, na relação conjugal, ser o provedor. É permitido à mulher trabalhar, mas a contribuição financeira masculina deve ser decisiva. A representação do homem como provedor continua fortemente associada à subjetividade masculina, provavelmente pelo poder que concede aos homens na relação. A coabitação significa o aprofundamento da relação, sem a solidez do casamento. É um espaço de experimentação.

 

Biografia do Autor

Rafael Luiz Marques de Abreu, Universidade Federal do Rio de Janeiro
psicólogo, mestre em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social pelo Programa EICOS da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Leila Sanches de Almeida, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professora Associada da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atua no Programa de Pós-Graduação em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social (EICOS). Doutora em Ciências Médicas (USP).

Referências

Aboim, S. (2010). Gênero, família e mudança em Portugal. Em K. Wall, S. Aboim & V. Cunha (Org.s). A vida familiar no masculino: negociando velhas e novas masculinidades(pp. 39-66). Lisboa: Ministério da Educação.

Almeida, L. S. (2007). Mãe, cuidadora e trabalhadora: as múltiplas identidades de mães que trabalham. Revista do Departamento de Psicologia –UFF, 9(2), 411-422. Recuperado em 13 de maio, 2011, de www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-80232007000200011&lng=pt&nrm=iso

Almeida, L. S. (2012). Working mothers and their multivoiced self. Revista Colombiana de Psicología, 21(2) 312-322. Recuperado em 17 de dezembro, 2012, de www.revistas.unal.edu.co/index.php/psicologia/article/view/27899/37795

Almeida, L. S. & Rossetti-Ferreira, M. C. (2001). Indicadores afetivos do processo de vinculação entre bebês e educadoras de creche. Em M. C. Camarotti (Org.). Atendimento ao bebê: uma abordagem interdisciplinar(pp. 125-139). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Badinter, E. (1993). XY: sobre a identidade masculina (M. I.D. Estrada, Trad.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira. (Original publicado em 1992).

Bardin, L. (2000). Análise de conteúdo(L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trad.s). Lisboa: Edições 70. (Original publicado em 1977).

Bauman, Z. (2004). Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos (C. A. Medeiros, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 2003).

Biernarcki, P. & Waldorf. D. (1981). Snowball sampling-problems and chain techniques of referral sampling. Sociological Methods and Research, 10, 141-163. Recuperado em 04 de julho, 2011, de smr.sagepub.com/content/10/2/141.short

Connell, R. W. (1995).Masculinities. Berkeley, Estados Unidos da América: University of California.

Féres-Carneiro, T. (1998). Casamento contemporâneo: o difícil convívio da individualidade com a conjugalidade. Psicologia: Relexão e Crítica, 11(2), 379-394. Recuperado em 09 de maio, 2011, de www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79721998000200014&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Féres-Carneiro, T. & Ziviani, C. (2009). Conjugalidades contemporâneas: um estudo sobre os múltiplos arranjos amorosos da atualidade. Em T.

Féres-Carneiro (Org.). Casal e família: permanências e rupturas(pp. 83-108). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Giddens, A. (1993). A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas (M. Lopes, Trad.). São Paulo: Unesp. (Original publicado em 1992).

Goldenberg, M.(2001). Sobre a invenção do casal. Estudos e Pesquisas em Psicologia,1(1), 89-104.

Goldenberg, M. (2010). Intimidade.Rio de Janeiro: Record.

Goldenberg, M. (2011). De perto ninguém é normal: estudos sobre o corpo, sexualidade, gênero e desvio na cultura brasileira. Rio de Janeiro: Record.

Grossi, M. P. (2004). Masculinidades: uma revisão teórica. Antropologia em primeira mão,75, 1-37. Recuperado em 13 de novembro, 2011, de miriamgrossi.paginas.ufsc.br/files/2012/03/Visualizar3.pdf

Jablonski, B. (2007). O cotidiano do casamento contemporâneo: a difícil e conflitiva divisão de tarefas e responsabilidades entre homens e mulheres. Em T. Féres-Carneiro (Org.). Família e casal: trabalho, saúde e modos de vinculação(pp. 203-228). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Jablonski, B. (2010). A divisão de tarefas domésticas entre homens e mulheres no cotidiano do casamento.Psicologia: Ciência e Profissão, 30(2), 262-275. Recuperado em 13 de novembro, 2011, de www.scielo.br/pdf/pcp/v30n2/v30n2a04.pdf

Kaufmann, J. C. (1995). Sociologie du couple. Paris: PUF.

Kimmell, M. S. (1997). Homofobia, temor, vergüenza y silencio en la identidad masculina. Em T. Valdés & J. Olavarría (Org.s). Masculinidades: poder y crisis.Santiago: Isis Internacional.

Medrado, B. & Lyra, J. (2008). Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. Revista Estudos Feministas, 16(3), Florianópolis. Recuperado em 14 de novembro, 2011, de www.scielo.br/pdf/ref/v16n3/05.pdf

Nolasco, S. (1993). O mito da masculinidade. Rio de Janeiro: Rocco.

Oliveira, Z. M. R., Guanaes, C. & Costa, N. R. A. (2004). Discutindo o conceito de “jogos de papel”: uma interface com a “teoria de posicionamento”. Em M. C. Rossetti-Ferreira, K. S. Amorim, A. P. S. Silva & A. M. A. Carvalho (Org.s). Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano (pp. 69-80). Porto Alegre: Artmed.

Pereira, R. C.(2002). Concubinato e união estável. Belo Horizonte: Del Rey.

Rey, F. L. G. (2003). Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural(R. S. L. Guzzo, Trad.).São Paulo: Thomson.(Original publicado em 2003).

Rocha-Coutinho, M. L. (2003). Quando o executivo é uma “dama”: mulher, carreira e relações familiares. Em T. Féres-Carneiro (Org.). Família e casal: arranjos e demandas contemporâneos(pp. 57-77). Rio de Janeiro: PUC-Rio; São Paulo: Loyola.

Rocha-Coutinho, M. L. (2009). De volta ao lar: mulheres que se afastaram de uma carreira profissional para melhor se dedicar aos filhos. Retrocesso ou um “novo”modelo de família? Em T. Féres-Carneiro (Org.). Casal e família: permanências e rupturas(pp. 219-235). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Rossetti-Ferreira, M. C., Amorim, K. S., Silva, A. P. S. & A. M. A. Carvalho (Org.s). (2004). Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed.

Santos, W. T. M. (2007). Modelos de masculinidade na percepção de jovens homens de baixa renda. Barbarói, 27(2), 130-157. Recuperado em 15 de agosto, 2011, de online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/view/140/573

Spanier, G. B. (1983). Married and unmarried cohabitation in the United States: 1980. Journal of marriage and the family45(2), 84-101.

Vygotsky, L. S. (1991). Pensamento e linguagem. (J. L. Camargo, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1934).

Wang, M. L., Jablonski, B. & Magalhães, A. S. (2006). Identidades masculinas: limites e possibilidades. Psicologia em Revista, 12(19), 54-65. Recuperado em 14 de novembro, 2011, de pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682006000100006

Welzer-Lang, D. (2011). A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Revista Estudos Feministas,9(2), 460-482. Recuperado em 08 de agosto, 2011, de periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2001000200008/8853

Willi, J. (1995). A construção diádica da realidade. Em M. Andolfi (Org.). O casal em crise(pp. 38-47). São Paulo: Summums.

Publicado
2015-10-24
Como Citar
Abreu, R. L. M. de, & Almeida, L. S. de. (2015). Posicionamentos de homens em uma relação de coabitação. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 29, 153-168. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6475
Seção
Artigos