A dimensão sensível do ser

correspondências entre a experiência estética e a experiência elementar

  • Roberto Carlos Pires Júnio Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros
  • Achilles Gonçalves Coelho Júnior Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros
Palavras-chave: psicologia; experiência estética; experiência elementar; fenomenologia

Resumo

Contemplando os aspectos afetivos nas vivências humanas, em nosso trabalho enfocamos a dimensão sensível da experiência. Recorremos às teorizações da experiência estética, forma de conhecimento singular a outros modos de pensamento, e experiência elementar, ímpeto original do homem em ação. Procuramos responder como a experiência estética favorece o reconhecimento da exigência fundamental de ser, núcleo axial da experiência elementar. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, de orientação fenomenológica, na elucidação dos elementos essenciais da conversação das literaturas respectivas. As categorias verificadas foram: a) a noção de “experiência”, pelo caráter originário e noético; b) a estrutura subjetiva de abertura ao real; c) o campo intersubjetivo que constitui a humanidade; d) o real totalizante como o propósito último do homem; e e) a dimensão ontológica atestada, notavelmente, pela busca do belo. Diante às novidades contemporâneas, destacamos a raiz afetiva da ética na Psicologia como guia em nossa prática, afinando-nos integralmente às expressões singulares.

 

Biografia do Autor

Roberto Carlos Pires Júnio, Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros
psicólogo graduado pelas Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros – FIPMoc. Atualmente é residente do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Mental pela Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes.
Achilles Gonçalves Coelho Júnior, Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros
doutorando no Programa de Pós-Graduação em Psicologia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo – FFCLRP/USP, mestre em Psicologia Social pela Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG e Professor de Psicologia nas Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros – FIPMoc.

Referências

Ales Bello, A. (2004). Fenomenologia e ciências humanas: psicologia, história e religião(M. Mahfoud & M. Massimi, Org.s e Trad.s). Bauru: Edusc.

Dufrenne,M. (1969). O poético (L. A. Nunes & R. K. de Souza, Trad.s). Porto Alegre: Globo. (Original publicado em 1963).

Dufrenne, M. (1981). Estética e filosofia(2a ed.). (R. Figurelli, Trad.). (Coleção Debates). São Paulo: Perspectiva. (Original publicado 1967).

Dufrenne, M. (1982a). Fenomenología de la experiencia estética: el objeto estético (Vol. 1). (R. de la Calle, Trad.). Valência: Fernando Torres. (Original publicado em 1953).

Dufrenne, M. (1982b). Fenomenología de la experiencia estética: la percepción estética (Vol. 2). (C. S. Llabata & A. R. Sánchez, Trad.s). Valência: Fernando Torres. (Original publicado em 1953).

Dufrenne, M. (2010). La noción de “a priori”(T. Checci, Trad.). Salamanca: Sígueme. (Original publicado em 1959).

Figurelli, R. (1981). Introdução à edição brasileira. Em M. Dufrenne. Estética e Filosofia(2a ed., pp. 7-19). São Paulo: Perspectiva.

Frayze-Pereira, J. A. (1994). A alteridade da arte: estética e psicologia. Psicologia USP, 5(1-2), 35-60. Recuperado em 12 de outubro, 2014, de pepsic.bvsalud.org/pdf/psicousp/ v5n1-2/a04v5n12.pdf

Giussani, L. (2009). O senso religioso(P. A. E. Oliveira, Trad.). Brasília: Universa. (Original publicado em 1986).

Mahfoud, M. (2012). Experiência elementar em psicologia: aprendendo a reconhecer. Brasília: Universa.

Morais, C. A. S. B. (2010). O impulso metafísico na experiência estética: itinerário da fenomenologia “afectiva” de Mikel Dufrenne. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Universidade Católica Portuguesa, Porto, Portugal.

Pinho, E. (1994). A estética de Dufrenne ou a procura da origem. Revista Filosófica de Coimbra, 6, 361-396. Recuperado em 12 de outubro, 2014, de www.uc.pt/fluc/dfci/ publicacoes/estetica_dufrenne

Pita, A. P. (1995). Presença, representação e sentimento:configuração da experiência estética segundo Mikel Dufrenne. Revista Filosófica de Coimbra, 4(7), 131-162. Recuperado em 12 de outubro, 2014, de www.uc.pt/fluc/dfci/publicacoes/ presenca_representacao_sentimento

van der Leeuw, G. (2009). A religião em sua essência e suas manifestações: fenomenologia da religião, 1933, epílogo. Revista da abordagem gestáltica, 15(2), 179-183. (A. F. Holanda, Trad.). (Original publicado em 1933). Recuperado em 12 de outubro, 2014, de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v15n2/v15n2a14.pdf

Publicado
2015-10-24
Como Citar
Pires Júnio, R. C., & Coelho Júnior, A. G. (2015). A dimensão sensível do ser. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 29, 233-252. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6479
Seção
Artigos