O destronamento do coração

breve história do coração humano até o advento da modernidade

  • Dante Marcello Claramonte Gallian Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: história do corpo, hist´´oria do coração humano, coração, cérebro

Resumo

O presente artigo discute as concepções sobre o coração humano numa perspectiva histórica, desde as representações pictóricas da pré-história até o alvorecer da Modernidade. Associado à própria idéia de pessoalidade, o coração, em diversas culturas e tradições assumiu um papel antropológico central, não apenas numa perspectiva biológica, mas também psicológica e espiritual. Com o advento da “Revolução Científica” e o racionalismo o coração se verá “destronado” de sua posição hegemônica. Este trabalho é o resultado de uma primeira aproximação frente ao tema da querela entre coração e cérebro que se esboça na Antiguidade, se radicaliza na Modernidade e agora volta surgir no contexto da crise antropológica da pós-modernidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dante Marcello Claramonte Gallian, Universidade Federal de São Paulo
doutor em História Social pela FFLCH - Universidade de São Paulo, com pós-doutoramento pelo Centre de Recherches Historiques da École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) de Paris, França. É docente e diretor do Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde (CeHFi) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e professor visitante na EHESS de Paris, França.

Referências

Bachelard, G. (1999). A psicanálise do fogo. (P. Neves, trad.). São Paulo: Martins Fontes.(Original publicado em 1949).

Bellini, L. (2005). Imagens do corpo e saber médico em Portugal no século XVI. Tempo, 19, 27-42.

Doresse, J. (1950). Le coeur et les anciens Égyptiens. Em AA. VV.Le Coeur:Études Carmelitaines(pp. 82-87). Paris: Desclée de Brouwer.

Eliade, M. (Org.). (1987). The encyclopedia of religion(Vol. 6, pp. 234-237). London: Macmillan Publishing Company.

Erickson, R. (2005). The language of the heart, 1600-1750.Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

Fuchs, T. (2001). The mechanization of the heart: Harvey and Descartes(M. Grene, trad.). New York: The University of Rochester Press.

Guillaumont, A. (1950). Le sens des noms du coeur dans l‟Antiquité. Em AA. VV., Le Cœur:Études Carmelitaines(pp. 41-81). Paris: Desclée de Brouwer.

Littré, E. (Org.). (1861). Hippocrate: Oeuvres completes(E. Littré, trad.). Paris: Baillière et fils. 10V.

Jacquart, D. (2003). Coeur ou cerveau? lês hésitations médiévales sur l‟origine de la sensation et le choix de Turisanus. Micrologus: natura, scienze e società medievali, 11, 73-96.

Koubetch, V. (2004). Da criação à parusia. São Paulo: Paulinas.

Lain-Entralgo, P. (1981). La obra de William Harvey y sus conscuencias. EmP. Lain-Entralgo(Org.), Historia universal de la medicina (pp. 235-249, Tomo IV). Barcelona: Salvat.

Lain-Entralgo, P. (1982). La medicina hipocrática. Em P. Lain-Entralgo,Historia universal de la medicina(pp. 73-117, Tomo II). Barcelona: Salvat.

Lasso de la Veja, J. S. (1982). Pensamiento presocrático y medicina. Em P. Lain-Entralgo,Historia universal de la medicina(pp. 37-65, Tomo II). Barcelona:Salvat.

Lesêtre, H. (1912). Coeur:Dictionaire de la Bible(pp. 822-826). Paris: Letouzey et ané Ed.

Neschke-Hentschke, A. (2003). Lê role de coeur dans la stabilisation de l‟espèce humaine chez Aristote. Micrologus: natura, scienze e società medievali, 11, 37-52.

Pearsall, P. (2004). A memória das células: estabelecendo contato com a sabedoria e o poder da energia do coração.(L. Gomes, Trad.). São Paulo: Mercuryo.(Original publicado em 1999).

Pigeaud, J. (2003). Coeur organique: coeur métaphorique.Micrologus: natura, scienze e società medievali, 11, 9-36.

Siraisi, N. G. (1990). Medieval and early renaissance medicine.Chicago: University of Chicago Press.

Shakespeare, W. (1999).The tempest. Worcester: Arden Shakespeare-Vaughan. (Original publicado em 1623).

Vidal, F. (2005). Le sujet cérébral: une esquisse historique et conceptuelle. PSN, 3(11), 37-48.

Publicado
2010-04-23
Como Citar
Gallian, D. M. C. (2010). O destronamento do coração. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 18, 27-36. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2010.6636
Seção
Artigos