O epônimo de Descartes

o legado cartesiano à luz da tradição historiográfica de E. G. Boring

  • Cesar Rey Xavier Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO
Palavras-chave: história da psicologia, dualismo cartesiano, problema mente-corpo

Resumo

René Descartes é nome bem conhecido em qualquer manual de história da ciência e, mais especificamente, da psicologia. Seu nome, contudo, costuma ser associado ao malogro enfrentado por algumas ciências a partir do advento da modernidade, no que tange ao seu bem conhecido dualismo mente-corpo. Mediante o emprego de alguns conceitos historiográficos, adotados pelo pesquisador estadunidense E. G. Boring, este trabalho busca compreender certos aspectos que podem ter conduzido a uma imagem depreciativa de seu legado. Realizou-se uma pesquisa bibliográfica dos principais trabalhos de Boring e de Descartes, auxiliada por outras fontes e autores que versam direta ou indiretamente sobre o tema. A tradição historiográfica representada por Boring permite vislumbrar o pensamento cartesiano à luz de um clima intelectual que marca uma transição de épocas. Sob esta perspectiva, a imagem que se obtém do filósofo seiscentista vai além daquela que parece ter-se cristalizado sob a forma de um “epônimo”.

Biografia do Autor

Cesar Rey Xavier, Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO
Psicólogo, Mestre em História da Ciência pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP, Doutor em Filosofia pela Universidade Federal de São Carlos – UFSCAR. Professor Adjunto na Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO, Departamento de Psicologia, Irati–PR. Professor no Mestrado Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário, UNICENTRO.

Referências

Alfonso-Goldfarb, A. M. (2001). Da alquimia à química: um estudo sobre a passagem do pensamento mágico-vitalista ao mecanicismo. São Paulo: Landy.

Boring, E. G. (1963a). Eponym as placebo. Em R. I. Watson & D. T. Campbell (Org.s). History, psychology and science: selected papers (pp. 5-25). New York: John Wiley and Sons.

Boring, E. G. (1963b). Fechner: inadvertent founder of psychophysics. Em R. I. Watson & D. T. Campbell (Org.s) History, psychology and science: selected papers (pp. 126-131). New York: John Wiley and Sons. (Original publicado em 1961).

Boring, E. G. (1963c). Great men and scientific progress. Em R. I. Watson & D. T. Campbell (Org.s). History, psychology and science: selected papers (pp. 29-49). New York: John Wiley and Sons. (Original publicado em 1950).

Boring, E. G. (1963d). Ortgeister. Em R. I. Watson & D. T. Campbell (Org.s) History, psychology and science: selected papers (pp. 332-333). New York: John Wiley and Sons. (Original publicado em 1956).

Boring, E. G. (1963e). Science and the meaning of its history. Em R. I. Watson & D. T. Campbell (Org.s) History, psychology and science: selected papers (pp. 87-91). New York: John Wiley and Sons. (Original publicado em 1959).

Brožek, J. & Massimi, M. (1998). Historiografia da psicologia no Brasil. Em J. Brožek & M. Massimi (Org.s). Historiografia da psicologia moderna, versão brasileira (pp. 209-221). São Paulo: Loyola.

Cottingham, J. (1999). Descartes: a filosofia da mente de Descartes (J. P. Assis,Trad.). São Paulo: Unesp. (Original publicado em 1997).

Damásio, A. R. (1996). O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano (D. Vicente & G. Segurado, Trad.s). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1994).

Danziger, K. (1990). Constructing the subject: historical origins of psychological research. Cambridge: Cambridge University.

Debus, A. G. (1996). El hombre y la naturaleza en el renacimiento (S. L. Rendón, Trad.). México: Fondo de Cultura Económica. (Original publicado em 1978).

Descartes, R. (1949). Discours de la méthode. Em A. Bridoux (Org.). Descartes Oeuvres et lettres (pp. 89-145). Paris: Gallimard. (Original publicado em 1637).

Descartes, R. (1949). Lettres, a Mersenne. Em A. Bridoux (Org.). Descartes Oeuvres et lettres (pp. 880-884). Paris: Gallimard. (Original publicado em 1640).

Descartes, R. (1949). Lettres, a Elisabeth. Em A. Bridoux (Org.). Descartes Oeuvres et lettres (pp. 920-923). Paris: Gallimard. (Original publicado em 1643).

Descartes, R. (1949). Les principes de la philosophie. Em A. Bridoux (Org.). Descartes Oeuvres et lettres (pp. 415-532). Paris: Gallimard. (Original publicado em 1644).

Descartes, R. (1949). Les passions de l‟ame. Em A. Bridoux (Org.). Descartes Oeuvres et lettres (pp. 553-663). Paris: Gallimard. (Original publicado em 1649).

Descartes, R. (1992). Méditations métaphysiques. Em J. M. Beyssade & M. Beyssade (Org.s). Descartes: méditation métaphysiques, objections et réponses suivies de quatre lettres (pp. 55-211). Paris: Flammarion. (Original publicado em 1641).

Gaukroger, S. (1999). Descartes, uma biografia intelectual. (V. Ribeiro, Trad.). Rio de Janeiro: EdUERJ; Contraponto. (Original publicado em 1995).

Hegel, G. W. F. (2008). Filosofia da história (M. Rodrigues & H. Harden, Trad.s). Brasília: Universidade de Brasília. (Original publicado em 1837).

Hilgard, E. R., Leary, D. E. & McGuire, G. R. (1998). A história da psicologia: um panorama e avaliação crítica. (J. A. Ceschin & P. J. C. Silva, Trad.). Em J. Brožek & M. Massimi (Org.s). Historiografia da psicologia moderna, versão brasileira (pp. 399-432). São Paulo: Loyola.

Husserl, E. (2001). Meditações cartesianas: introdução à fenomenologia (F. de Oliveira, Trad.). São Paulo: Madras. (Original publicado em1931).

Koyré, A. (1982). Estudos de história do pensamento científico (M. Ramalho, Trad.). Rio de Janeiro: Forense Universitária. (Original publicado em 1971).

Kuhn, T. S. (2007). A estrutura das revoluções científicas (B. V. Boeira & N. Boeira, Trad.s). São Paulo: Perspectiva. (Original publicado em 1962).

Landes, D. S. (2000). Revolution in time: clocks and the making of the modern world. Cambridge: Harvard University.

Lovett, B. (2006). The new history of psychology: a review and critique. History of Psychology, 9(1), 17-37. Recuperado em 16 de agosto, 2018, de dx.doi.org/10.1037/1093-4510.9.1.17

Mander, W. J. (2014). Introduction. Em W. J. Mander (Org.). The Oxford handbook of British philosophy in the nineteenth century (pp. 1–21). Oxford: Oxford University.

Marcondes, D. (2005). Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein (9a ed.). Rio de Janeiro: Zahar.

Penna, A. G. (1981). História das ideias psicológicas. Rio de Janeiro: Zahar.

Robinson, D. N. (1982). Toward a science of human nature: essays on the psychologies of Mill, Hegel, Wundt and James. New York: Columbia University.

Ryle, G. (2002). The concept of mind. Chicago: University of Chicago.

Xavier, C. R. (2012). A psicologia e o problema mente-corpo: uma nova proposta para a imponderável epistemologia da consciência. Curitiba: Juruá.

Teixeira, J. F. (1996). Filosofia da mente e inteligência artificial. Campinas, SP: Unicamp. (Coleção CLE, Vol. 17).

Teixeira, L. (1990). Ensaio sobre a moral de Descartes. São Paulo: Brasiliense.

Watson, R. I. & Campbell, D. T. (1963). The Zeitgeist and the psychology of Science. Em R. I. Watson & D. T. Campbell (Org.s). History, psychology and science: selected papers (pp. 1-4). New York: John Wiley and Sons.

Publicado
2018-12-13
Como Citar
Xavier, C. (2018). O epônimo de Descartes. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 35, 14-39. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6886
Seção
Artigos