Mal-estar, autenticidade e religião em Charles Taylor

  • Felipe Henrique Canaval Gomes Universidade de São Paulo
  • Gilberto Hoffmann Marcon Universidade de São Paulo
  • Reinaldo Furlan Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Charles Taylor, mal-estar, autenticidade, religião

Resumo

O filósofo Charles Taylor destaca a perspectiva moral por meio de uma história da formação da subjetividade moderna. Segundo ele, tal perspectiva pode iluminar alguns dos seus mal-estares: o individualismo moral e a crise dos significados da secularização, além da persistência ambígua da religião na organização da vida pública contemporânea. Ao sentido desse movimento profundo da moral ocidental, Taylor dá o nome de ética da autenticidade, cujo valor positivo é contraposto a essa degradação através desses três sinais de decadência e sintomas de mal-estar. O objetivo do artigo é explorar a ambiguidade presente na modernidade conforme descrita por Taylor. Guiando-nos pelas relações entre autenticidade e religião, exploramos os temas do individualismo moderno, dos significados da secularização e do impacto da religião na formação política do Ocidente.

Biografia do Autor

Felipe Henrique Canaval Gomes, Universidade de São Paulo
Doutorando pelo Programa de Psicologia: Processos Culturais e Subjetivação, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP-USP). Bolsista CAPES.
Gilberto Hoffmann Marcon, Universidade de São Paulo
Psicólogo e mestrando com bolsa Fapesp pelo Programa de Psicologia: Processos Culturais e Subjetivação, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP-USP).
Reinaldo Furlan, Universidade de São Paulo
Doutor em Filosofia. Realizou estágio de pós-doutoramento na Universidade Jean Moulin, Lyon 3, França (2013-2014), com bolsa Fapesp e colaboração de Étienne Bimbenet. Atualmente é professor livre-docente da Universidade de São Paulo. Atua como professor de filosofia no curso de psicologia (graduação e pós-graduação) da FFCLRP-USP.

Referências

Abbey, R. (2000). Charles Taylor. Teddington, Inglaterra: Acumen.

Audi, R. & Wolterstorff, N. (1997). Religion in the public sphere. New York: Rowman and Littlefield.

Bloom, A. (1987). The closing of the American mind. New York: Simon and Schuster.

Connolly, W. (2004). Catholicism and philosophy: a nontheistic appreciation. Em R. Abbey (Org.). Charles Taylor (pp. 166-186). Cambridge: Cambridge University.

Maclure, J. & Taylor, C. (2010). Laïcité et liberté de conscience. Montréal: Boreal.

Rawls, J. (1997). the idea of public reason revisited. The University of Chicago Law Review, 64, 765–807.

Taylor, C. (1985). Self-interpreting animals. Philosophical papers (pp. 45-76). Cambridge: Cambridge University.

Taylor, C. (1989). The sources of the self: the making of modern identity. Cambridge: Harvard University.

Taylor, C. (1991). The ethics of authenticity. Cambrigde: Havard University.

Taylor, C. (1998). Le fundamental dans l‟histoire. Em G. Laforest & P. Lara (Org.s). Charles Taylor et l’interpretation de l’identité moderne (pp. 35-52). Paris: CERF.

Taylor, C. (2000a). A política do reconhecimento. Em C. Taylor. Argumentos filosóficos (pp. 241-274). (A. U. Sobral, Trad.). São Paulo: Loyola. (Original publicado em 1992).

Taylor, C. (2000b). A política liberal e a esfera pública. Em C. Taylor. Argumentos filosóficos (pp. 275-304). (A. U. Sobral, Trad.). São Paulo: Loyola. (Original publicado em 1995).

Taylor, C. (2004). Modern social imaginaries. Durham, Ingleterra: Duke University.

Taylor, C. (2007). A secular age. Cambridge: Havard University.

Taylor, C. (2009). The polysemy of the secular. Social Research, 76(4), 1143-1166.

Taylor, C. (2010). Imaginários sociais modernos. (A. Mourão Trad.). Lisboa: Texto & Grafia. (Original publicado em 2004).

Taylor, C. (2011). Why we need a radical redefinition of secularism. Em E. Mendieta & J. Vanantwepen (Org.s). The power of religion in the public sphere (pp. 34-59). New York: Columbia University.

Taylor, C. (2012). A era secular (J. Chaves. Trad.). Lisboa: Instituto Piaget. (Original publicado em 2007).

Taylor, C. (2013). As fontes do self: a construção da identidade moderna (4a ed.). (A. U. Sobral & D. A. Azevedo, Trad.s). São Paulo: Loyola. (Original publicado em 1989).

Taylor, C. (2014). How to define secularism. Em A. Stepan & C. Taylor (Org.s). Boundaries of toleration (pp. 59-78). New York: Columbia University.

Tocqueville, A. (2012). De la démocratice en Amérique (12a ed.). Paris: Insitut Coppet. (Original publicado em 1840).

Publicado
2018-12-13
Como Citar
Gomes, F. H., Marcon, G., & Furlan, R. (2018). Mal-estar, autenticidade e religião em Charles Taylor. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 35, 65-83. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6888
Seção
Artigos