Memória e família na Sociologia de Pierpaolo Donati e na Antropologia de Francesco Botturi

  • Rafael Cerqueira Fornasier Universidade Católica do Salvador
Palavras-chave: memória, família, antropologia filosófica, sociologia, ética

Resumo

Por meio de uma revisão de literatura de algumas obras da sociologia relacional de Pierpaolo Donati e da antropologia filosófica de Francesco Botturi, o presente artigo desenvolve uma abordagem da categoria de memória nas relações familiares em vista de oferecer uma contribuição para os estudos de psicologia. Trata-se de assumir a família como locus anthropologicus, ou seja, como mediação do conhecimemorandum@2004mento para o próprio ser humano sobre si mesmo. A categoria memória é aqui estudada em relação aos conceitos de narratividade, geracionalidade, reflexividade, bens relacionais, bens humanos fundamentais, natureza que são categorias empregadas pelos dois autores e possuem uma forte incidência ética e, portanto, dizem respeito ao bem das pessoas em relação e ao da sociedade como um todo.

 

Biografia do Autor

Rafael Cerqueira Fornasier, Universidade Católica do Salvador
Professor da Universidade Católica do Salvador-BA, Brasil. Doutor em ciências do matrimônio e da família. Professor colaborar do PPG Família na Sociedade contemporânea e professor dos cursos de Filosofia e Teologia; membro do NDE de Teologia e do conselho da área internacional da universidade.

Referências

Archer, S. M (2006). La conversazione interiore: come nasce l’agire sociale (P. Boccagni, Trad.; P. Donati, Org.). Trento, Itália: Erikson. (Original publicado em 2003).

Botturi, F. (2009). La generazione del bene: gratuitàed esperienza morale. Milano: Vita e Pensiero.

Botturi, F. (2011). La generazione e il binomio natura umana-famiglia. Em L. Melina (Org.). Il criterio della natura e il futuro della famiglia(pp. 13-29). Siena, Itália: Cantagalli.

Botturi, F. (2013). Persona come soggeto relazionale generativo. Em J. J. Pérez-Soba & P. Galuszka (Org.s). Persona e natura nell’agire morale(pp. 261-276). Siena, Itália: Cantagalli.

Botturi, F. (2014). Ritrarsi per crescere: il movimento paradossale della generazione. Em V.Paglia (Org.). Ho ricevuto, ho trasmesso: la crisi dell’allenza tra le generazioni(pp. 45-58). Milano: Vita e Pensiero.

Bruni, L (2005). Felicità, economia e beni relazionali. Nuova umanità, 27(3-4), 543-565. Recuperado em 20 de janeiro, 2017, de www.edc-online.org/it/pubblicazioni/documenti-pdf-it/saggi-1/543-nuova-umanita-2005-0304-bruni/file.html

Bruni, L (2013). Relational goods. ECOS -Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 3(2), 173-178. Recuperado em 30 de novembro, 2018, de www.periodicoshumanas.uff.br/ecos/article/viewFile/1251/897

Corbon, J. (2001). Memoria. Em X. Leon-Dufour (Org.). Dizionario di Teologia Biblica(pp. 669-673). Genova, Itália: Marietti.

Donati, P. (2001). Manuale di sociologia della famiglia. Roma: Laterza.

Donati, P. (2006). La soggettività sociale della famiglia: perché e come dobbiamo ripensare la politica familiare. Anthropotes,22(2), 271-295.

Donati, P. (2008). Família no século XXI: abordagem relacional (J. C. Petrini, Trad.).São Paulo: Paulinas. (Original publicado em 2006).

Donati, P. (2011). Perché la famiglia è la radice della società. Em P. Donati (Org.). La politica della famiglia: per un wefare relazionale e sussidiario(pp. 21-52). Siena, Itália: Cantagalli.

Donati, P. (2013a). La famiglia, il genoma che fa vivere la società. Soveria Manelli, Itália: Rubbetino.

Donati, P. (2013b). Sociologia della relazione. Bologna, Itália: Il Mulino.

Donati, P. (2016). The family as a source of relational goods (and evils) for itself and for the community. Italian Journal of Sociology of Education, 8(3), 149-168. Recuperado em 30 de novembro, 2018, de

Donati, P. (2017). Generare un figlio: che sosa rende umana la generatività?Milano: Cantagalli.

Donati, P. & Solci, R. (2011). I beni relazionali: che cosa sono e quali effetti producono. Torino, Itália: Bollati Boringhieri.

Guardini, R. (1992). Le età della vita: loro significato educativo e morale. (s. n., Trad.). Milano: Vita e Pensiero. (Original publicado em 1957).

Hittinger, R. (2008). The coherence of the four basic principles of catholic social doctrine: an interpretation. Em: M. Archer & P. Donati (Org.s). Pursuing the common good: how solidarity and subsidiarity can work together.Città del Vaticano: The Pontifical Academy of Social Sciences. Recuperado em 10 de janeiro,2017, depass.va/content/dam/scienzesociali/pdf/acta14/acta14-hittinger.pdf

Melina, L., Noriega, J. &Pérez-Soba, J. J. (2008). Camminare nella luce dell’amore: i fondamenti della morali Cristiana. Siena, Itália: Cantagalli.

Morandé, P. (1994). Persona, matrimonio y familia: lecturas escogidas. Santiago: Universidad Católica de Chile.

Ricoeur, P. (2005). Parcours de la reconnaissance: trois études. Paris: Gallimard.

Semplici,S. (2004). La famiglia: un legame privato di interesse pubblico. Em F. Botturi & C. Vigna (Org.s). Affetti e legami(pp. 65-84). Milano: Vita e Pensiero.

Tomás de Aquino. (2001). Suma teológica(Parte I, Vol. 1). (C. P. Oliveira, Org.). São Paulo: Loyola. (Original de 1265-73).

Publicado
2018-12-13
Como Citar
Fornasier, R. (2018). Memória e família na Sociologia de Pierpaolo Donati e na Antropologia de Francesco Botturi. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 35, 100-114. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6889
Seção
Artigos