As “mulatas“ de Di Cavalcanti

um estudo em psicologia social

  • Andréa Regina Marques Chamon Universidade Federal de Minas Gerais
  • Adriano Roberto Afonso do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: mulata, gênero, raça, classe, obras de arte, interseccionalidade, análise semiótica de imagens

Resumo

O presente artigo aborda o termo “mulata” e, na tentativa de compreender a maneira específica como as artes plásticas se apropriaram dessa personagem, escolhemos a produção de Di Cavalcanti para investigar, reconhecido no mundo das artes como o “pintor das mulatas”. Diante da escolha do nosso objeto de estudo, nos propusemos, então, a identificar, descrever e analisar os elementos de significado presentes em obras que retratam mulatas, executadas pelo artista, procurando considerá-los segundo questões de raça, gênero e classe. Elegeu-se a interseccionalidade como o principal caminho teórico a se percorrer, tentando apreender melhor o fenômeno social que permeia a personagem “mulata” e suas características singulares. Como método, optou-se pela análise semiótica de três imagens. Os achados apontam a vulnerabilidade da mulher negra/mestiça por ter sua vida marcada pelas sobreposições de três eixos de subordinação: raça, gênero e classe.

 

Biografia do Autor

Andréa Regina Marques Chamon, Universidade Federal de Minas Gerais
Mestra em Psicologia Social, Psicóloga clínica e Social, especialista em Gênero e Diversidade na Escola
Adriano Roberto Afonso do Nascimento, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutor em Psicologia Social, professor do Programa de Pós-Graduação de Psicologia na UFMG, onde orienta teses e dissertação com temas sobre Representações Sociais, Memória Social e Identidade Social, nostalgia/saudade, música popular e masculinidades.

Referências

lmeida, M. B. de. (2007). As mulatas de Di Cavalcanti: representação racial e de gênero na construção da identidade brasileira (1920 e 1930).Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em História, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. Recuperado em 7 de junho, 2017, de acervodigital.ufpr.br/handle/1884/10598

Arte no Brasil (1979). São Paulo: Abril Cultural.Barthes, R. (2009). O óbvio e o obtuso(I. Pascoal, Trad.). Lisboa: 70. (Original publicado em 1982).

Carneiro, M. E. R. (2017). Corpos negros em exposição no museu imaginário da nação: em busca de novos enquadramentos.Em C. Stevens, S. Oliveira, V. Zanello,E. Silva, C. Portela (Org.s). Mulheres e violências: interseccionalidade (pp. 226-242).Brasília: Technopolitik.

Carneiro, S. (2011). Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Revista LOLA Press, 16, 1-6.

Carneiro, S. (2005). Enegrecero feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Revista LOLA Press, 16, 1-6.

Di Cavalcanti, E. (2017). Mulata com Gato: óleo sobe tela de 1966. Recuperado em 06 de junho, 2017, de www.dicavalcanti.com.br/anos6070/obras_60_70/mulata_gato.htm

Chaui, M. S. (2016). Ideologia e educação. Educação e Pesqusa, 42(1), 245-257. Recuperado em 07 de junho, 2017, de dx.doi.org/10.1590/S1517-97022016420100400

Corrêa, M. (1996). Sobre a invenção da mulata. Cadernos Pagu, 6-7, 35-50. Recuperado em 25 de junho, 2017,de periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/ view/1860

Chamon, A. R. M. As “mulatas” de Di Cavalcanti: um estudo em Psicologia Social. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Costa, C. (2002). A imagem da mulher: um estudo de arte brasileira. Rio de Janeiro: Senac Rio.

Crenshaw, K. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero(L. Schneider, Trad.) Estudos feministas, 10(1). Recuperado em 25 de junho, 2017, de www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdfDel

Priore, M. (1993). Ao sul do corpo: condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. Rio de Janeiro: Jesé Olympio.

Eluf, L. (2013). Di Cavalcanti. São Paulo: Instituto Itaú Cultural. (Coleção Folha Grandes Pintores Brasileiros, 1).

Freyre, G. (2003). Casa-grande & senzala formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal (48a ed.). Recife: Global. (Original publicado em 1933).

Giacomini, S. M. (1994). Beleza Mulata e beleza negra. Revista de Estudos Feministas, n. esp., 217-22. Recuperado em 25 de junho, 2017, de periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/ download/16105/14648

Gilliam, A. & Gilliam, O. (1995). Negociando a subjetividade de mulata no Brasil. Estudos feministas, 2, 525-543. Recuperado em 25 de junho, 2017, de periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/viewFile/16471/15041

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa tipos fundamentais. Revista de administração de empresas, 35(3), 20-29.

Gomes, M. S. (2010). A (des)(re) construção do Brasil comoparaíso das mulatas. Revista eletrônica de turismo cultural, 4(2), 48-70. Recuperado em 25 de junho, 2017, de www.eca.usp.br/turismocultural/8.03_Mariana_Selister.pdf

Guimarães, A. S. A. (2002). Classes, raça e democracia. São Paulo: 34.

Hanciau, N. (2002).A representação da mulata na literatura brasileira: estereótipo e preconceito. Cadernos Literários, Rio Grande, v.7, n. 7, p.57-64. Recuperado de: repositorio.furg.br/bitstream/handle/1/2315/08_A­_representação_da_mulata_na_literatura. pdf?sequence=1

Houaiss, A. & Villar, M. S. (2011) Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss.

Joly, M. (2007). Introdução à análise da imagem. Campinas, SP: Papirus.

López, L. C. (2009). “Que América Latina se sincere”: uma análise antropológica das políticas e poéticas do ativismo negro em face às ações afirmativas e às reparações no cone sul.Tese de Doutorado, Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Mayorga, C. (2014). Algumas contribuições do feminismo à psicologia social comunitária. Athenea digital,14(1), 221-236. Recuperado em 25 de junho, 2017, de atheneadigital.net/article/download/v14-n1-mayorga/1089-pdf-pt

Mayorga, C., Coura, A., Miralles, N. & Cunha, V. M. (2013). As críticas ao gênero e a pluralização do feminismo: colonialismo, racismo e política heterossexual. Revista Estudos feministas, 21(2), 463-484.

Munanga, K. (2005-2006). Algumas considerações sobre “raça”, ação afirmativa e identidade negra no Brasil: fundamentos antropológicos. Revista USP, 68, 46-57. Recuperado em 7 de junho, 2017, de www.revistas.usp.br/revusp/article/download/13482/15300

Oliveira, V. M. (2006). Um olhar interseccional sobre feminismos, negritudes e lesbianidades em Goiás.Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em Sociologia, Universidade Federal de Goiás, Goiania, GO. Recuperado em 7 de junho, 2017, de https://pos-sociologia.cienciassociais.ufg.br/up/109/o/Vanilda.pdf

Pacheco, A. C. L. (2013). Mulher negra: afetividade e solidão.Salvador: Edufba.

Ribeiro, M. P. (2007). As formações discursivas sobre a mulher na música popular brasileira (1930-1945).Tese de Doutorado, Pós-graduação em Letras, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ.

Rodrigues, N. (1894). As raças humanas e a responsabilidade penal no Brasil.Salvador: Progresso.

Santos, J. T.dos. (2005). De pardos disfarçados A brancos pouco claros: classificações raciais no Brasil dos séculos XVIII-XIX. Afro-Ásia, 32, 115-137.

Silva, S. A. (2008). Racismo e sexualidade nas representações de negras e mestiças no final do século XIX e início do XX.Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em História Social, Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP. Recuperado em 7 de junho, 2017, de.pucsp.br/handle/handle/13054

Silveira, R. S. & Nardi, H. C. (2014). Interseccionalidade gênero, raça e etnia e a lei Maria da Penha. Psicologia & Sociedade, 26(n. esp.), 14-24.

Souza, N. S. (1983). Tornar-se negro ou as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social.Rio de Janeiro: Graal.

Souza, J. (2009). Ralé brasileira quem é e comovive. Belo Horizonte: UFMG.

Terra, I. G. (2014). “Delicada e dedicada”: representações sociais do feminino em cartazes de campanhas publicitárias do Ministério da Saúde -Brasil, 2012. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Zilio, C. (1980). A querela do Brasil: a questão da identidade da arte brasileira. Rio de Janeiro: Funarte.

Publicado
2018-12-13
Como Citar
Chamon, A. R., & Nascimento, A. R. (2018). As “mulatas“ de Di Cavalcanti. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 35, 133-160. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6891
Seção
Artigos