Resgate histórico e implicações psicossociais

a Ermida de Nossa Senhora da Escada (Bahia)

  • Ana Luiza Prada Roque Universidade de São Paulo
  • Marina Massimi Universidade de São Paulo
Palavras-chave: memória, pertencimento, Ermida de Nossa Senhora da Escada, Salvador

Resumo

O resgate histórico pode ser uma forma eficaz de unir uma comunidade, despertar nela o sentimento de pertencimento ao local que vive, e possibilitar ações futuras. Assim, o estudo teve o objetivo de recuperar a memória histórica acerca da Ermida de Nossa Senhora da Escada, a partir da perspectiva da história dos saberes psicológicos, com foco nos impactos psicossociais para a comunidade do bairro. A Ermida se localiza no bairro da Escada, no Subúrbio Ferroviário de Salvador, e foi fundada no século XVI. O método histórico utilizado na pesquisa consistiu na coleta, organização, interpretação e análise de fontes primárias e secundárias, tendo em vista: a Ermida nas fontes primárias; a Escada nas tradições populares; e o Significado simbólico da Escada. A partir da análise dos dados, tem-se a hipótese que a Ermida carrega significações culturais e proporciona vivências psíquicas ligadas às experiências religiosas, que contribuem para a afirmação da identidade.

 

Biografia do Autor

Ana Luiza Prada Roque, Universidade de São Paulo
Psicóloga, graduada pelo Departamento de Psicologia, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo – Campus de Ribeirão Preto.
Marina Massimi, Universidade de São Paulo
Possui graduação em Psicologa - Università degli Studi di Padova (1979), mestrado em Psicologia (Psicologia Experimental) pela Universidade de São Paulo (1985) e doutorado em Psicologia (Psicologia Experimental) pela Universidade de São Paulo (1989). Professora titular aposentada da Universidade de São Paulo. Atualmente é Professora Senior do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo e lidera Grupo de Pesquisa "Tempo, Memória e Pertencimento" junto ao IEA. Tem experiência de pesquisa na área de Psicologia, com ênfase em História da Psicologia, atuando principalmente nos seguintes temas: historia da psicologia científica; história dos saberes psicológicos na cultura brasileira, saberes psicológicos dos jesuítas. Foi Presidente e Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de História da Psicologia de 2013 a 2017. Membro da Academia Ambrosiana (Milão).

Referências

Alighieri, D.(1999).A divina comédia: inferno, purgatório e paraíso(I. E.Mauro, Trad.). São Paulo:34.(Originais do século XIV).

Alkimin, I. M. (2007). Escadacelestial, de João Clímaco (cod. alc. 213): edição e estudo. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Estudos Lingüísticos, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Almeida, A. C. R. (2004). Da Palestina à Europa: trajecto de um livro de formação monástica. Península: Revista de Estudos Ibéricos, 1, 263-268.

Andery, M. A. P. A. (2011). Comportamento e cultura na perspectiva da análise do comportamento.Perspectivas em análise do comportamento,2(2), 203-217. Recuperado em 09 de fevereiro, 2017, de pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-35482011000200006&lng=pt&tlng=pt

Araújo, R. A. & Mahfoud, M. (2004). A devoção a Nossa Senhora de Nazareth a partir da elaboração da experiência ontológica de moradores de uma comunidade tradicional. Memorandum, 6, 25-54. Recuperado em 09 de fevereiro, 2017, de seer.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/10094

Araújo, S. C. A. (2005). O ambiente em Winnicott. Winnicott e-prints,4(1), 21-34.

Azevedo, P. O. (Org.). (1975). Inventário de proteção do acervo cultural da Bahia: monumentos do município do Salvador(v. 1). Salvador: IPAC Recuperado em 20 de maio, 2014, de patrimonio.ipac.ba.gov.br/documentacao-e-memoria/ipac-sic

Bento. (2003). A regra de São Bento. Rio de Janeiro: Lumem Christi. (Original publicado por volta de 529).

Brozek, J., Campos, R. H. F. & Massimi, M. (2008). Historiografia da psicologia: métodos. Em R. H. F. Campos (Org.). História da Psicologia: pesquisa, formação e ensino (pp. 21-48). Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Cardim, F (1980). Tratados da terra e gente do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia. (Originais de 1583-1601, publicação póstuma em 1925).

Carrara, K. & Zilio, D. (2015). Análise comportamental da cultura: contingência ou metacontingência como unidade de análise? Revista Brasileira de Análise do Comportamento, 11(2), 135-146.

Clímaco, S. J. (1990). La escala espiritual o escala del paraíso(I. G. Almoda & M. Matthei, Trad.s). Zamora, Espanha: Monte Casino. (Originais do séc. VI).

De Certeau, M. (2000). A escrita da história (M. L. Menezes, Trad.). São Paulo: Forense Universitária. (Original publicado em 1975).

Dias, P. H. C. & Safra, G. (2015). O lugar da mística na clínica psicanalítica. Memorandum, 28, 171-183. Recuperado em 10 de abril, 2017, de seer.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6319

Eliade, M. (1998). Tratado de história das religiões(F. Tomaz & N. Nunes, Trad.s). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1958).

Gerd, H-M. (1994). Dicionáriode símbolos: imagens e sinais da arte cristã(J. R. Costa, Trad.). São Paulo: Paulus. (Original publicado em 1984).

Grinsteins, V. Nossa Senhora da Conceição da Escada: antiga devoção mariana popular de Portugal e do Brasil, ligada ao mar. Recuperado em 15 de agosto, 2015, de catolicismo.com.br/materia/materia.cfm?idmat=A616221F-93E8-EFB5-8173CED1BF37 A197&mes=Março2000

Halbwachs, M.(2006). A memória coletiva(B. Sidon, Trad.). São Paulo: Centauro. (Original publicado em 1950).

Hartog, F. (2006). Tempo e patrimônio.Varia Historia, 22(36), 261-273.

Leite, S. (Org.). (2004a).História da Companhia de Jesus no Brasil(Tomo I). São Paulo: Loyola.

Leite, S. (Org.). (2004b).História da Companhia de Jesus no Brasil(Tomo II). São Paulo: Loyola.

Leite, S. (Org.). (2004c).História da Companhia de Jesus no Brasil(Tomo V). São Paulo: Loyola.

Leite, S. (Org.). (2004d).História da Companhia de Jesus no Brasil(Tomo VI). São Paulo: Loyola.

Lopez, M. A. (2010). Significados de experiências de devoção: a crença em anjos. Memorandum, 19, 26-39. Recuperado em 10 de abril, 2017, de seer.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/9693

Lorenzon, A. (2009). A pessoa humana, o enraizamento e o desenraizamento: a fome e a questão ecológica no pensamento de Simone Weil. Revista Iberoamericana de Personalismo Comunitario, 12(4), 58-64.

Mahfoud, M. (2003). Folia de Reis: festa raiz: psicologia e experiência religiosa na Estação Ecológica Juréia-Itatins.São Paulo: Companhia Ilimitada.

Marques, G. (1997). Lendas de Portugal (v. 4). Lisboa: Círculo de Leitores.

Martin-Baró, I. (2006). Hacía una psicología de la liberación. Psicología sin Fronteras, 1(2), 7-14. Recuperado em 24 de fevereiro, 2014, de www.facso.uchile.cl/psicologia/epe/ _documentos/getep/martin_baro_psicologia_liberacion.pdf.

Massimi, M. (2012). Em busca de novos horizontes para reconstituir as relações entre cultura e psicologia. Em M. Massimi (Org.). Psicologia, cultura e história: perspectivas em diálogo diálogo (pp. 111-123).. Rio de janeiro: Outras Letras.

Molon, S. I. (2003). Subjetividade e constituição do sujeito em Vygotski. Petrópolis, RJ: Vozes.

Moser, G. (1998). Psicologia ambiental.Estudos de Psicologia (Natal),3(1), 121-130. Recuperado em 24 de fevereiro, 2014, de dx.doi.org/10.1590/S1413-294X1998000100008

Nóbrega, M. (1988). Cartas Jesuíticas 1: cartas do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia. (Originais de 1549-1560).

Oliveira, P. S. (2013). Sobre memória e sociedade. Revista USP, 98, 87-94. Recuperado em 24 de fevereiro, 2014, de doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i98p87-94

Pereira, N. M. (1760). Compendio narrativo do peregrino da América, em que se tratavam vários discursos espirituais, morais, e com muitas advertências e documentos contra os abusos que se acham introduzidos pela malícia diabólica do Estado do Brasil. Lisboa: Oficina Manoel Fernandes da Costa.

Rocha, L. C. (2005). Salvador, espaço de reprodução da “globalização perversa”: plataforma no centro do debate da cidade (in)visível. Diálogos Possíveis, 4(1), 51-64.

Sá, A. (1750). Sermões vários.Lisboa: Oficina Miguel Rodrigues.

Safra, G. (2005). A vivência do sagrado e a pessoa humana. Recuperado em 08 de agosto, 2015, de www.ecclesia.com.br/biblioteca/iconografia/a_vivencia_do_sagrado_e_a_pessoa_humana.html

Salvador, F.V. (2010). História do Brasil(Col. Reconquista do Brasil). Belo Horizonte: Itatiaia Limitada. (Originais de 1626-30).

Santos, J. E. F. (2010). Cuidado com o vão: repercurssões do homicídio entre jovens da periferia. Salvador: Edufba.

Santos, J. E. F. (2013). O reencontro. Recuperado em 02 de abril, 2015, de belezadosuburbio.wordpress.com/2013/09/26/o-reencontro-a-text-by-dinho

Schmidt, M. L. S. & Mahfoud, M. (1993). Halbwachs: memória coletiva e experiência.Psicologia USP,4(1/2), 285-298.

Simson, O. R. M. (2003). Memória, cultura e poder na sociedade do esquecimento. Revista Acadêmica, 1(6), 14-18.

Souza, G. S. (2000). Tratado descritivo do Brasil em 1587(Col. Reconquista do Brasil). Belo Horizonte: Itatiaia. (Originais de 1587).

Tassara, E. T.O. (2005). Psicologia Ambiental e política ambiental: estratégias para a construção do futuro. Psicologia USP, 16(1/2), 262-267.

Thompson, P. (1992). A voz do passado: história oral(3a ed.). (L. L. Oliveira, Trad.). Rio de Janeiro: Paz e Terra. (Original publicado em 1978).

Trinca, W. (1991). A etérea leveza da experiência. São Paulo: Sciliano.

Vieira, A. (1655). Sermão do mandato. Recuperado em 10 de novembro, 2018, de www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ua000259.pdf

Weil, S. (1996). A condiçãooperária e outros estudos sobre a opressão (T. G. G. Langlada, Trad.). Rio de Janeiro: Paz e terra.(Original publicado em 1949).

Publicado
2018-12-13
Como Citar
Roque, A. L., & Massimi, M. (2018). Resgate histórico e implicações psicossociais. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 35, 161-183. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6892
Seção
Artigos