Revisitando os fundamentos da classificação: uma análise crítica sobre teorias do passado e do presente

Autores

  • Maurício Barcellos Almeida UFMG
  • Lívia M. D. Teixeira Fundação Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações, Campinas, SP, Brasil

Resumo

Categorias são constructos essenciais para entender o mundo. Não é por acaso que os estudos sobre categorias surgiram há mais de 2.000 anos e, desde então, diversas teorias foram desenvolvidas para explicar os verdadeiros enigmas que envolvem o tema. No contexto da ciência, a necessidade de criar métodos para organizar, agrupar e categorizar coisas – as entidades do mundo presentes em quaisquer corpora de conhecimento – têm fomentado um debate secular. O presente artigo se insere nesse contexto e objetiva discutir princípios filosóficos que impactam, por um lado, na disciplina de Organização do Conhecimento e, por outro lado, na disciplina da Ontologia Aplicada. Para tal, aborda-se a questão da identidade e similaridade de entidades em um mundo sujeito a constantes mudanças, a qual pode ser sumarizada na formulação: como é possível existir uma cognição universal sobre entidades que são individuais? Para explicar essa formulação, descrevem-se preceitos básicos de três teses da Filosofia – realismo, nominalismo e conceitualismo – demonstrando que a forma de classificar adotada em Organização do Conhecimento no âmbito da Biblioteconomia e Ciência da Informação articulou-se a partir de problemas metafísicos muito similares aos que estão nas raízes da Ontologia Aplicada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício Barcellos Almeida, UFMG

Doutor em Ciência da Informação. Professor do PPG-GOC/Escola de Ciência da Informação.

Lívia M. D. Teixeira, Fundação Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações, Campinas, SP, Brasil

Doutora em Gestão e Organização do Conhecimento. Pesquisadora da Fundação Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações

Downloads

Publicado

2020-02-27

Edição

Seção

Artigos