Análise tecnológica e multisetorial das práticas de inteligência competitiva utilizadas pelas organizações brasileiras

Autores

  • Paulo Henrique de Oliveira
  • Carlos Alberto Gonçalves

Palavras-chave:

Inteligência competitiva; Tecnologias da informação e comunicação (TICs); Profissionais da inteligência; Organizações brasileiras; Pesquisa qualitativa.

Resumo

Como ocorre a trajetória da Ciência, assim como de que a partir de um estudo quantitativo realizado com profissionais de inteligência de 66 organizações brasileiras pertencentes a alguns dos principais setores econômicos do país, constatou-se que nem todas as Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) consideradas como importantes por eles são efetivamente utilizadas nas atividades de elaboração e disseminação dos produtos de inteligência demandados pelos tomadores de decisões estratégicas, com exceção da internet. A dispersão encontrada quanto às demais TICs pode estar associada a diversos fatores, com especial destaque para: porte e natureza do setor industrial das organizações pesquisadas, disponibilidade das TICs nas respectivas organizações, tipos de produtos de inteligência demandados e prazo de entrega dos mesmos, além do nível de conhecimento, preferências pessoais e características das atividades de inteligência executadas. Os dados foram coletados por meio da aplicação online de um questionário estruturado aos respectivos profissionais e analisados com ajuda das técnicas da estatística descritiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, R. M. Análise dos perfis de atuação profissional e de competências relativas à inteligência competitiva. 187f. 2010. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). UFSCar, São Carlos, 2010.

BERNHARDT, D. C. Competitive intelligence: how to acquire and use corporate intelligence and counter-intelligence. London: Prentice Hall, 2003.

BOUTHILLIER, F; SHEARER, K. Assessing competitive intelligence software: a guide to evaluating CI technology. New Jersey: Information Today, 2003.

BULGER, N. The Evolving Role of Intelligence: Migrating from Traditional Competitive Intelligence to Integrated Intelligence. The International Journal of Intelligence, Security, and Public Affairs, v. 18, n. 2, p. 57–84, 2016.

CALOF, J. Competitive intelligence practices of European firms. Technology Analysis & Strategic Management, v. 30, n. 6, p. 658-671, 2018.

COOK, M.; COOK, C. Competitive intelligence. London: Kogan Page, 2000.

DOMENES, P. M.; URDAN, A. T. O Processo de Implantação da Inteligência Competitiva em uma Empresa de 'Facilities Services'. Revista Administração em Diálogo, v. 21, n. 3, p. 115-130, 2019.

FLEISHER, Craig; BENSOUSSAN, Babette. Business and competitive analysis: effective application of new and classic methods. New York NY: FT Press, 2007.

FEHRINGER, D.; HOHHOF, B.; JOHNSON, T. (Eds.). State of the art: competitive intelligence - executive summary. Alexandria: Competitive Intelligence Foundation, 2006.

GIESKES, Hans. Inteligência competitivAMARALa no Lexis-Nexis. In: PRESCOTT, J. E.; MILLER, S. H. Inteligência competitiva na prática: estudos de casos diretamente do campo de batalha. Rio de Janeiro: Campus, 2002. p.93-107.

HALL, Chris. BENSOUSSAN, Babette. Staying ahead of competition: how firms really manage their competitive intelligence and knowledge – evidence from a decade of rapid change. Singapore: World Scientific, 2007.

HERRING, J. P. Tópicos fundamentais de inteligência: processo para identificação e definição de necessidades de inteligência. In: PRESCOTT, John E.; MILLER, Stephen H. Inteligência Competitiva na Prática. Editora Campus, São Paulo, 2002. p.274-291.

HOHHOF, B. O mercado da tecnologia da informação. In: MILLER, J. P. O milênio da inteligência competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2002. p.157-179.

KOLB, Guy; MILLER, Jerry P. O milênio da inteligência: o futuro. In: MILLER, Jerry P. O milênio da inteligência competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2002. p.265-272.

MACHADO, Cátia dos Reis. Análise estratégica baseada em processos de inteligência competitiva (IC) e gestão do conhecimento (GC): proposta de um modelo. Tese de Doutorado. UFSC Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: 2010. Disponível em: http://btd.egc.ufsc.br/?p=843. Acesso em 13 de Abril, 2015.

MARCIAL, E. Utilização de modelo multivariado para identificação dos elementos-chave que compõem sistemas de inteligência competitiva. 2007. 163f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

MILLER, J. P. O milênio da inteligência competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2002.

PERUCCHI, V.; ARAÚJO JÚNIOR, R. H. Produção científica sobre inteligência competitiva da Faculdade de Ciência da Informação da Universidade de Brasília. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.17, n.2, p.37-56, abr./jun. 2012.

POZZEBON, M.; FREITAS, H. M. R.; PETRINI, M. Pela integração da inteligência competitiva nos Enterprise Information Systems (EIS). Ciência da Informação, Brasília, v.26, n.3, 1997.

SAPIRO, Arão. Inteligência empresarial: a revolução informacional da ação competitiva. RAE, São Paulo, v.33, n.3, p.106-124, maio./jun., 1993.

SPIANDORELLO, F. M.; SCHIAVI, M. T.; HOFFMANN, W. A. M. Inteligência Competitiva em Contratos Internacionais de Tecnologia: Contratações de uma Empresa Petrolífera. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 8, n. N. Especial, p. 21-38, 2018.

TARAPANOFF, Kira. Inteligência Organizacional e Competitiva. Brasília: Unb, 2001.

WEST, C. Competitive intelligence. New York: Palgrave, 2001.

VRIENS, Dirk. Information and communications technology for competitive intelligence. Netherlands: Idea Group, 2004.

VIDIGAL F.; BORGES, M. E. N. Inteligência competitiva: metodologias aplicadas em empresas brasileiras. Inf. Inf., Londrina, v.17, n.1, p.93-119, jan./jun., 2012.

Downloads

Publicado

2021-09-21

Edição

Seção

Artigos