Competência em informação às pessoas transgênero: conjecturando diálogos insurgentes frente ao CIStema

Autores

Palavras-chave:

Competência em informação; Pessoas transgênero; Pessoas trans; Vulnerabilidade social; Minorias sociais

Resumo

Busca-se aqui apresentar o movimento social e científico da competência em informação além da elitização acadêmica e restrita às instituições de ensino: trata-se do despertar dessa “metacompetência” como ferramenta efetiva na construção cidadã dos socialmente vulneráveis – subalternizados, excluídos, menosprezados. Trata-se de estudo qualitativo, com proveniência bibliográfica, onde buscamos traçar alguns pressupostos de diálogos insurgentes dessa competência como forma de apoio para com as pessoas transgênero (ou apenas pessoas trans) ou seja, aquelas que perpassam a dicotomia homem/masculino e mulher/feminino e não se identificam com as atribuições biológicas de nascença. Daí, entende-se que a ausência de desenvolvimento da competência em informação é uma forma de autoritarismo e repressão social. Seu viés empirista pode e deve se tornar um poderoso aliado no desenvolvimento da cidadania das minorias sociais. Diante disso, assinalamos que são primordiais e emergentes a discussão e o entendimento da igualdade das identidades de gênero, pois diante dos avanços tecnológicos e informacionais, a competência em informação é potencialmente capaz de apoiar o desenvolvimento das pessoas que mais precisam dela. Como resultados, reiteramos que é necessário vislumbrar além das tecnologias e das “bolhas” em que ela se desenvolve, buscando de fato alargar seus saberes e fazeres – e por isso, consideramos que a competência em informação não pode se limitar à biblioteca e ao bibliotecário, como mencionado na discussão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Goulart Righetto , Universidade Federal de Santa Catarina

Bibliotecário/Documentalista (CRB 14/1622) na Biblioteca Universitária da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutor e Mestre em Ciência da Informação pela UFSC. Bacharel em Biblioteconomia pela mesma instituição. Integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Competência em Informação (GPCIn).

Referências

ADORNO, Rubens de Camargo Ferreira. Um olhar sobre os jovens e sua vulnerabilidade social. São Paulo: Associação de Apoio ao Programa Capacitação Solidária (AAPCS), 2001.

ALVAREZ, Marcos César. Cidadania e direitos num mundo globalizado. Perspectivas: Revista de Ciências Sociais, São Paulo, n. 22, p. 95-107, 1999. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/perspectivas/article/view/2090. Acesso em: 04 dez. 2021.

AMERICAN LIBRARY ASSOCIATION (ALA). ASSOCIATION OF COLLEGE & RESEARCH LIBRARIES (ACRL). Framework for Information Literacy for Higher Education. 2016. Disponível em: https://www.ala.org/acrl/standards/ilframework. Acesso em: 04 dez. 2021.

BENEVIDES, Bruna G.; NOGUEIRA, Sayonara Naider Bonfim. Dossiê assassinatos e violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2020. São Paulo: Expressão Popular: ANTRA: IBTE, 2021.

BENTO, Berenice; PELÚCIO, Larissa. Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 569-581, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/GYT43pHGkS6qL5XSQpDjrqj/abstract/?lang=pt. Acesso em: 04 dez. 2021.

BUTLER, Judith. Notes toward a performative theory of assembly. Cambridge: Harvard University Press, 2015.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Rethinking vulnerability and resistance. Madrid, jun. 2014. Disponível em: http://bibacc.org/wp-content/uploads/2016/07/Rethinking-Vulnerability-and-Resistance-Judith-Butler.pdf. Acesso em: 04 dez. 2021.

CAMPELLO, Bernadete. O movimento da competência informacional: uma perspectiva para o letramento informacional. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 3, p. 28-37, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ci/a/9nQgbdkq5nXsNBLfv5MBHNm/abstract/?lang=pt. Acesso em: 04 dez. 2021.

CAPURRO, Rafael. Epistemologia e ciência da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., 2003, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

CASTEL, Pierre-Henri. Algumas reflexões para estabelecer a cronologia do “fenômeno transexual” (1910-1995). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 21, n. 41, p. 77-111, 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbh/a/RrL6gCWPxj6tfQmdrNDLTnB/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 04 dez. 2021.

CASTELLS, Manuel. La sociedad red: una visión global. España, Alianza, 2006.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

CONNELL, Raewyn. Gênero em termos reais. São Paulo: Versos, 2016.

DEMO, Pedro. Participação é conquista. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

DIMENSTEIN, Magda; CIRILO NETO, Maurício. Abordagens conceituais da vulnerabilidade no âmbito da saúde e assistência social. Pesquisas e práticas psicossociais, São João Del-Rei, v. 15, n. 1, p. 1-17, 2020. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082020000100002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 04 dez. 2021.

ELMBORG, James. Critical information literacy: implications for instructional practice. The Journal of Academic Librarianship, [s.l], v. 32, n. 2, p. 192-199, 2006. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0099133305001898. Acesso em: 04 dez. 2021.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 31. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

HOPENHAYN, Martin. A cidadania vulnerabilizada na América Latina. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 5-18, 2002. Disponível em: https://www.rebep.org.br/revista/article/view/310. Acesso em: 04 dez. 2021.

JACOBS, Heidi L. M. Information Literacy and Reflective Pedagogical Praxis. Journal of Academic Librarianship, [s.l], v. 34, n. 3, p. 256-262, 2008. Disponível em: https://scholar.uwindsor.ca/leddylibrarypub/23/. Acesso em: 04 dez. 2021.

JANCZURA, Rosane. Risco ou vulnerabilidade social? Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 301-308, 2012. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/view/12173. Acesso em: 04 dez. 2021.

JESUS, Jaqueline Gomes. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. 2. ed. Brasília, 2012. Disponível em: https://www.diversidadesexual.com.br/wp-content/uploads/2013/04/G%C3%8ANERO-CONCEITOS-E-TERMOS.pdf. Acesso em: 20 jan. 2018.

MACIEL, Maria Lucia; ALBAGLI, Sarita (org.). Informação, conhecimento e poder: mudança tecnológica e inovação social. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.

MANIFESTO de Florianópolis sobre a competência em informação e as populações vulneráveis e minorias. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 25., 2013, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: FEBAB, 2013. Não paginado. Disponível em: http://repositorio.febab.org.br/items/show/4554. Acesso em: 04 dez. 2021.

MARANDOLA JR., Eduardo; HOGAN, Daniel Joseph. Vulnerabilidade do lugar vs. vulnerabilidade sociodemográfica: implicações metodológicas de uma velha questão. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 26, n. 2, p. 161-181, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbepop/a/vLV3PWZZNw9TX45DY5TWJtQ/?lang=pt. Acesso em: 04 dez. 2021.

MARSHALL, J. P. Disinformation Society, Communication and Cosmopolitan Democracy. Cosmopolitan Civil Societies: An Interdisciplinary Journal, [s.l.], v. 9, n. 2, 2017. Disponível em: https://epress.lib.uts.edu.au/journals/index.php/mcs/article/view/5477. Acesso em: 04 dez. 2021.

MELERO, Maria Beatriz. Metade dos brasileiros não sabem o que significa

ser trans, diz pesquisa. Revista Cláudia, São Paulo, 2 jun. 2018. Disponível em: https://claudia.abril.com.br/noticias/metade-brasileiros-nao-sabem-transgenero-aponta-pesquisa/. Acesso em: 05 dez. 2021.

MONTEIRO, Simone Rocha da Rocha Pires. O marco conceitual da vulnerabilidade social. In: SEMINÁRIO DE POLÍTICAS SOCIAIS DO MERCOSUL, 3., 2011, Pelotas. Anais [...]. Pelotas: SEPOME, 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Educação em Matéria de Direitos Humanos e Tratados de Direitos Humanos. Lisboa: ONU, 2002. Disponível em: https://gddc.ministeriopublico.pt/sites/default/files/documentos/pdf/serie_decada_2_educacao_dh_e_tratados_dh.pdf. Acesso em: 04 dez. 2021.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Livres & Iguais Nações Unidas. Nota informativa: pessoas transgênero. ONU, 2017. Disponível em: https://www.unfe.org/wp-content/uploads/2017/05/Transgender-PT.pdf. Acesso em: 04 dez. 2021.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Journalism, ‘Fake News’ & Disinformation. Paris: Unesco, 2018.

ORTEGA Y GASSET, José. A rebelião das massas. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

OTTONICAR, Selma Letícia Capinzaiki; VALENTIM, Marta Lígia Pomim; FERES, Glória Georges. Competência em informação e os contextos educacional, tecnológico, político e organizacional. Revista Ibero-Americana de Ciência da Informação, Brasília, v. 9, n. 1, p. 124- 142, out. 2015. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/v/74869. Acesso em: 05 dez. 2021.

PAULA, Carlos Eduardo Artiaga; SILVA, Ana Paula da; BITTAR, Cléria Maria Lôbo. Vulnerabilidade legislativa de grupos minoritários. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 12, p. 3841-3848, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413. Acesso em: 04 dez. 2021.

PETRY, Analídia Rodolpho; MEYER, Dagmar Estermann. Transexualidade e heteronormatividade: algumas questões para a pesquisa. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 193-198, 2011. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/view/7375.

Acesso em: 04 dez. 2021.

POMPEU, Ana. STF autoriza pessoas trans a mudar nome mesmo sem cirurgia ou decisão judicial. Consultor Jurídico, [s.l.], mar. 2018. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2018-mar-01/stf-autoriza-trans-mudar-nome-cirurgia-ou-decisao-judicial. Acesso em: 04 dez. 2021.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto contra-sexual: praticas subversivas de identidade sexual. 2. ed. Madrid: Opera Prima, 2017.

PROWSE, Martin. Towards a clearer understanding of ‘vulnerability’ in relation to chronic poverty. Oxford: University of Manchester, 2003. (CPRC Working Paper, n. 24). Disponível em: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1754445. Acesso em: 04 dez. 2021.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

RIGHETTO, G. G.; VITORINO, E. V.; MURIEL-TORRADO, E. Competência em informação no contexto da vulnerabilidade social: conexões possíveis. Informação & Sociedade: estudos, João Pessoa, v. 28, n. 1, p. 77-90, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/34735. Acesso em: 04 dez. 2021.

RODRIGUES, Ana Maria da Silva; OLIVEIRA, Cristina V.M. Camilo de; FREITAS, Maria Cristina Vieira de. Globalização, cultura e sociedade da informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 6, n. 1, nov. 2001. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/439. Acesso em: 04 dez. 2021.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 10. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

SCOTT, Juliano Beck; PROLA, Caroline de Abreu; SIQUEIRA, Aline Cardoso; PEREIRA, Caroline Rubin Rossato. O conceito de vulnerabilidade social no âmbito da psicologia no Brasil: uma revisão sistemática da literatura. Psicologia em revista, Belo Horizonte, v. 24, n. 2, p. 600-615, 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682018000200013. Acesso em: 04 dez. 2021.

SÉGUIN, Elida. Minorias e grupos vulneráveis: uma abordagem jurídica. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

SUDRÉ, Lu. Transexualidade deixa de ser considerada doença, mas ainda é patologizada. Brasil de Fato, São Paulo, jun. 2019. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2019/06/03/transexualidade-deixa-de-ser-considerada-doenca-mas-ainda-e-patologizada. Acesso em: 04 dez. 2021.

SUESS, Aimar. Análisis del panorama discursivo al redor de la despatologização trans: procesos de transformación de los marcos interpretativos en diferentes campos sociales. In: MISSÉ, Miquel; COLL-PLANAS, Gerard (ed.). El género desordenado: críticas en torno a la patologización de la transexualidad. Barcelona: EGALES, 2010. p. 29-54.

TELLO, Felipe Meneses. Servicios bibliotecarios para grupos vulnerables: la perspectiva en las directrices de la ifla y otras asociaciones. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 18, n. 1, 2008. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/92957. Acesso em: 04 dez. 2021.

TREMACOLDI, Paulo Roberto. Algumas reflexões sobre a sociedade da informação. Revista Ubiquidade, Jundiaí, v.1, n. 1, p. 16-33, 2011. Disponível em: https://revistas.anchieta.br/index.php/RevistaUbiquidade/article/view/1012. Acesso em: 04 dez. 2021.

VITORINO, Elizete Vieira; PIANTOLA, Daniela. Competência em informação: conceito, contexto histórico e olhares para a Ciência da Informação. Florianópolis: Editora da UFSC, 2020.

YUNES, Maria Angela Mattar; SZYMANSKI, Heloísa. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, José (org.). Resiliência e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001. p. 13-42

ZURKOWSKI, Paul G. Information services environment relationships and priorities. Washington, D.C: National Commission on Libraries and Information Science, 1974. (Related Paper, n. 5). Disponível em: http://files.eric.ed.gov/fulltext/ED100391.pdf. Acesso em: 04 dez. 2021.

Downloads

Publicado

2022-06-07

Edição

Seção

Seção 1: Apontamentos e tendências teóricas em Competência em Informação