Autocuidado de pessoas com estomias intestinais

Implicações para o cuidado de Enfermagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2022.38661

Palavras-chave:

Autocuidado, Estomia, Cuidado de Enfermagem, Educação em Saúde, Estomaterapia

Resumo

Objetivo: compreender as dificuldades enfrentadas pelas pessoas com estomias intestinais a partir das vivências de autocuidado. Método: trata-se de estudo descritivo, qualitativo, realizado com 30 pessoas com estomias intestinais, em um Centro Especializado em Reabilitação no Rio Grande do Norte, de abril a junho de 2017. A entrevista semiestruturada foi gravada, transcrita e os dados coletados foram analisados seguindo os pressupostos da análise de conteúdo de Bardin. Resultados: a partir das vivências de autocuidado mencionadas pelos participantes, emergiram as dificuldades agrupadas nas categorias: higiene e manuseio do equipamento coletor; necessidades de cuidado com a pele periestomal; equipamento coletor e os episódios de vazamento; convívio social após a estomia; dificuldades e potencialidades da assistência de Enfermagem. As pessoas com estomias apresentaram dificuldades relacionadas à limpeza do estoma, recorte do equipamento coletor, aparecimento de complicações periestomiais, vazamentos de efluentes, afastamento de atividades sociais e informações insuficientes sobre o autocuidado. Considerações Finais: diante das dificuldades encontradas, torna-se necessário refletir sobre as mudanças nas práticas assistenciais para desenvolver o autocuidado da população com estomias, as quais podem se beneficiar do uso de tecnologias educativas instituídas desde o período pré-operatório. Este estudo contribui para a compreensão das experiências de autocuidado vivenciadas por essa população a serem abordadas pela enfermagem na promoção da educação em saúde. Além disso, espera-se que o estudo subsidie pesquisas com novas estratégias para fortalecer a assistência a esse público e o avanço da ciência de Enfermagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

United Ostomy Associations of America. New Ostomy Patient Guide [Internet]. United States of America: The Phoenix; 2020[citado em 2020 nov. 20]. Disponível em: https://www.ostomy.org/new-ostomy-patient-guide/

Intenational Ostomy Association. Charter of ostomates rights. Ottawa: IOA Coordination Committee; 2007[citado em 2020 out. 15]. Disponível em: http://www.ostomyinternational.org/

Ministério da Saúde. Guia de atenção à saúde da pessoa com estomia. Brasília: Ministério da Saúde; 2019[citado em 2020 out. 22]. Disponível em: https://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2019/julho/26/GUIA-ESTOMIA-Consulta-Publiaca-05-06-2019.pdf

Salomé GM, Lima JA, Muniz KC, Faria EC, Ferreira LM. Health locus of control, body image and self-esteem in individuals with intestinal stoma. J Coloproctol (Rio J). 2017[citado em 2020 out. 28];37(3):216-24. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jcol.2017.04.003

Figueiredo PA, Alvim NAT. Diretrizes para um programa de atenção integral ao estomizado e família: uma proposta de Enfermagem. Rev Latinoam Enferm. 2016[citado em 2020 out. 20];24: e2694. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1518-8345.0507.2694

Denyes MJ, Orem DE, Bekel G. Self-Care: A Foundational Science. Nurs Sci Q. 2001[citado em 2020 out. 21];14(1):49-54. Disponível em: https://doi.org/10.1177/089431840101400113

Farias DLS, Nery RNB, Santana ME. O enfermeiro como educador em saúde da pessoa estomizada com câncer colorretal. Enferm Foco (Brasília). 2018[citado em 2020 nov. 02];10(1):35-9. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1028051

Mota MS, Gomes GC, Petuco VM. Repercussões no processo de vida de pessoas com estomas. Texto & Contexto Enferm. 2016[citado em 2020 nov. 22];25(1):e1260014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-070720160001260014

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2016.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Health Care Qual Assur. 2007[citado em 2020 nov. 20];19(6):349-57. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: Consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa. 2017[citado em 2021 jul. 04]; 5(7):01-12 2017. Disponível em: https://editora.sepq.org.br/rpq/article/view/82

Freire DA, Angelim RCM, Souza NR, Brandão BMGM, Torres KMS, Serrano SQ. Autoimagem e autocuidado na vivência de pacientes estomizados: o olhar da Enfermagem. REME Rev Min Enferm. 2017[citado em 2020 nov. 21];21:e1019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20170029

Braga CG, Silva JV. Teorias de Enfermagem. São Paulo: editora Iátria; 2011.

Bulkley JE, McMullen CK, Grant M, Wendel C, Hornbrook MC, Krouse RS. Ongoing ostomy self-care challenges of long-term rectal cancer survivors. Support Care Cancer. 2018[citado em 2020 nov. 21];26:3933–9. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s00520-018-4268-0

Mota MS, Gomes GC, Silva CD, Gomes VLO, Pelzer MT, Barros EJL. Autocuidado: uma estratégia para a qualidade de vida da pessoa com estomia. Investig Enferm. 2016[citado em 2020 nov. 22];18(1):63-78. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=145243501005

Sun V, Bojorquez O, Grant M, Christopher S, Wendel CS, Weinstein R, et al. Cancer survivors’ challenges with ostomy appliances and self-management: a qualitative analysis. Support Care Cancer. 2020[citado em 2020 nov. 28];28:1551–4. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s00520-019-05156-7

Marinho NA, Luniere JAS, Bahia JC, Paulino LF, Santos MO. Realidade vivenciada pelo paciente ostomizado no município de Goiânia–GO. Saúde Ciênc Ação. 2016[citado em 2020 nov. 28];2(1):132-42. Disponível em: http://revistas.unifan.edu.br/index.php/RevistaICS/article/view/195

Associação Brasileira de Normas Técnicas (BR). Norma Brasileira Regulamentadora 9050: acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT; 2015[citado em 2020 nov. 28]. Disponível em: http://www.portaldeacessibilidade.rs.gov.br/

Bonill-de-las-Nieves C, Celdrán-Mañas M, Hueso-Montoro C, Morales-Asencio JM, Rivas-Marín C, Fernández-Gallego MC. Living with digestive stomas: strategies to cope with the new bodily reality. Rev Latinoam Enferm. 2014[citado em 2020 nov. 30];22(3):394-400. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-1169.3208.2429

Maydick-Youngberg D. A descriptive study to explore the effect of peristomal skin complications on quality of life of adults with a permanent ostomy. Ostomy Wound Manage. 2017[citado em 2020 dez. 02];63(5):10-23. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28570245/

Miranda SM, Luz MHBA, Sonobe HM, Andrade EMLR, Moura ECC. Caracterização Sociodemográfica e Clínica de Pessoas com Estomia em Teresina. Estima. 2016[citado em 2020 dez. 02];14(1):29-35. Disponível em: https://www.revistaestima.com.br/estima/article/view/117

Carvalho DS, Silva AGI, Ferreira SRM, Braga LC. Construção de tecnologia educacional para estomizados: enfoque no cuidado da pele periestoma. Rev Bras Enferm. 2019[citado em 2020 dez. 05];72(2):447-54. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0024

Wound, Ostomy, and Continence Nurses Society. WOCN Society Clinical Guideline. Journal Of Wound, Ostomy & Continence Nursing. 2018[citado em 2021 jul. 05]; 45(1): 50-58. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1097/won.0000000000000396

Cengiz B, Bahar Z. Perceived Barriers and Home Care Needs When Adapting to a Fecal Ostomy: A Phenomenological Study. J Wound Ostomy Continence Nurs. 2017[citado em 2020 dez. 06];44(1):63-8. Disponível em: https://doi.org/10.1097/WON.0000000000000271

Sousa ARA, Menezes LCG, Miranda SM, Cavalcante TB. Estratégias educativas para pessoas com estomia intestinal: revisão integrativa. Rev Enferm Atual In Derme. 2017[citado em 2020 dez. 05];81:81-8. Disponível em: https://revistaenfermagematual.com/index.php/revista/article/view/325/210

Arquivos adicionais

Publicado

08-04-2022

Como Citar

1.
Silva IP da, Sena JF de, Lucena SKP, Xavier SS de M, Mesquita SK da C, Silva VGF da, Costa IKF. Autocuidado de pessoas com estomias intestinais: Implicações para o cuidado de Enfermagem. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 8º de abril de 2022 [citado 4º de fevereiro de 2023];26. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/38661

Edição

Seção

Pesquisa