Caracterização do atendimento do serviço de atendimento móvel de urgência (samu) às emergências clínicas

Autores

  • Rauan Sousa da Hora Universidade Federal da Bahia, Escola de Enfermagem, Salvador BA , Brasil, Universidade Federal da Bahia - UFBA, Escola de Enfermagem. Salvador, BA - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-8392-756X
  • Edison Ferreira de Paiva Hospital Sírio Libanês, Instituto de Ensino e Pesquisa, São Paulo SP , Brasil, Hospital Sírio Libanês, Instituto de Ensino e Pesquisa. São Paulo, SP - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-4779-2557
  • Elieusa e Silva Sampaio Universidade Federal da Bahia, Escola de Enfermagem, Salvador BA , Brasil, Universidade Federal da Bahia - UFBA, Escola de Enfermagem. Salvador, BA - Brasil. http://orcid.org/0000-0003-1702-7296
  • Josias Alves de Oliveira UFBA, Escola de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação, Salvador BA , Brasil, UFBA, Escola de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação. Salvador, BA - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-5100-5536
  • Virgínia Ramos dos Santos Souza Universidade Federal da Bahia, Escola de Enfermagem, Salvador BA , Brasil, Universidade Federal da Bahia - UFBA, Escola de Enfermagem. Salvador, BA - Brasil. http://orcid.org/0000-0003-4246-4332
  • Paloma de Castro Brandão Universidade Federal da Bahia, Escola de Enfermagem, Salvador BA , Brasil, Universidade Federal da Bahia - UFBA, Escola de Enfermagem. Salvador, BA - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-8659-6292

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49713

Palavras-chave:

Serviços Médicos de Emergência, Assistência Ambulatorial, Enfermagem em Emergência, Cuidados Médicos, Pesquisa em Enfermagem

Resumo

Objetivo: caracterizar os atendimentos clínicos realizados pelo SAMU de Salvador. Metodologia: trata-se de estudo descritivo, exploratório e transversal cuja amostra foi composta de 465 fichas de atendimentos clínicos realizados pelo SAMU, na cidade de Salvador na Bahia. Os dados foram obtidos por meio de instrumento de coleta de dados e a análise descritiva realizada com o software SPSS, no qual foram processadas frequências relativas e absolutas. Resultados: os usuários atendidos se caracterizaram por serem homens (49,9%) com média de idade de 54 anos [desvio-padrão (DP)=21)]. Os agravos neurológicos (36,1%), cardiológicos (14,4%) e respiratórios (12,9%) foram prevalentes. Unidades de suporte básico foram as mais acionadas (63,7%) e tiveram como principal desfecho o atendimento no local e remoção para um hospital de referência (21,7%), no entanto, recursos como oxigenoterapia e punção venosa não foram utilizados na maior parte dos atendimentos. A média de tempo entre a abertura da ocorrência e saída da base foi de 22 minutos (DP= 20). O tempo resposta teve média de 39 minutos (DP= 25) e a duração total média da ocorrência foi de duas horas (DP= 1:23). Conclusão: os atendimentos clínicos realizados pelo SAMU ocorrem prevalentemente com homens e por agravos neurológicos. Identificou-se discordância entre a necessidade dos pacientes e o envio de recursos, mediante a avaliação da equipe. Os tempos implicados no atendimento pré-hospitalar são elevados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Marques GQ, Lima MADS, Ciconet RM. Agravos clínicos atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Porto Alegre - RS. Acta Paul Enferm. 2011[citado em 2018 dez. 10];24(2):185-91. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v24n2/05.pdf

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2048 de 5 de novembro de 2002. Aprova o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Brasília: MS; 2002[citado em 2018 out. 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt2048_05_11_2002.html

Ministério da Saúde (BR). Manual Instrutivo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde. 2013[citado em 2018 dez. 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_instrutivo_rede_atencao_urgencias.pdf

World Health Organization (WHO). Cardiovascular Diseases. Geneva: WHO; 2017[citado em 2018 out. 15]. Disponível em: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/cardiovascular-diseases-(cvds)

Ministério da Saúde (BR). Regulação Médica das Urgências. Brasília: MS; 2006[citado em 2018 dez. 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/regulacao_medica_urgencias.pdf

Anunciação AS, Monteiro ACD, Cruz APF, Costa H, Oliveira MFC, Chaves MSF, et al. Plano Municipal de Saúde de Salvador 2014-2017. Salvador: Prefeitura Municipal; 2014[citado em 2018 jun. 07]. Disponível em: https://cadernosdoceas.ucsal.br/index.php/cadernosdoceas/article/view/403

Bahia (BR). Secretaria de Saúde do Estado. Projeto de Reorganização do Atendimento de Urgência e Emergência para o Estado da Bahia. Salvador: Secretaria de Saúde do Estado; 2003.

Rodriguez GCB, Dantas RAN, Dantas DV, Lima KRB, Lima MSM, Sarmento SDG, et al. Caracterização das vítimas de emergências clínicas atendidas por um serviço de atendimento pré-hospitalar móvel de urgência. Nursing. 2018[citado em2018 nov. 18];21(240):2173-7. Disponível em: http://www.revistanursing.com.br/revistas/240-Maio2018/atendimento_movel.pdf

Tibães HBB, Silva DM, Alves M, Penna CMM, Brito MJM. Perfil de atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no norte de Minas Gerais. Rev Pesqui Cuid Fundam Online.2018[citado em 2018 jun. 07];10(3):675-82. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/5afd/f4307a7c53eadbeafcab85dad65bbbc4872b.pdf

Casagrande D, Stamm B, Leite MT. Perfil dos atendimentos realizados por uma unidade de suporte avançado do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) do Rio Grande do Sul. Sci Med. 2013[citado em 2018 dez. 10];23(3):149-55. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/5663542.pdf

Oliveira MM, Daher DV, Silva JLL, Andrade SSCA. A saúde do homem em questão: busca por atendimento na atenção básica de saúde. Ciênc Saúde Colet. 2015[citado em 2018 out. 15];20(1):273-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n1/pt_1413-8123-csc-20-01-00273.pdf

Soares MKPS, Dantas RAND, Dantas DVD, Nunes HMAN, Nascimento RAN, Nascimento JCPN. Perfil dos usuários atendidos por um serviço pré-hospitalar móvel de urgência no nordeste brasileiro. Rev Pesqui Cuid Fundam Online. 2018[citado em 2018 dez. 10];10(2):503. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/6111

Mansur AP, Favarato D. Mortalidade por doenças cardiovasculares no Brasil e na região metropolitana de São Paulo: atualização 2011. Arq Bras Cardiol. 2012[citado em 2018 jun. 07];99(2):755-61. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/v99n2/aop05812.pdf

Gonsaga RAT, Brugugnolli ID, Zanutto TA, Gilioli JP, Silva LFC, Fraga GP. Características dos atendimentos realizados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no município de Catanduva, Estado de São Paulo, Brasil, 2006 a 2012. Epidemiol Serv Saúde. 2013[citado em 2018 dez. 10];22(2):317-24. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v22n2/v22n2a13.pdf

Lefundes GAA, Gonçalves NO, Nery AA, Vilela ABA, Martins Filho IE. Caracterização das ocorrências do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Rev Baiana Enferm. 2016[citado em 2018 jun. 07];30(3):1-10. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/Enfermagem/article/view/16387

Marques GQ. Acesso e utilização do serviço de atendimento móvel de urgência de Porto Alegre pelos usuários com demandas clínicas [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Enfermagem; 2010.

Almeida PMV, DellAcqua MCQ, Cyrino CMS, Juliani CMCM, Palhares VC, Pavelqueires S. Análise dos atendimentos do SAMU 192: componente móvel da rede de atenção às urgências e emergências. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2016[citado em 2018 jun. 07];20(2):289-95. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v20n2/1414-8145-ean-20-02-0289.pdf

Coelho MF, Goulart BF, Chaves, LDP. Urgências clínicas: perfil de atendimentos hospitalares. Rev Rene. 2013[citado em 2018 dez. 10];14(1):50-9. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/3325

Ciconet RM. Tempo resposta de um Serviço de Atendimento Móvel de Urgência [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2015.

Silva PMS. Análise do serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU) de Belo Horizonte via simulação e otimização [tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Engenharia; 2010.

Minayo MCS, Deslandes SF. Análise da implantação do sistema de atendimento pré-hospitalar móvel em cinco capitais brasileiras. Cad Saúde Pública. 2008[citado em 2018 jun. 07];24(8):1877-86. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n8/16.pdf

Pitteri JSM, Monteiro PS. Caracterização do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) em Palmas-Tocantins, Brasil, em 2009. Comun Ciênc Saúde. 2010[citado em 2018 out. 15];21(3):227-36. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/caracterizacao_servico_atendimento_movel.pdf

Raatiniemi L, Liisanantti J, Niemi S, Nal H, Ohtonen P, Antikainen H, et al. Short-term outcome and differences between rural and urban trauma patients treated by mobile intensive care units in Northern Finland: a retrospective analysis. Scand J Trauma Resusc Emerg Med. 2015[citado em 2018 set. 14];23(1):1-9. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s13049-015-0175-2

Newton PR, Naidoo R, Brysiewicz P. The appropriateness of emergency medical service responses in the eTheKwini district of KwaZulu-Natal, South Africa. South African Med J. 2015[citado em 2018 set. 14];105(10):844-7. Disponível em: http://www.scielo.org.za/pdf/samj/v105n10/17.pdf

Cabral ELS, Castro WRS, Florentino DRM, Viana DA, Costa Junior JF, Souza RP, et al. Response time in the emergency services. Systematic review. Acta Cir Bras. 2018[citado em 2019 out. 31];33(12):1110-21. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s0102-865020180120000009

Publicado

17-02-2020

Como Citar

1.
Hora RS da, Paiva EF de, Sampaio E e S, Oliveira JA de, Souza VR dos S, Brandão P de C. Caracterização do atendimento do serviço de atendimento móvel de urgência (samu) às emergências clínicas. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 17º de fevereiro de 2020 [citado 27º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49713

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.