Assistência prestada às mulheres que foram submetidas à cesariana por parada de progressão

Autores

  • Rafaela Roque Queiroz Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Enfermagem, Florianópolis SC , Brazil, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Departamento de Enfermagem. Florianópolis, SC - Brasil. http://orcid.org/0000-0001-6487-4629
  • Margarete Maria de Lima Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Enfermagem, Florianópolis SC , Brazil, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Departamento de Enfermagem. Florianópolis, SC - Brasil. http://orcid.org/0000-0003-2214-3072
  • Vitória Regina Petters Gregorio Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Enfermagem, Florianópolis SC , Brazil, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Departamento de Enfermagem. Florianópolis, SC - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-9565-348X
  • Vania Sorgatto Collaço Universidade Federal de Santa Catarina, Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago, Residência Integrada Multiprofissional em Saúde, Florianópolis SC , Brazil, UFSC, Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago, Residência Integrada Multiprofissional em Saúde. Florianópolis, SC - Brasil. http://orcid.org/0000-0003-0616-4914

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49761

Palavras-chave:

Cesárea, Enfermeiras Obstétricas, Trabalho de Parto

Resumo

Objetivo: conhecer a percepção das mulheres submetidas à cesariana por parada de progressão do trabalho de parto sobre a assistência prestada em um hospital universitário do sul do Brasil. Método: qualitativo-descritivo, por meio de entrevistas semiestruturadas com 13 puérperas que realizaram cesariana por parada de progressão do trabalho de parto. O período de coleta de dados foi de 1o de agosto a 30 de setembro de 2017. Os dados coletados foram analisados por meio de procedimentos de análise temática. Resultados e discussão: as categorias emergentes foram assistência fragmentada durante o trabalho de parto, boas práticas no cuidado às parturientes e a preferência da via de parto e o encaminhamento para a cesariana. Os dados mostraram que a assistência prestada no centro obstétrico é fragmentada, realizada por vários profissionais. As boas práticas para a humanização do parto identificadas foram: apoio emocional e físico e métodos não farmacológicos para alívio da dor, na maioria das vezes realizados pela enfermeira obstetra. A maioria das mulheres tinha a preferência pelo parto normal na gestação, porém foram submetidas à cesariana e consideraram seu trabalho de parto um processo que necessitou de intervenções pela falha do seu corpo na evolução do trabalho de parto. Considerações finais: na percepção das mulheres, a enfermeira obstetra se destacou entre os profissionais da equipe, no cuidado no trabalho de parto, porém esse cuidado não se configurou como suporte contínuo. Recomenda-se a qualificação dos profissionais dessa maternidade para a assistência humanizada e integral às necessidades das parturientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Diretriz N°179, de Março de 2016. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias da Saúde. Diretrizes de Atençao à Gestante: a operação cesariana. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Gibbons L, Belizan JM, Lauer JA, Betran AP Merialdi M, Althabe F. Inequities in the use of cesarean section deliveries in the world. Am J Obstet Gyneccol. 2012[citado em 2019 fev. 26];206:331. Disponível em: http://www.ajog.org/article/S0002-9378(12)00258-X/fulltext

World Health Organization. Statement on Caesarean Section Rates. 2015. [citado em 2017 out. 17]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5034743/

Amorim MMR, Souza ASR, Porto AMF. Indicações de cesariana baseadas em evidências: parte I. Femina. 2010[citado em 2019 fev. 26];38(8):415-22. Disponível em: http://bhpelopartonormal.pbh.gov.br/estudos_cientificos/arquivos/cesariana_baseada_evidencias_parte_I.pdf

Kottwitz F, Gouveia HG, Gonçalves AC. Via de parto preferida por puérperas e suas motivações. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2018[citado em 2019 fev. 26];22(1):1-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v22n1/pt_1414-8145-ean-2177-9465-EAN-2017-0013.pdf

Fossa AM, Lino CM, Castilho RAM, Rocha MCP Horibe TM. A experiência da enfermeira durante a assistência a gestante no parto humanizado. Saúde Rev. 2015[citado em 2017 out. 17];15(40):25-36. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistasunimep/index.php/sr/article/view/2537/1471

Szwarcwald CL, Escalante JJC, Rabello DL, Souza PRB, Victora CG. Estimação da razão de mortalidade no Brasil, 2008-2011. Cad Saúde Pública. 2014[citado em 2017 out. 17];30(1):71-83. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0071.pdf

Ministério da Saúde (BR). Portal da Saúde. Rede Cegonha. Diretrizes Gerais e Operacionais da Rede Cegonha. Brasília: MS; 2013.

Absolute und relative Indikationen zur Sectio caesarea und zur Frage der sogenannten Sectio auf Wunsch. (AWMF. 015/054). [citado em 2017 out. 17]. Disponível em: http://www.dgggde/leitlinienstellungnahmen/archivierte-leitlinien/federfuehrende-leitlinien-der-dggg/?eID=dam_fronted_push&docID=2083

Souza ASR, Amorim MMR, Porto AMF. Indicações de cesariana baseadas em evidências: parte II. Femina. 2010[citado em 2019 fev. 26];38(9):459-68. Disponível em: http://bhpelopartonormal.pbh.gov.br/estudos_cientificos/arquivos/cesariana_baseada_em_evidencias_parte_II.pdf

Lehugeur D, Strapasson MR, Fronza E. Manejo não farmacológico de alívio da dor em partos assistidos por enfermeira obstétrica. Rev Enferm UFPE Online. 2017[citado em 2019 fev. 26];11(12):4929-37. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/22487/25309

Rossignol M, Chaillet N, Boughrassa F, Moutquin JM. Interrelations between four antepartum obstetric interventions and cesarean delivery in women at low risk: a systematic review and modeling of the cascade of interventions. Birth. 2014[citado em 2019 fev. 26];41(1):70-8. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24654639. DOI: 10.1111/birt.12088

Ministério da Saúde (BR). Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no SUS. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. Brasília:MS; 2016.

Minayo CS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 30a ed. Petrópolis, RJ: Vozes; 2011.

Almeida OSC, Gama ER, Bahiana PM. Humanização do parto: a atuação dos enfermeiros. Rev Enferm Contemporânea. 2015[citado em 2019 fev. 26];4(1):79-90. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/456

Silva ALS, Nascimento ER, Coelho EAC. Práticas de enfermeiras no parto normal. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2015[citado em 2019 fev. 26];19(3):424-31. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v19n3/1414-8145-ean-19-03-0424.pdf.

Santos LM, Pereira SSC. Vivências de mulheres sobre a assistência recebida no processo parturitivo. Rev Bras Epidemiol. 2012[citado em 2017 nov. 14];22(1):77-97. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-73312012000100005&script=sci_abstract&tlng=pt

Dodou HD, Rodrigues DP, Oriá MOB. O cuidado à mulher no contexto da maternidade: caminhos e desafios para a humanização. Rev Pesqui Cuid Fundam (Online). 2017[citado em 2017 nov. 14];9(1):222-30. Disponível em: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i1.222-230

Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Theme Filha MM, Dias MAB, Nakamura-Pereira M, et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad Saúde Pública. 2014[citado em 2017 nov. 14];30:S17-S47. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300005

Pereira SB, Diaz CMG, Backes MTS, Ferreira CLL, Backes DS. Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento na perspectiva de profissionais de saúde. Rev Bras Enferm. 2018[citado em 2017 dez. 04];71(3):1393-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v71s3/pt_0034-7167-reben-71-s3-1313.pdf

Domingues RMSM, Dias MAB, Nakamura-Pereira M, Torres JA, Orsi E, Pereira APE, et al. Processo de decisão pelo tipo de parto no Brasil: da preferência inicial das mulheres à via de parto final. Cad Saúde Pública. 2011[citado em 2017 nov. 14];30: S101-16. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0101.pdf

Oliveira RR, Melo EC, Novaes ES, Ferracioli PLRV, Mathias TAF. Factors associated to caesarean delivery in public and private health care systems. Rev Esc Enferm USP. 2016[citado em 2017 nov. 14];50(5):733-40. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000600004

Pinheiro TM, Marques SIR, Matão MEL, Miranda DB. Fatores que influenciam na indicação da via de parto. Rev Enferm Cent-Oeste Min. 2016[citado em 2017 nov. 14]; 1(6):2066-80. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/986/1013

Sampaio ARR, Bousquat A, Barros C. Contato pele a pele ao nascer: um desafio para a promoção do aleitamento materno em maternidade pública no Nordeste brasileiro com o título de Hospital Amigo da Criança. Epidemiol Serv Saúde. 2016[citado em 2017 nov. 14];25(2):281-90. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v25n2/2237-9622-ress-25-02-00281.pdf

Carneiro LMA, Paixão GPN, Sena CD, Souza AR, Silva RS, Pereira A. Parto natural x parto cirúrgico: percepções de mulheres que vivenciaram os dois momentos. Rev Enferm Cent-Oeste Min. 2015[citado em 2017 nov. 14];5(2):1574-85. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/744/859

Publicado

25-11-2019

Como Citar

1.
Queiroz RR, Lima MM de, Gregorio VRP, Collaço VS. Assistência prestada às mulheres que foram submetidas à cesariana por parada de progressão. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 25º de novembro de 2019 [citado 23º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49761

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.