Autonomia da mulher no trabalho de parto: contribuições de um grupo de gestantes

Autores

  • Greice de Medeiros Zirr Universidade Federal de Santa Catarina, Residência Integrada Multiprofissional em Saúde, Florianópolis SC , Brazil, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Residência Integrada Multiprofissional em Saúde. Florianópolis, SC - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-5805-2183
  • Vitoria Regina Petters Gregório Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Enfermagem, Florianópolis SC , Brazil, UFSC, Departamento de Enfermagem. Florianópolis, SC - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-9565-348X
  • Margarete Maria de Lima Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Enfermagem, Florianópolis SC , Brazil, UFSC, Departamento de Enfermagem. Florianópolis, SC - Brasil. http://orcid.org/0000-0003-2214-3072
  • Vania Sorgatto Collaço Universidade Federal de Santa Catarina, Residência Integrada Multiprofissional em Saúde, Florianópolis SC , Brazil, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Residência Integrada Multiprofissional em Saúde. Florianópolis, SC - Brasil. http://orcid.org/0000-0003-0616-4914

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49762

Palavras-chave:

Saúde da Mulher, Enfermagem Obstétrica, Autonomia Pessoal, Preferência do Paciente, Tomada de Decisões

Resumo

Objetivo: identificar de que modo o grupo de gestantes tem contribuído para o fortalecimento da autonomia da mulher durante o trabalho de parto e nascimento. Método: trata-se de pesquisa documental com enfoque qualitativo. Os documentos utilizados para subsidiar este estudo fazem parte do banco de dados do projeto de extensão Grupo de Gestantes e Casais Grávidos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Os critérios de inclusão abrangeram: relato de mulheres que abordaram questões referentes à autonomia no trabalho de parto, no período de 2015 a 2017. Foram analisados 88 relatos de puérperas, dos quais foram selecionadas 21 que englobaram o tema do estudo. A coleta de dados foi realizada no período de agosto a setembro de 2017. A análise de dados foi feita por meio da análise de conteúdo. Resultados e discussão: os resultados deste estudo foram apresentados em quatro categorias: hora de ir à maternidade, conscientização do processo de partejar, vivenciando o parto e práticas que interferem na autonomia da mulher. Encontrou-se que o grupo de gestante é uma ferramenta complementar eficaz e importante no pré-natal para a consolidação da autonomia feminina no processo de parturição. Considerações finais: dessa maneira, incentiva-se a disseminação de grupos de gestantes, uma vez que eles estimulam o desenvolvimento das potencialidades humanas, fazendo com que a mulher se perceba como sujeito central do seu cuidado, tornando-se protagonista no seu processo de gestar e partejar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Universidade Estadual do Ceará. Caderno Humaniza SUS: Humanização do parto e do nascimento. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Reis TLR, Padoin SMM, Toebe TRP, Paula CC, Quadros JS. Autonomia feminina no processo de parto e nascimento: revisão integrativa da literatura. Rev Gaúcha Enferm. 2017[citado em 2017 nov. 17];38(1):e64677. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472017000100503&lng=en

Silva ALS, Nascimento ER, Coelho EAC. Práticas de enfermeiras para promoção da dignificação, participação e autonomia de mulheres no parto normal. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2015[citado em 2017 jun. 17];19(3):424-31. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452015000300424

Simas R, Mendonça S. O caso Adelair e o movimento pela humanização do parto: reflexões sobre violência, poder e direito. VRA. 2017[citado em 2019 fev. 19];1(48):89-103. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/11504.

Gaíva MAM, Palmeira EWM, Mufato LF. Percepção das mulheres sobre a assistência pré-natal e parto nos casos de neonatos que evoluíram para o óbito. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2017[citado em 2017 nov. 23];21(4):1-8. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=127752022017

Copelli FHS, Rocha L, Zampieri MFM, Gregório VRP, Custódio ZAO. Fatores determinantes para a preferência da mulher pela cesariana. Texto Contexto Enferm. 2015[citado em 2017 jul. 17];24(2):336-43. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v24n2/pt_0104-0707-tce-24-02-00336.pdf

Organização Mundial de Saúde. Maternidade segura. Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra: Organização Mundial da Saúde; 1996.

Sena LM. Ameaçada e sem voz, como num campo de concentração: a medicalização do parto como porta e palco para a violência obstétrica [tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva; 2016.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. 13 dez 2012; seção1:13.

Ministério da Saúde (BR). Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. Relatório de Recomendações. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

World Health Organization. Recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: WHO; 2018[citado em 20 de fev. 2019]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/260178/9789241550215-eng.pdf;jsessionid=48C47222C1816F9664AAF733AC2472DC?sequence=1

Zampieri MFM, Gregório VRP, Custódio ZAO, Regis MI, Brasil C. Processo educativo com gestantes e casais grávidos: possibilidade para transformação e reflexão da realidade. Texto Contexto Enferm. 2010[citado em 2017 ago. 17];19(4):719-27. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v19n4/15.pdf

Martins CA, Mattos DV, Santos HFL. Autonomia da mulher no processo parturitivo. Rev Enferm UFPE on line. 2016[citado em 2017 nov. 17];10(12):4509-16. Disponível em: http://pesquisa.bvs.br/brasil/resource/pt/bde-30178

Medeiros J, Hamad GBNZ, Costa RRO, Chaves AEP, Medeiros SM. Métodos não farmacológicos no alívio da dor de parto: percepção de puérperas. Espaço Saúde. 2015[citado em 2017 nov. 20];16(2):37-44. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/espacoparasaude/article/view/20717/pdf_67

Almeida JM, Acosta LG, Pinhal MG. Conhecimento das puérperas com relação aos métodos não farmacológicos de alívio da dor do parto. REME - Rev Min Enferm. 2015[citado em 2017 set. 17];19(3):718-24. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1034

Silva LS, Leão DCMR, Cruz AFN, Alves VH, Rodrigues DP, Pinto CB. Os saberes das mulheres acerca das diferentes posições: uma contribuição para o cuidar. Rev Enferm UFPE on line. 2016[citado em 2017 de nov. 17];10(4):3531-6. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11127/12615

Rangel VM, Kenneth Jr RC, A negociação de um corpo com dor: racionalidade biomédica na dinâmica ritualizada do trabalho de parto hospitalar. Physis (Rio J.). 2016[citado em 2017 out. 17];26(4):1293-311. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=400850560012

Rodrigues DP, Alves VH, Penna LHG, Pereira AV, Branco MBLR, Souza RMP. O descumprimento da lei do acompanhante como agravo à saúde obstétrica. Texto Contexto Enferm. 2017[citado em 2015 nov. 20];26(3):1- 10:e5570015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v26n3/0104-0707-tce-26-03-e5570015.pdf

Nascimento JP, Mattos DV, Matão MEL, Martins CA, Moraes PA. O empoderamento da mulher no parto domiciliar planejado. Rev. enferm. UFPE on line. [Internet] 2016 Nov; [citado em 13 nov. 2017]10 (Suppl. 5): 4182-7. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/11162/12686

Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Theme Filha MM, Dias MAB, Nakamura-Pereira M. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad Saúde Pública. 2014[citado em 20 nov. 2017];30(Suppl 1):17-32. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0017.pdf

Monguilhott J, Brüggemann OM, Freitas PF, d'Orsi E. Nascer no Brasil: a presença do acompanhante favorece a aplicação das boas práticas na atenção ao parto na região Sul. RSP. 2018[citado em 2019 fev. 19]; 52:1. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rsp/article/view/142381

Ministerio de la Salud (Venezuela). Ley Orgánica de 23 de Abril de 2007. Ley Orgánica sobre el Derecho de las Mujeres a una Vida Libre de Violencia. Gaceta Oficial. 24 Abr 2007; n. 38.668[citado em 2019 jan. 12]. Disponível em: http://www.derechos.org.ve/pw/wp-content/uploads/11.-Ley-Org%C3%A1nica-sobre-el-Derecho-de-las-Mujeres-a-una-Vida-Libre-de-Violencia.pdf

Secretaria da Saúde (SC). Lei Estadual nº 17.097, de 17 de janeiro de 2017. Dispõe sobre a implantação de medidas de informação e proteção à gestante e parturiente contra a violência obstétrica no Estado de Santa Catarina Florianópolis: SES/SC; 2017[citado em 2019 jan. 12]. Disponível em: http://leis.alesc.sc.gov.br/html/2017/17097_2017_lei.html

Publicado

25-11-2019

Como Citar

1.
Zirr G de M, Gregório VRP, Lima MM de, Collaço VS. Autonomia da mulher no trabalho de parto: contribuições de um grupo de gestantes. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 25º de novembro de 2019 [citado 23º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49762

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.