Mulheres em privação de liberdade: narrativas de des(assistência) obstétrica

Autores

  • Jeferson Barbosa Silva Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. João Pessoa, PB - Brasil http://orcid.org/0000-0002-1083-1305
  • Marina Nascimento de Moraes Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. João Pessoa, PB - Brasil http://orcid.org/0000-0001-9079-1675
  • Bárbara Maria Lopes da Silva Brandão Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Recife PE , Brasil, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família. Recife, PE - Brasil http://orcid.org/0000-0002-6652-9615
  • Waglânia Mendonça Faustino e Freitas Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. João Pessoa, PB - Brasil http://orcid.org/0000-0002-0118-4521
  • Rafaella Queiroga Souto Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. João Pessoa, PB - Brasil http://orcid.org/0000-0002-7368-8497
  • Maria Djair Dias Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. João Pessoa, PB - Brasil http://orcid.org/0000-0001-7039-4154

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49917

Palavras-chave:

Prisões, Gravidez, Período Pós-Parto, Enfermagem Obstétrica, Violência contra a Mulher

Resumo

OBJETIVO: revelar narrativas de mulheres privadas de liberdade acerca da assistência obstétrica ofertada durante a vivência do ciclo gravídico-puerperal. MÉTODO: estudo exploratório, qualitativo, fundamentado na história oral. A coleta de dados foi realizada em uma instituição prisional feminina de um estado do Nordeste, com seis mulheres que estavam vivenciando algum período do ciclo gravídico-puerperal. As entrevistas foram elaboradas por coorte e analisadas pela técnica de análise de conteúdo RESULTADOS: prevaleceu nos discursos a fragilidade de atenção à saúde em todas as fases do ciclo gravídicopuerperal, envolvendo des(assistência) no pré-natal, vivência não percebida de violência obstétrica, sentimentos de abandono no parto e falta de ambiente adequado para os recém-nascidos dentro da instituição correcional. CONCLUSÃO: as características avaliadas contribuem para fomentar novas reflexões acerca do padrão de atendimento às mulheres privadas de liberdade e seus filhos e acentuam a necessidade de reorganização político-administrativa do sistema penitenciário no âmbito do SUS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Walmsley R. World Prison Population List. 12th ed. London: Institute for Criminal Policy Research; 2018[citado em 2019 nov. 14]. Disponível em: https://www.prisonstudies.org/sites/default/files/resources/downloads/wppl_12.pdf

Ferrari IF, Simões VFN. Female inmates and their children: criminal judicial system in perspective. Psicol Clín. 2019[citado em 2019 nov. 14];31(3):421-37. Disponível em: http://dx.doi.org/10.33208/PC1980-5438v0031n03A01

Simões HV, Bartolomeu PC, Sá PP. Worth how much it weights: what leads pregnant women to prison? Rev Est Emp Dir. 2017[citado em 2019 dez. 17];4(3):145-61. Disponível em: https://doi.org/10.19092/reed.v4i3.274

Baldwin A, Sobolewska A, Capper T. Pregnant women in prison: an integrative literature review. Women Birth. 2018[citado em 2019 nov. 16];917:1-10. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.wombi.2018.12.004

Knittel A, Ti A, Schear S, Comfort M. Evidence-based recommendations to improve reproductive healthcare for incarcerated women. Int J Prison Health. 2017[citado em 2019 nov. 16];13(3/4): 200-6. Disponível em: https://doi.org/10.1108/ijph-07-2016-0031

Ministério da Justiça (BR). Lei nº 11.942, de 28 de maio de 2009. Lei de Execução Penal, para assegurar às mães presas e aos recém-nascidos condições mínimas de assistência. Brasília, DF; 2009[citado em 2019 nov. 28]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11942.htm

Leal MC, Ayres BVS, Esteves-Pereira AP, Sánchez AR, Larouzé B. Birth in prison: pregnancy and birth behind bars in Brazil. Ciênc Saúde Colet. 2016[citado em 2019 dez. 17];21(7):2061-70. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015217.02592016

Matos KKC, Silva SPC, Lima JKS. Representations of incarcerated women about prison management. Rev Enferm UFPE OnLine. 2018[citado em 2019 dez. 20];12(11): 3069-77. Disponível em: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i11a235006p3069-3077-2018

Santana AT, Oliveira CRSA, Bispo TCF. Mothers in prison: pregnant women experiences facing prenatal care. Rev Baiana Saúde Pública. 2016[citado em 2019 dez. 23];40(1):38-54. Disponível em: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2016.v40.n1.a778

Sena LM, Tesser CD. Violência obstétrica no Brasil e o ciberativismo de mulheres mães: relato de duas experiências. Interface (Botucatu). 2017[citado em 2020 fev. 15];21(60):209-20. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0896

Jardim DMB, Modena CM. Obstetric violence in the daily routine of care and its characteristics. Rev Latino-Am Enferm. 2018[citado em 2019 dez. 20];26:e3069. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.2450.306

Ramalho NMG, Ferreira JDL, Lima CLJ, Ferreira TMC, Souto SLU, Maciel GMC. Domestic violence against pregnant women. Rev Enferm UFPE On Line. 2017[citado em 2019 dez. 23];11(12):4999-5008. Disponível em: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i12a22279p4999-5008-2017

Hout MCV, Mhlanga-Gunda R. Contemporary women prisoners health experiences, unique prison health care needs and health care outcomes in sub Saharan Africa: a scoping review of extant literature. BMC Int Health Hum Rights. 2018[citado em 2019 dez. 20];18(31):1-12. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s12914-018-0170-6

Silva NC. Mulheres na prisão: uma imersão aos submundos do encarceramento feminino. Pretextos. 2017[citado em 2020 fev. 15];3(6):641-8. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/18416

Meihy JCSB, Holanda F. História oral: como fazer, como pensar. São Paulo (SP): Contexto; 2007.

Souza EL, Lyra CO, Costa NDL, Rocha PM, Uchoa AC. Metodologia da pesquisa: aplicabilidade em trabalhos científicos na área da saúde. 2ª ed. Natal (RN): EDUFRN; 2019[citado em 2019 dez. 23]. Disponível em: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/bitstream/123456789/27909/1/metodologia_da_pesquisa.pdf

Gusmão MAJX, Terças-Trettel ACP, Nascimento VF, Hattori TY, Brescovit LE, Anataka M, et al. Social and family dynamics and vulnerability of incarcerated females. Rev Saúde Pesqui. 2019[citado em 2019 dez. 27];12(1):159-68. Disponível em: https://doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n1p159-168

Cunha AC, Lacerda JT, Alcauza MTR, Natal S. Avaliação da atenção ao pré-natal na Atenção Básica no Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2019[citado em 2019 dez. 27];19(2):459-70. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1806-93042019000200011

Diuana V, Ventura M, Simas L, Larouzé B, Correa M. Women's reproductive rights in the penitentiary system: tensions and challenges in the transformation of reality. Ciênc Saúde Colet. 2016[citado em 2019 dez. 26];21(7):2041-50. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015217.21632015

André HP, Sperandio N, Siqueira RL, Franceschini SCC, Priore SE. Food and nutrition insecurity indicators associated with iron deficiency anemia in Brazilian children: a systematic review. Ciênc Saúde Colet. 2018[citado em 2019 dez. 27];23(4):1159-67. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018234.16012016

Ministério da Justiça (BR). Lei nº 13.434 de 12 de abril de 2017. Acrescenta parágrafo único ao art. 292 do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), para vedar o uso de algemas em mulheres grávidas durante o parto e em mulheres durante a fase de puerpério imediato. Brasília, DF; 2017[citado em 2020 jun. 17]. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2017/lei-13434-12-abril-2017-784610-publicacaooriginal-152355-pl.html

Flores YYR, Ledezma AGM, Ibarra LEH, Acevedo CEG. Social construction of obstetric violence of Tenek and Nahuatl women in Mexico. Rev Esc Enferm USP. 2019[citado em 2019 dez. 28];53:e03464. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2018028603464

Silva TPR, Carmo AS, Novaes TG, Mendes LL, Moreira AD, Pessoa MC et al. Hospital-acquired conditions and length of stay in the pregnancy and puerperal cycle. Rev Saúde Pública. 2019[citado em 2020 jan. 02];53(64):1-10. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2019053000688

Shlafer RJ, Davis L, Hindt LA, Goshin LS, Gerrity E. Intention and Initiation of Breastfeeding Among Women Who Are Incarcerated. Nurs Womens Health. 2018[citado em 2020 jan. 02];22(1):64-78. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.nwh.2017.12.004

Mariano GJS, Silva IA. The meaning of breastfeeding in prison. Texto & Contexto Enferm. 2018[citado em 2020 jan. 02];27(4):e0590017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072018000590017

Publicado

15-02-2021

Como Citar

1.
Silva JB, Moraes MN de, Brandão BML da S, Freitas WMF e, Souto RQ, Dias MD. Mulheres em privação de liberdade: narrativas de des(assistência) obstétrica. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 15º de fevereiro de 2021 [citado 26º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49917

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)