Vivência materna com o método canguru no domicílio

Autores

  • Altamira Pereira da Silva Reichert Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Departamento de Enfermagem de Saúde Pública, João Pessoa PB , Brasil, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Departamento de Enfermagem de Saúde Pública. João Pessoa, PB -Brasil http://orcid.org/0000-0002-4295-6698
  • Anniely Rodrigues Soares UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem João Pessoa, PB - Brasil http://orcid.org/0000-0002-3382-671X
  • Iolanda Carlli da Silva Bezerra UFPB, Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, UFPB, Graduação em Enfermagem. João Pessoa, PB - Brasil http://orcid.org/0000-0002-7948-8074
  • Tayanne Kiev Carvalho Dias UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem João Pessoa, PB - Brasil http://orcid.org/0000-0002-6184-9281
  • Anna Tereza Alves Guedes UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem João Pessoa, PB - Brasil http://orcid.org/0000-0002-9495-4942
  • Daniele de Souza Vieira UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem João Pessoa, PB - Brasil http://orcid.org/0000-0002-5747-9513

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49962

Palavras-chave:

Método Canguru, Atenção Primária à Saúde, Mães, Recém-Nascido

Resumo

Objetivo: analisar a vivência materna com o Método Canguru no domicílio. Métodos: pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa, realizada com 10 mães-cangurus egressas de uma maternidade de referência de uma capital do Nordeste do Brasil. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas e submetidos à análise temática. Resultados: as mães vivenciaram sentimentos como medo e insegurança durante a etapa domiciliar do Método Canguru e afirmaram que são escassas as orientações fornecidas pelos profissionais de saúde e o apoio para o seguimento do método no domicílio. Conclusão: a vivência materna durante o Método Canguru no domicílio é permeada por desafios quanto ao cuidado ao recém-nascido, portanto, as mães necessitam de orientações claras em todas as suas etapas, bem como do apoio dos profissionais da Estratégia Saúde da Família e de familiares, para dar continuidade ao método e, assim, reduzir a morbimortalidade infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

United Nations Children's Fund (UNICEF). Levels and Trends in Child Mortality. United States: UNICEF; 2017.

World Health Organization (WHO). Preterm Birth. 2018[citado em 2018 mar. 05]. Disponível em: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/preterm-birth

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Método Canguru: manual da terceira etapa do Método Canguru na Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Santos MH, Azevedo Filho FM. Benefícios do método mãe-canguru em recém-nascidos pré-termo ou baixo peso: uma revisão da literatura. Univ Ciênc Saúde. 2016[citado em 2018 abr. 02];14(1):67-6. Disponível em: https://publicacoesacademicas.uniceub.br/cienciasaude/article/view/3477

Heck GMM, Lucca HC, Costa R, Junge CF, Santos SV, Borck M. Compreensão do sentimento materno na vivência no Método Canguru. Rev Enferm UFSM. 2016[citado em 2018 abr. 04];6(1):71-3. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/18083

Seidman G, Unnikrishnan S, Kenny E, Myslinski S, Cairnssmith S, Mulligan B, et al. Barriers and enablers of kangaroo mother care practice: a systematic review. PLos ONE. 2015[citado em 2018 abr. 04];10(5):1-20. Disponível em: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0125643

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2014.

Pieszak GM, Paust AM, Gomes GC, Arrué AM, Neves ET, Machado LM. Hospitalization of premature infants: parents perceptions and revelations about nursing care. Rev Rene. 2017[citado em 2018 mar. 10];18(5):591-7. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/30807

Alcântara KL, Brito LLMS, Costa DVS, Façanha APM, Ximenes LB, Dodt RCM. Family guidelines needed for a safe hospital of the premature newborn: integrative review. Rev Enferm UFPE Online. 2017[citado em 2018 mar. 10];11(2):645-55. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11984

Vieira CS, Medoff-Cooper B, Mello DF, Fonseca LMM, Silva RM, Toso BRGO, et al. Brazilian´s families of preterm child: experiences in the transition period from NICU to home. Int J Nurs Stud. 2016[citado em 2019 jun. 21];3(2):39-45. Disponível em: http://ijnnet.com/journals/ijn/Vol_3_No_2_December_2016/5.pdf

Cossul MU, Silveira AO, Pontes TB, Martins G, Wernet M, Cabral, CCO. Crenças e práticas parentais no cuidado domiciliar da criança nascida prematura. REME - Rev Min Enferm. 2015[citado em 2019 maio 15];19(4):830- 5. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1044

Viana MRP, Araújo LAN, Sales MCV, Magalhães JM. Experiences of premature mothers regarding the Kangaroo Mother Method. Rev Pesqui Cuid Fundam Online. 2018[citado em 2018 mai. 12];10(3):690-5. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/6174

Farias SR, Dias FSB, Silva JB, Cellere ALLR, Beraldo L, Carmona EV. Kangaroo position in low birth weight preterm newborns: descriptive study. Rev Eletrônica Enferm. 2017[citado em 2018 mai. 20];19:1-11. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/06/836934/a15-en.pdf

Stelmak AP, Mazza VA, Freire MH. The value attributed by nursing professionals to the care proposed by the canguru method. Rev Enferm UFPE online. 2017[citado em 2018 mai. 15];11(9):3376-85. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/110236

Hunter EC, Callaghan-Koru JA, Mahmud AA, Shah R, Farzin A, Cristofalo EA, et al. Newborn care practices in rural Bangladesh: implications for the adaptation of kangaroo mother care for community-based interventions. Soc Sci Med. 2014[citado em 2018 maio 21];122:21-30. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2014.10.006

Morgan MC, Nambuya H, Waiswa P, Tann C, Elbourne D, Seeley J, et al. Kangaroo mother care for clinically unstable neonates weighing =2000 g: is it feasible at a hospital in Uganda? J Glob Health. 2018[citado em 2018 maio 20];8(1):1-14. Disponível em: https://doi.org/10.7189/jogh.08.010701

Feitosa MR, Gubert FA, Tomé MABG, Pinheiro MTM, Neves CS, Benevides JL, et al. Primary Health Care follow-up visits: investigation of care continuity of preterm newborns from a Kangaroo-Mother Care Unit. Int Arch Med 2017[citado em 2019 maio 18];10(32):1-9. Disponível em: http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2356/203517

Zani AV, Silva TR, Parada CMGL. The early days of the premature child at home: collective subject discourse. Online Braz J Nurs. 2017[citado em 2018 jun 11];16(1):48-56. Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/5555

Publicado

08-06-2020

Como Citar

1.
Reichert AP da S, Soares AR, Bezerra IC da S, Dias TKC, Guedes ATA, Vieira D de S. Vivência materna com o método canguru no domicílio. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 8º de junho de 2020 [citado 23º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49962

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)