Humanização da assistência na unidade de terapia intensiva pediátrica: perspectiva da equipe de enfermagem

Autores

  • Amanda Cunha Rodrigues Hospital e Maternidade Santa Clara, Unidade de Terapia Intensiva Adulto, Uberlândia MG , Brasil, Enfermeira. Pós-graduada em Enfermagem em Terapia Intensiva. Hospital e Maternidade Santa Clara. Unidade de Terapia Intensiva Adulto. Uberlândia, MG - Brasil
  • Tatiany Calegari Universidade Federal de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, São Paulo SP , Brazil, Enfermeira. Doutoranda na Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. São Paulo-SP, Brasil. Professora Assistente da Universidade Federal de Uberlândia, Curso de Graduação em Enfermagem. Hospital de Clínicas da UFU. Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Uberlândia, MG - Brasil, Universidade Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2016.50030

Palavras-chave:

Humanização da Assistência, Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica, Cuidados de Enfermagem, Relações Profissional-Paciente

Resumo

A Política Nacional de Humanização (PNH) propõe mudanças na gestão e prática de saúde, com estratégias de humanização direcionadas para o atendimento digno. Produz novas maneiras de executar o cuidado, o que reflete na relação positiva entre usuário e profissional, possibilitando a promoção da saúde. O objetivo deste estudo foi analisar a visão da equipe de enfermagem sobre a humanização da assistência às crianças e famílias na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica (UTIP). Constitui-se em uma pesquisa transversal realizada na UTIP de um hospital universitário, de outubro a novembro de 2013. Foi aplicado questionário estruturado às participantes, contendo questões objetivas de caracterização demográfica e laboral, do conhecimento sobre o tema, de aspectos facilitadores e que dificultam a realização de práticas humanizadas. As profissionais de enfermagem afirmam executar ações humanizadas mesmo com conhecimento parcial sobre a temática, destacando os fatores respeito, conforto, escuta e presença da família. As principais dificuldades identificadas para a realização de ações humanizadas foram a redução no quadro de funcionários, alta demanda de pacientes e o tempo. Condições que favorecem o atendimento humanizado no setor são o bom relacionamento com toda a equipe, o bem-estar do profissional, o trabalho reconhecido e valorizado, a formação e capacitação profissional. Concluiu-se que, a despeito do conhecimento teórico parcial e ausência de atualização por leitura científica, na visão das profissionais de enfermagem a humanização é importante e sua prática assistencial está permeada por ações consoantes com as diretrizes da PNH de acolhimento, ambiência e defesa dos direitos dos usuários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Salicio DMB, Gaiva MAM. O significado de humanização da assistência para enfermeiros que atuam em UTI. Rev Eletrônica Enferm. 2006[citado em 2015 mar 02];8(3):370-6. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/revista8_3/v8n3a08.htm

Chernicharo IM, Silva FD, Ferreira MA. Caracterização do termo humanização na assistência por profissionais de enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014[citado em 2015 mar 02];18(1):156-62. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140023

Barros SDOL, Queiroz JC, Melo RM. Cuidando e humanizando: entraves que dificultam esta prática. Rev Enferm UERJ. 2010 [citado em 2015 mar 02];18(4):598-603. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v18n4/v18n4a16.pdf

Chernicharo IM, Silva FD, Ferreira MA. Humanização no cuidado de enfermagem nas concepções de profissionais de enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2011;15(4):686-93.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização - PNH. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Arone EM, Cunha ICKO. Tecnologia e humanização: desafios gerenciados pelo enfermeiro em prol da integralidade da assistência. Rev Bras Enferm. 2007[citado em 2015 mar 02];60(6):721-3. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672007000600019

Ministério da Saúde (BR). Portaria GM/MS nº 3432, de 12 de agosto de 1998. Estabelece critérios de classificação para Unidade de Tratamento Intensivo - UTI. Brasília: Ministério da Saúde; 1998.

Casate JC, Corrêa AK. A humanização do cuidado na formação dos profissionais de saúde nos cursos de graduação. Rev Esc Enferm USP. 2012[citado em 2015 mar 02];46(1):219-26. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000100029

Alves PC, Neves VF, Dela Coleta MF, Oliveira AF. Avaliação do bem estar no trabalho entre profissionais de enfermagem de um hospital universitário. Rev Latino-Am Enferm. 2012[citado em 2015 mar 02];20(4):701-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692012000400010

Souza KMO, Ferreira SD. Assistência humanizada em UTI neonatal: os sentidos e as limitações identificadas pelos profissionais de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2010[citado em 2015 mar 02];15(2):471-80. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000200024

Corbani NMS, Brêtas ACP, Matheus MCC. Humanização do cuidado de enfermagem: o que é isso? Rev Bras Enferm. 2009[citado em 2015 mar 02];62(3):349-54. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000300003

Hoga LAK. A dimensão subjetiva do profissional na humanização da assistência à saúde: uma reflexão. Rev Esc Enferm USP. 2004[citado em 2015 mar 02];38(1):13-20. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342004000100002

Collet N, Rozendo CA. Humanização e trabalho na enfermagem. Rev Bras Enferm. 2003[citado em 2015 mar 02];56(2):189-92. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v56n2/a16v56n2.pdf

Pauli MC, Bousso RS. Crenças que permeiam a humanização da assistência em unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Latino-Am Enferm. 2003[citado em 2015 mar 02];11(3):280-6. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692003000300003

Oliveira LL, Sanino GEC. A humanização da equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva neonatal: concepção, aplicabilidade e interferência na assistência humanizada. Rev Soc Bras Enferm Ped. 2011[citado em 2015 mar 02];11(2):75-83. Disponível em: http://www.sobep.org.br/revista/component/zine/article/143-a-humanizao-da-equipe-de-enfermagem-em-unidade-de-terapia-intensiva-neonatal.html

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC nº 26, de 11 de maio de 2012. Altera a Resolução RDC nº 7, de 24 de fevereiro de 2010, que dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Brasília: Anvisa; 2012.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Brasília: Anvisa; 2010.

Peduzzi M, Anselmi ML. O auxiliar e o técnico de enfermagem: categorias profissionais diferentes e trabalhos equivalentes. Rev Bras Enferm. 2004[citado em 2015 mar 02];57(4):425-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672004000400008

Silva RC, Ferreira MA. Características dos enfermeiros de uma unidade tecnológica: implicações para o cuidado de enfermagem. Rev Bras Enferm. 2011[citado em 2015 mar 02];64(1):98-105. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672011000100015

Cucolo DF, Perroca MG. Monitorando indicadores de desempenho relacionados ao tempo de assistência da equipe de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2010[citado em 2015 mar 02];44(2):497-503. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000200036

Souza JC, Lima JOR, Munari DB, Esperidião E. Ensino do cuidado humanizado: evolução e tendências da produção científica. Rev Bras Enferm. 2008[citado em 2015 mar 02];61(6):878-82. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v61n6/a14v61n6.pdf

Penna CMM, Faria RSR, Rezende GP. Acolhimento: triagem ou estratégia para universalidade do acesso na atenção à saúde? REME - Rev Min Enferm. 2014[citado em 2015 mar 02];18(4):815-22. Disponível em: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20140060

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Ambiência. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Ribeiro JP, Gomes GC, Thofehrn MB. Ambiência como estratégia de humanização da assistência na unidade de pediatria: revisão sistemática. Rev Esc Enferm USP. 2014[citado em 2015 mar 02];48(3):530-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n3/pt_0080-6234-reeusp-48-03-530.pdf. Doi: 10.1590/S0080-623420140000300020

Publicado

02-05-2017

Como Citar

1.
Rodrigues AC, Calegari T. Humanização da assistência na unidade de terapia intensiva pediátrica: perspectiva da equipe de enfermagem. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 2º de maio de 2017 [citado 27º de maio de 2024];20(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/50030

Edição

Seção

Pesquisa