ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS

Autores

  • João Roberto Muzzi de Morais
  • Andréia Ramos Budaruiche
  • Gustavo Costa de Souza
  • Marcos Paulo de Oliveira Corrêa

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2018.5089

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar o Programa Mais Médicos - PMM e suas relações com as falhas de mercado e falhas de governo no setor de saúde brasileiro. Para tanto, se configurou como um estudo de caso de natureza qualitativa. Inicialmente, apresenta-se uma contextualização da saúde pública no Brasil, desde o século XIX até o final do século XX, destacando o papel do governo, do mercado e da sociedade civil no setor de saúde, bem como a criação do Sistema Único de Saúde SUS. Na sequência, discorre-se um breve referencial teórico. Foi utilizada como estratégia metodológica a revisão bibliográfica, recorrendo à livros e artigos pesquisados na Biblioteca Virtual de Saúde e Scielo. A discussão demonstrou características e situações, atinentes ao PMM, relativas às falhas de mercado, no que concerne à incerteza, risco moral, externalidades, assimetria de informação e barreiras. Por fim, o estudo concluiu que, a despeito dos esforços implementados no âmbito do SUS, uma possível dependência de trajetória à iniciativa privada na saúde, parece atrair, com mais efetividade, o profissional médico para o exercício profissional. Sugere-se o desenvolvimento de estudos futuros mais específicos quanto à distribuição dos médicos nas localidades e seus impactos nas condições de saúde da população.

PALAVRAS-CHAVE: Programa Mais Médicos; setor público; economia.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-07-19

Como Citar

MORAIS, J. R. M. de; BUDARUICHE, A. R.; SOUZA, G. C. de; CORRÊA, M. P. de O. ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS. Revista de Ciências do Estado, [S. l.], v. 3, n. 1, 2018. DOI: 10.35699/2525-8036.2018.5089. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/5089. Acesso em: 26 out. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)