A força utópica do messianismo político de Ernst Bloch

  • Hudson Mandotti de Oliveira Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP
Palavras-chave: Bloch, Messianismo, Política

Resumo

O presente artigo propõe analisar os elementos constitutivos presentes na Filosofia da Esperança de Ernst Bloch, com base em questões essenciais: os vestígios da utopia, o possível futuro, as concreções utópicas e o messianismo políticocomo um processo que permanece aberto. Contornos utópicos do pensamento de Bloch são aqueles que, num sentido abrangente da existência do ser, constituem uma síntese de suma importância – “S ainda não é totalmente P”. Nesse sentido, a não sublevação e o desdobramento do humano em sua totalidade permanecem em um processo expectante, cuja tarefa é considerar que esse possível do ainda não realizado é que fundamenta a ação transformadora da política messiânica.

Biografia do Autor

Hudson Mandotti de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP

Doutorando do Programa de Estudos Pós-graduados em Filosofia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP), São Paulo/SP – Brasil.

Referências

ADORNO, Theodor. W. Henkel, Krug und Frühe Erfahrung. GS, v. 11, 1965.

ALBORNOZ, Suzana. Ética e Utopia: ensaio sobre Ernst Bloch. 2. ed. Porto Alegre: Movimento; Santa Cruz do Sul: Editora UNISC, 2006.

BICCA, Luiz. Marxismo e Liberdade. Tradução de Vania Sampaio. São Paulo: Loyola, 1987.BLOCH, Ernst. Sujeto-Objeto: El pensamiento de Hegel. Traduccíon: Wenceslao Roces, José Maria Ripalda, Guilhermo Hirata Justo Perez del Corral. México: Fondo de Cultura Económica, 1983.

BLOCH. Ernst. Geist der Utopie (1918). Frankfurt M.: Suhrkamp, 1985.

BLOCH. Ernst. Geist der Utopie (1923). Frankfurt M.: Suhrkamp, 1985.

BLOCH, Ernst. The Spirit of Utopia. Translated: Antony A. Nassar. California: Standford, 1988.

BLOCH, Ernst. Das Prinzip Hoffnung. Band. 1-3 Frankfurt M.: Suhrkamp, 1985.

BLOCH, Ernst. O princípio esperança. V. 1. Tradução de Nélio Schneider. Rio de Janeiro: UERJ & Contraponto, 2009.

BLOCH, Ernst. O princípio esperança. V. 2. Tradução de Werner Fuchs. Rio de Janeiro: UERJ & Contraponto, 2006.

BLOCH, Ernst. O princípio esperança. V. 3. Tradução de Nélio Schneider. Rio de Janeiro: UERJ & Contraponto, 2009.

BLOCH, Ernst. The Utopian Functon of Art and Literature: Selected Essays. Studies in contemporary German social thought. Cambridge, Mass.: MIT Press, 1988.

BLOCH, Ernst. Hertage of our times. Trad. Neville and Stephen Plaice. Cambridge: Polity Press, 1991.

BLOCH, Ernst. Sujeto-Objeto: El pensamiento de Hegel. Traduccíon: Wenceslao Roces, José Maria Ripalda, Guilhermo Hirata Justo Perez del Corral. México: Fondo de Cultura Económica, 1983.

BLOCH, Ernst. Tübinger Einleitung in die Philosophie, Frankfurt M.: Suhrkamp, 1982.

BLOCH, Ernst. Thomas Münzer teologo de la revolucion. Madrid: Ciencia Nueva, 1968.

BLOCH, Ernst. Über Marx. Frankfurt M.: Suhrkamp, 1968.

BLOCH, Ernst. La Philosophie de la Renaissance. Paris: Petite Bibliothéque Payot, 1972.

BLOCH, Ernst. Vorlesungen zur Philosophie der Renaissance. Frankfurt M.: Suhrkamp, 1972.

BOLDYREV, Ivan. Ersnt Bloch and His Contemporaries. London: Bloomsbury, 2014.

BORGES, Anselmo. Ernst Bloch: A esperança ateia contra a morte. Revista Filosófica de Coimbra, n. 4. v. 2, (1993).

Bíblia Hebraica Stuttgartensia. Stuttgart: German Bible Society; Westminster Seminary, 1996.

BOURETZ, Pierre. Testemunhas do Futuro: Filosofia e Messianismo. Tradução de J. Guinsburg, Fany Kon, Vera Lúcia Felício. São Paulo: Perspectiva, 2011.

FOSSATTI, Nelson. Possibilidade Formal nas Utopias Concretas em Ernst Bloch Revista Opinião Filosófica, Porto Alegre, v. 5; n. 2, 2014.

FOSSATI, Nelson Costa. A utopia em Ernst Bloch: Antinoima como tensão na esperança (Docta Spes). 2013. 113.f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2013.

FURTER, Pierre. Dialética da esperança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

GEOGHEGAN, Vicent. Ernst Bloch. London: First Published, 1996.

HOWARD, Dick; KLARE, Karl E. The Unknown Dimension: European Marxism since Lenin. New York: Basic Books, 1972.

HUDSON, Wayne. The Marxist Philosophy of Ernst Bloch. New York. St. Martin Press, 1982.

JAMESON, Fredric. Marxismo e Forma: Teorias dialéticas da literatura no séc XX. Cap. III Ernst Bloch e o Futuro. São Paulo: Hucitec, 1985.

JAY, Martin. Marxism and Totality:The Adventures of a Concept from Lukacs to Habermas. Berkeley/Los Angeles: University of California Press, 1984.

JOST, Toni. Die Figur des Messias im Denken Ernst Blochs. GRIN/Verlag für akademische texte, 2007.

KLEIN, Manfred. Heimat als Manifestation des Noch-Nicht bei Ernst Bloch. GRINN, 2013.

LIMA, Carlos. Genealogia dialética da utopia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

LOSURDO, Domenico. A Luta de classes: uma história política e filosófica. Tradução de Silvia De Bernardinis. São Paulo: Boitempo, 2015.

LÖWY, Michel. Redenção e Utopia: o judaísmo libertário na Europa Central. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Companhia das Lestras. 1989.

LUKÁCS, George. História e Consciência de Classe: estudo sobre a dialética marxista. Tradução de Rodinei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LUKÁCS, Georg. Historia y conciencia de classe. La Habana/Cuba: Instituto del Libro, 1970.MARX, Karl. El Capital- Crítica de la Economía Política. V. 1. México: Fondo de Cultura Económica, 1999.

MARX, Karl. O Capital – Crítica da Economia Política. Livro 1 - O processo de produção do Capital Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

MÜNSTER, Arno. Filosofia da práxis e Utopia concreta. São Paulo: UNESP, 1993.

MÜNSTER, Arno. Utopia, Messianismo e Apocalipse nas primeiras Obras de Ernst Bloch. Tradução de Flávio Beno Siebenneichler. São Paulo: UNESP, 1997.

POGREBINSCHI, Thamy. O Enigma do Político – Marx contra a política moderna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

QUÉRIN, Daniel. Rosa Luxemburgo e a Espontaneidade Revolucionária. Coleção Khronos. São Paulo: Perspectiva, 1982.

SANTOS, Thiago Reis dos. Reconsiderando a utopia: um estudo sobre o pensamento de Ernst Bloch. 2011, 102f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto/MG.

THOMPSON, Peter; ŽIŽEK, Slavoj.The Privatization of Hope: Ernst Bloch and the Future of Utopia. Durham and London: Duke University Press, 2013.

UNTERMAN, Alan. The Kabbalistic Tradition – An Anthology of Jewish Mysticism. New York: Penguin, 2008.

VIANA, Francisco Antonio Marques. A utopia concreta e o ainda-não-consciente na obra de Ernst Bloch. 2015. 310.f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Pontíficia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.

YERUSHALMI, Yosef Hayim. Zakhor: Jewish History and Jewish Memory, Washington, University of Washington Press, 1982.

YERUSHALMI, Yosef Hayim. Zakhor: História Judaica e Memória Judaica. 2. ed. Tradução de Lina G. Ferreira da Silva. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1992.

ZEILINGER, Doris. Natur und Zukunft Zu einem Kerngedanken der Philosophie Ernst Blochs. Beitrag für die Zeitschrift, Kommune“, zum 30.ZUDEICK, Peter. Der Hintern des Teufels. Ernst Bloch - Leben und Werk. Moos & Baden-Baden, 1987.

Publicado
2018-05-03
Como Citar
OLIVEIRA, H. M. DE. A força utópica do messianismo político de Ernst Bloch. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 24, n. 1 e 2, p. 16-39, 3 maio 2018.
Seção
Artigos