A utopia da cura em psicanálise

  • Maria Rita Kehl
Palavras-chave: Utopia, Desejo, Cura, Psicanálise

Resumo

Se, por um lado, as utopias, criadas por nossa imaginação, são movidas pelo desejo, ainda que seja por um desejo não individual, mas coletivo, por outro lado, a sua realização seria a morte do desejo e, portanto, a efetivação das utopias seria uma realização totalitária. Diante desse problema, o artigo busca abordar a seguinte questão: seria a cura em psicanálise uma utopia? As possíveis respostas a essa questão são exploradas neste artigo tendo em vista a complexa relação entre utopia e desejo.

Biografia do Autor

Maria Rita Kehl

Psicanalista, escritora. Autora de, entre outros, “Deslocamentos do Feminino”, tese de doutoramento pela PUC-SP (Boitempo, 3ª edição, 2016); “O tempo e o cão”, atualidade das depressões (Boitempo, 2009; Prêmio Jabuti do ano 2010 na categoria de não ficção). Foi membro da Comissão Nacional da Verdade entre 2012 e 2014.

Referências

FREUD, Sigmund. “Introdução ao narcisismo” (1914) Tradução Paulo César de Souza. In: Obras Completas, v. 12. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 13-50.

GOLDENBERG, Ricardo. No círculo cínico ou: caro Lacan, por que negar a psicanálise aos canalhas? Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

KEHL, Maria Rita. Sobre ética e psicanálise. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

LACAN, Jacques. “O estádio do espelho constitutivo da função do eu (Je)”. Tradução para o espanhol de Tomás Segovia. In: Escritos II. México: Siglo Veitiuno Editores, 1949, p. 86-93.

MORETTI, Franco. O burguês (2010). Tradução de Alexandre Morales. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

TOURNIER, Michel. Sexta feira ou os limbos do pacífico. Tradução de Fernanda Botelho. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

Publicado
2018-05-03
Como Citar
KEHL, M. R. A utopia da cura em psicanálise. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 24, n. 1 e 2, p. 150-161, 3 maio 2018.
Seção
Artigos