Arquitetura radical em disputa

discussões sobre utopias entre o fim dos anos 1950 e início dos anos 1970

  • Diego Mauro Muniz Ribeiro

Resumo

O presente artigo investiga alguns empregos do termo “utopia” no campo da arquitetura e urbanismo, num período em que este foi especialmente movente e dissensual: o fim dos anos 1950 até o início dos anos 1970, no contexto europeu. Busca-se evidenciar a transformação de um imaginário arquitetônico que primeiramente concebeu sociedades nômades libertárias – em grande medida para uma sociedade pós-revolucionária – e culminou na reflexão do próprio campo arquitetônico como tendo contribuído para a formulação de sociedades distópicas, na qual indivíduos são voluntariamente enclausurados pela arquitetura. As promessas de nomadismo se converteram em limites reforçados pela arquitetura.

Biografia do Autor

Diego Mauro Muniz Ribeiro

Mestre em arquitetura e urbanismo e graduando em Filosofia pela USP.

Referências

ARCHIZOOM. “Città, catena di montaggio del sociale”. Casabella 350-351, julho-agos-to de 1970.

AMBASZ, Emilio. Italy, the New Domestic Landscape: achievements and problems of Italian design. New York: Museum of Modern Art, 1972 (catálogo da exposição).

ANGELIDAKIS, Andreas; PIZZIGONI, Vittorio; SCELSI, Valter. Super Superstudio.Milão: Silvana Editoriale, 2015. (Catálogo de mostra realizada no PAC, Padiglione d’Arte Contemporanea).

BANHAM, Reyner. (1976). Megaestructuras: futuro urbano del passado reciente. Gustavo Gili, Barcelona, 2001.

BIRAGHI, Marco (2005). Project of Crisis: Manfredo Tafuri and contemporary architecture.Massachusetts: The MIT Press, 2013.

CARERI, Francesco. Una città nomade. Disponível em <http://articiviche.blogspot.it/p/constant.html> (versão online do livro: Constant: New Babylon, una Città Noma-de. Torino: Testo & Immagine, 2001).

CONRADS, Ulrich (ed.). Programs and manifestoes on 20th-century architecture. Massachusetts: The MIT Press, 1971.

DEBORD, Guy. Correspondence. The foundation of the Situationist International (June1957–August 1960). Introdução de Mckenzie Wark. Los Angeles: Semiotext(e), 2009.

DEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

RIBEIRO, Diego Mauro M. Internacional Situacionista e Superstudio: Arquitetura e Utopia nos anos 1960-1970. 2016.231f. Dissertação (Mestrado) – FAU/USP, São Paulo, 2016.

ENGELS, Friedrich (1873). Para uma Questão da Habitação. In: Karl Marx e Friedrich Engels: obras escolhidas, vol. 2. São Paulo: Editora Alfa Ômega.

ENGELS, Friedrich; MARX, Karl. O Manifesto Comunista. Tradução de Maria Lucia Como. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

FRAMPTON, Kenneth. História Crítica da Arquitetura Moderna. 2. ed São Paulo: Mar-tins Fontes, 2008.

HUIZINGA, Johan. (1938). Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. Tradução de João Paulo Monteiro. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

JACQUES, Paola Berenstein (org). Apologia da Deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

LANG, Peter; MENKING, William. Superstudio: Life without objects. Milan: Skyra, 2003.

LEFEBVRE, Henri. A Cidade do Capital. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 1999.

LEFEBVRE, Henri. “A Internacional Situacionista”, entrevista a Kristin Ross, em 1983 In: Maio de 68. Organização de Sergio Kohn e Heyk Pimenta. Rio de janeiro: Beco do Azougue, 2008 (Encontros).

LEFEBVRE, Henri. A Irrupção: a revolta dos jovens na sociedade industrial. Causas e efeitos, 1968.

LEFEBVRE, Henri. A Revolução Urbana. Tradução de Sérgio Martins e Margarida Maria de Andrade Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

LIPPOLIS, Leonardo. La Nuoba Babilonia: Il progetto architettonico di una civiltàsituazionista. Milão: Costa & Nolan, 2007.

MÁCEL, Otakar; SCHAIK. Exit Utopia. Munique/Delft: Prestel Verlag e Delft University of Technology, 2005.MAKI, Fumihiko. Investigations in Collective Form. St. Louis: Washington University, 1964.

MANNHEIM, Karl. (1929). Ideologia e Utopia: introdução à sociologia do conhecimento. Tradução de Sérgio Magalhães Santeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

MASTRIGLI, Gabriele. La Vita Segreta del Monumento Continuo. Conversazioni con Gabrierle Mastrigli. Macerata: Quodlibet, 2015.

MIYADA, Paulo. Supersuperfícies:New Babylon (Constant Nieuwenhuys e Internacio-nal Situacionista, 1958-74) e Gli Atti Fondamentali (Superstudio, 1972-73). 2013. 303p. (Dissertação-mestrado) - FAU/USP, São Paulo, 2013.

OCKMAN, Joan. Architecture Culture 1943-1968: a documentary anthology. New York: Rizzoli, Columbia Books of Architecture, 1993.

TAFURI, Manfredo (1973). Projecto e Utopia:arquitetura e desenvolvimento do capita-lismo. Lisboa: Presença, 1985.

TAFURI, Manfredo. Teorias e história da arquitectura. Lisboa: Presença, 1979.

TAFURI, Manfredo; CACCIARI, Massimo; DAL CO, Francesco. De la vanguardia a lametrópoli: crítica radical a la arquitectura. Barcelona: Gustavo Gili, 1972.

WIGLEY, Mark. Constant’s New Babylon: the hyper-architecture of desire. Rotterdam: Witte de With, 1998.

Publicado
2018-05-03
Como Citar
RIBEIRO, D. M. M. Arquitetura radical em disputa. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 24, n. 1 e 2, p. 176-203, 3 maio 2018.
Seção
Artigos