O horizonte utópico nos imaginários urbanos

do patrimônio das frutas à cidade das águas

  • Lucia Elena Pereira Franco Brito Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Resumo

O artigo discute o horizonte utópico nos imaginários urbanos, tomando como objeto de reflexão a história recente da cidade de Frutal. No início dos anos 2010, o município situado no Triângulo Mineiro viveu a promessa, não concretizada, de que se tornaria referência mundial em pesquisas sobre preservação ambiental e gestão da água, graças à implementação da Cidade das Águas – um projeto monumental idealizado pelas elites políticas estaduais e locais. O estudo parte da premissa de que todas as cidades podem ser tomadas na dimensão da utopia, porém, na experiência contemporânea, a promessa da urbe como espaço de convivialidade politizada se depara com projetos pretensamente visionários, que reduzem as cidades à mercadoria e os cidadãos a meros consumidores dos dramas urbanos.

Biografia do Autor

Lucia Elena Pereira Franco Brito, Universidade Federal de Uberlândia - UFU
Doutoranda em História, no Programa de Pós-graduação do Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia, sob orientação da Profa. Dra. Jacy Alves Seixas.

Referências

BRESCIANI, Maria Stella. A dimensão jurídica da conformação do território e da tipologia arquitetônica nas narrativas utópicas: Thomas More e Jeremy Bentham. In: FLORES, Maria Bernardete Ramos; PETERLE, Patrícia. (Orgs.). História e Arte: utopia, utopias. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2013. p. 169-191.

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. 2. ed. São Paulo: Cia das Letras, 2011.

CAMPANELLA, Tommaso. Cidade do sol. Ciberfil Literatura Digital. jan. 2002. Disponível em: http://www.cairu.br/biblioteca/arquivos/Filosofia/Cidade_Sol_Campanella. pdf. Acesso em: 25 mar. 2017.

CHAUÍ, Marilena. Notas sobre a Utopia. Ciência e Cultura. São Paulo, v. 60, n. esp., p. 7-12, jul. 2008. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252 008000500003&script=sci_arttext. Acesso em: 20 mar. 2017.

CIORAN, Emile M. História e utopia. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

CRUZ, Leandro de Sousa. Utopia e pragmatismo em cinco propostas de Habitação de Interesse Social no Brasil (1992-2012). 220f. 2013. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUFBA, Salvador, 2013.

FREITAG, Bárbara. Utopias urbanas. Brasília, 2002. Disponível em: https://teoriado espacourbano.files.wordpress.com/2013/01/freitag-bc3a1rbara-utopias-urbanas.pdf. Acesso em: 21 mar. 2017.

HADDAD, Alice Bitencourt. A narrativa de Crítias, uma “atopia”. Kléos. n. 16/17, 2013. p. 199-213. Disponível em: http://www.pragma.ifcs.ufrj.br/uploads/K16-AliceHaddad.pdf. Acesso em 25 mar. 2017.

JEUDY, Henri-Pierre. O imaginário dos arquitetos. Conferência de Henri-Pierre Jeudy. Tradução Elane Ribeiro Peixoto. Revista Urbana. v. 4, n. 4, mar. 2012. p. 19-27. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view /8635148/2961. Acesso em: 14 mar. 2017.

LAURIOLA, Rosanna. Os gregos e a utopia: uma visão panorâmica através da literatura grega antiga. Revista Espaço Acadêmico. v. 9, n. 97, jun. de 2009. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/7222/4152.Acesso em: 20 mar. 2017.

MARGUTTI, Vivian Bernardes. Peregrinos em busca: alegoria, utopia e distopia em Paul Auster, Nathaniel Hawthorne e John Bunyan. Tese de Doutorado em Estudos Literários – Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

MONTEIRO, Evandro Ziggiatti. Cidades invisíveis visitadas. Uma leitura de Ítalo Calvino para compreender a paisagem urbana. Vitruvius. Ano 8, jan. 2009. Disponível em: http://vitruvius.com.br/revistas. Acesso em: 2 mar. 2017.

MORAES, Walmira Sodré Austríaco. A terra prometida que não vimos: o milenarismo utópico-distópico em Canaã, de Graça Aranha. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Linguagem, Pós-graduação em Estudos de Linguagem. Cuiabá: UFMT, 2011.

MORUS, Thomas. Utopia. O tratado da melhor forma do governo. Tradução de: Anah de Melo Franco. Brasília: Editora UnB, 2004.

MUMFORD, Lewis. A cidade na história: suas origens, transformações e perspectivas. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

PECHMAN, Robert Moses. Utopias e prazeres: dores e desejos na cidade. In: FLORES, Maria Bernardete Ramos; PETERLE, Patrícia. (Orgs.). História e Arte: utopia, utopias. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2013. p. 141-167.

RICOEUR, Paul. Ideologia e utopia. Lisboa: Ed. 70, 1991.

ROUANET, Sergio Paulo. É a cidade que habita os homens ou são eles que moram nela? Revista USP. n.15, 1992. p. 48-75.

SÁNCHEZ, Fernanda. A reinvenção das cidades na virada do século: agentes, estratégias e escalas de ação política. Revista Sociologia Política. Curitiba, n. 16, p.31-49, jun. 2001.

VAINER, Carlos Bernardo. Cidade de exceção: reflexões a partir do Rio de Janeiro. ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR. 14., 2011, Rio de Janeiro. Anais...Disponível em: https://br.boell.org/sites/default/files/downloads/carlos_vainer_ippur_cidade_de_excecao_reflexoes_a_partir_do_rio_de_janeiro.pdf. Acesso em: 10 mar. 2017.

Publicado
2018-05-03
Como Citar
BRITO, L. E. P. F. O horizonte utópico nos imaginários urbanos. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 24, n. 1 e 2, p. 238-259, 3 maio 2018.
Seção
Artigos