Desastres no Brasil e no mundo

Possíveis efeitos sobre as crianças e suas infâncias

Autores

  • Ademilson de Sousa Soares Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Luan Manoel Thomé Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)
  • Lucas Ramos Martins Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Maria do Perpétuo Socorro de Lima Costa Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2020.21434

Palavras-chave:

Desastres, crianças atingidas, danos irreparáveis

Resumo

O artigo apresenta aspectos da discussão sobre desastres no Brasil e no mundo apontando possíveis efeitos sobre as crianças e suas infâncias. Fica evidenciado que a reduzida consistência das políticas públicas para prevenção e para a assistência aos afetados em desastres, incluindo as crianças, decorre, dentre outros fatores, da pequena produção científica sobre a temática. Após uma definição conceitual da palavra “desastre”, as consequências dos desastres para as crianças são apresentadas. Finalmente, como conclusão, a análise das tragédias/desastres/crimes ambientais ocorridos nas cidades de Mariana e Brumadinho no Estado de Minas Gerais no Brasil aponta danos irreparáveis para a população e para as crianças atingidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BECK, U. Risk Society: Towards a new modernity. London: Sage, 1992.
BRASIL, Ministério da Integração Nacional. Redução das vulnerabilidades aos desastres e acidentes na infância. Secretaria de Defesa Civil. 2 ed. Brasília: MI, 2002. Disponível em: <http://www.defesacivil.mg.gov.br/images/documentos/Defesa%20Civil/manuais/Vulnerabilidades-aos-desastres-na-infancia.pdf> Acesso em: 25 de abr 2020.
BRASIL. Câmara dos Deputados. Declaração de Direitos Humanos. Brasília, 1988. Disponível em:<https://www2.camara.leg.br/atividadelegislativa/comissoes/comissoespermanentes/cdhm/comite-brasileiro-de-direitos-humanos-e-politica externa/DeclDirCrian.html> Acesso em: 01 mai 2020.
BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Projeções de Mudanças Climáticas. Disponível em: <http://pnud.cptec.inpe.br/pnud_pc.html> Acesso em: 02 de mai 2020.
BRASIL. Ministério da Saúde. Desastres Naturais e Saúde no Brasil. Série Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Vol. 2. Brasília: Fundação Oswaldo Cruz, 2014. Disponível em: <http://semiarido.icict.fiocruz.br/wp-content/uploads/Desastres-e-Sa%C3%BAde-Brasil-1.pdf> Acesso em: 03 mai 2020.
CRED, Centre for Research on the Epidemiology of Disasters (CRED) (EM-DAT – Emergency Events Database) Faculdade de Saúde Pública. Universidade Católica de Louvain. Clos-Chapelle-aux-Champs, BTE, Bruxelas, Bélgica, 2020
DUMONT, L. O Individualismo – Uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.
EIRD. Marco de Ação de Hyogo (MAH) 2005-2015: aumento da resiliência das nações e das comunidades frente aos desastres. Nações Unidas, 2007. Disponível em: <http://www.urbanismo.mppr.mp.br/arquivos/File/MarcodeAcaodeHyogoCidadesResilientes20052015.pdf> Acesso em: 01 de mai 2020.
FREITAS, C. M de et al. Vulnerabilidade socioambiental, redução de riscos de desastres e construção da resiliência: lições do terremoto no Haiti e das chuvas fortes na Região Serrana, Brasil. Revista Ciências Saúde Coletiva. 2012, p. 1577-1586. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/csc/v17n6/v17n6a21.pdf> Acesso em: 03 mai 2020.
FREITAS, C. M. de et al. Desastres naturais e saúde: uma análise da situação do Brasil. Ciências saúde coletiva. Vol. 19, n. 9, p. 3645-3656, 2014. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/csc/v19n9/1413-8123-csc-19-09-3645.pdf> Acesso em: 01 mai 2020.
GOMES, E. R. B. & CAVALCANTE, A. C. S. Desastres naturais: perdas e reações psicológicas de vítimas de enchente em Teresina. Psicologia & Sociedade; 24(3): 720-728 2012.
HUNZICKER, A. C. de M. O rompimento da barragem de Fundão: repercussões nos saberes e práticas dos professores da escola de Bento Rodrigues. Mestrado em Educação (Dissertação). Faculdade de Educação. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: 2019. Disponível em:<https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/32938/1/Disserta%c3%a7%c3%a3o%20Adriane%20Hunzicker%20PROMESTRE.pdf>Acesso em: 04 mai 2020.
KNIPP, K. Crianças são quem mais sofre com guerras e desastres, diz estudo. DW Made for minds: 2018. Disponível em: <https://www.dw.com/pt-br/crian%C3%A7as-s%C3%A3o-quem-mais-sofre-com-guerras-e-desastres-diz-estudo/a-46355553> Acesso em: 01 mai 2020.
MAB. Movimento dos Atingidos por Barragem. 25 de janeiro: 1 ano de luto e luta por Brumadinho. 2020. Disponível em: < https://planetamg.com.br/25-de-janeiro-1-ano-de-luto-e-luta-por-brumadinho/> Acesso em: 28 de abr de 2020.
MARCHEZINI, V. Dos desastres da natureza à natureza dos desastres. In: VALENCIO, N. et al. Sociologia dos Desastres. São Carlos: RiMa Editora, 2009. Disponível em: <http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/diversos/mini_cd_oficinas/pdfs/Livro-Sociologia-Dos-Desastres.pdf> Acesso em: 02 de mai 2020.
MENDES, J. M; ARAÚJO, P. Risco, catástrofes e a questão das vítimas. E-cadernos CES 25. 2016. Disponível em: < https://journals.openedition.org/eces/2029> Acesso em: 21 abr 2020.
MIRANDA, M. G. et al. Cadê a minha cidade, ou o impacto da tragédia da Samarco na vida dos moradores de Bento Rodrigues. Interações, Campo Grande , v. 18, n. 2, p. 3-12, abr/jun, 2017. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/inter/v18n2/1518-7012-inter-18-02-0003.pdf> Acesso em: 21 abr 2020.
MPMG. Ministério Público de Minas Gerais. Finalizadas investigações sobre o rompimento da barragem em Brumadinho. 21 de janeiro de 2020. Disponível em: <https://www.mpmg.mp.br/>Acesso em: 28 abr 2020.
NEVES, M. C. et al. PRISMMA: Pesquisa sobre a saúde mental das famílias atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão em Mariana. Belo Horizonte: Corpus, 2018. Disponível em:https://ufmg.br/storage/3/5/1/4/3514aa320d36a17e5d5ec0ac2d1ba79e_15236492458994_644662090.pdf acesso em 25 de maio de 2020.
NOAL, D. S; DAMÁSIO, F. (Org) Saúde Mental e Atenção Psicossocial na Pandemia Covid -19. Crianças na Pandemia COVID -19. Fundação Osvaldo Cruz-FIOCRUZ, Ministério da Saúde, 2020, 20 p.

OLIVEIRA, D. R. Crianças em situações de riscos e desastres: atenção psicossocial, saúde mental e direitos humanos. 2018. Doutorado em Psicologia Escola e do Desenvolvimento Humano (Tese), Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2018. Disponível em: <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-04092018-103504/publico/oliveira_do.pdf> Acesso em: 22 abr 2020
ONU. Organização das Nações Unidas. Oito anos após independência, Sudão do Sul ‘viu mais guerra do que paz’, diz ACNUR. Publicado em 10/07/2019. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/oito-anos-apos-independencia-sudao-do-sul-viu-mais-guerra-do-que-paz-diz-acnur/> Acesso em: 30 abr 2020.
ONU. Organização das Nações Unidas. ONU: 5 fatos sobre crianças refugiadas. Publicado em 16/10/2018. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/onu-5-fatos-sobre-criancas-refugiadas/> Acesso em: 30 abr 2020.
PATRIOTA, A. A. Haiti: desafios e oportunidades no pós-terremoto. Boletim de economia e política internacional. IPEA, n. 2, abril 2010. Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/4727/1/BEPI_n2_haiti.pdf> Acesso em: 10 de mai 2020.

PAVAN, B. J. C. O olhar da criança sobre o desastre: uma análise baseada em desenhos. In: VALENCIO, I. et al. Sociologia dos desastres- construção, interfaces e perspectivas no Brasil. São Carlos: Rima Editora, 2009. Disponível em: <http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/diversos/mini_cd_oficinas/pdfs/Livro-Sociologia-Dos-Desastres.pdf> Acesso em: 20 abr 2020.
PEREIRA, K. S. et al. Saúde da Criança e do adolescente. In: NEVES, M. C. ROQUE, M. et al. PRISMMA: Pesquisa sobre a saúde mental das famílias atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão em Mariana. Belo Horizonte: Corpus, 2018. Disponível em: <https://ufmg.br/storage/3/5/1/4/3514aa320d36a17e5d5ec0ac2d1ba79e_15236492458994_644662090.pdf> Acesso em: 25 mai 2020.
POSTMANN, N. O Desaparecimento da Infância. Rio de Janeiro: Graphia, 1999.
ROCHA, P. M. B. et al. Saúde da Criança e do adolescente. In: NEVES, M. C. et al. PRISMMA: Pesquisa sobre a saúde mental das famílias atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão em Mariana. Belo Horizonte: Corpus, 2018. Disponível em:https://ufmg.br/storage/3/5/1/4/3514aa320d36a17e5d5ec0ac2d1ba79e_15236492458994_644662090.pdf acesso em 25 de maio de 2020.

SAFATLE, V. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.
SARMENTO, M. J e MARCHI, R. Radicalização da infância na segunda modernidade. Para uma sociologia da infância crítica. Revista de Sociologia Configurações, p. 91-113, 2008. Disponível em: <https://journals.openedition.org/configuracoes/498>. Acesso em: 30 abr 2020.
SELBY, D. KAGAWA, F. Redução do risco de desastres nos currículos escolares: estudos de casos de trinta países. Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), 2012. Disponível em: <https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000220517> Acesso em: 01 mai 2020.
SILVEIRA, R. H. A salvação da língua: a narrativa como pátria em Die Gerettete Zunge, de Elias Canetti. Revista da UFMG. Belo Horizonte, v. 25, n. 1 e 2, p. 40-63, jan./dez, 2018. Disponível em: <https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/19481/16410>. Acesso em: 03 mai 2020.
SOBRAL, A. et al . Desastres naturais - sistemas de informação e vigilância: uma revisão da literatura. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 19, n. 4, p. 389-402, dez. 2010. Disponível em: <http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v19n4/v19n4a09.pdf> Acesso em: 12 mai 2020.
SOUZA, C. L. Avaliação da pressão antrópica sobre a cobertura vegetal de Cedro e Solidão (Sertão Pernambucano) com o uso de imagens Landsap e sistemas de informações geográficas. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), 2003. Disponível em: < http://mtc-m12.sid.inpe.br/col/sid.inpe.br/banon/2001/04.06.10.52.39/doc/mirrorsearch.cgi?query=keywords+_Geographic_Information_Systems&choice=full&accent=yes&case=yes&languagebutton=pt-BR&returnbutton=no> Acesso em: 04 mai 2020.
TRAJBER, R. et al. Conceitos e termos para a gestão de riscos de desastres na educação. Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais. Disponível em: <http://educacao.cemaden.gov.br/medialibrary_publication_attachment?key=EDtGLgxTQiYlb8yFZUCUND1dSaw=> Acesso em: 12 mai 2020.
TRAJBER, R. OLIVATO, D. MARCHEZINI, V. Conceitos e termos para a gestão de riscos de desastres na educação. Disponível em: http://educacao.cemaden.gov.br/medialibrary_publication_attachment?key=EDtGLgxTQiYlb8yFZUCUND1dSaw= Acesso em: 12 de maio de 2020.
UNISDR. Escritório das Nações Unidas para Redução de Riscos de Desastres. Para uma cultura de prevenção: A Redução do Risco de Desastres Começa na Escola: Boas Práticas e Lições Aprendidas. Genebra: UNISDR.2007. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000220517 Acesso em: 01 de maio de 2020.
VALENCIO, N. Da morte da Quimera à procura de Pégaso: a importância da interpretação sociológica na análise do fenômeno desastre. In: VALENCIO, I. et al. Sociologia dos desastres- construção, interfaces e perspectivas no Brasil. São Carlos: Rima Editora, 2009. Disponível em: <http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/diversos/mini_cd_oficinas/pdfs/Livro-Sociologia-Dos-Desastres.pdf> Acesso em: 20 abr 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-19

Como Citar

SOARES, A. de S.; THOMÉ, L. M. .; MARTINS, L. R.; COSTA, M. do P. S. de L. Desastres no Brasil e no mundo: Possíveis efeitos sobre as crianças e suas infâncias. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 27, n. 3, p. 80–105, 2021. DOI: 10.35699/2316-770X.2020.21434. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/21434. Acesso em: 3 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos