A vida no morro enquanto o desastre não acontece

faces da injustiça socioambiental na cidade do Recife

Autores

  • Flora Clarissa Cardim Pimentel Universidade de Pernambuco (UPE)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2020.21639

Palavras-chave:

Injustiça ambiental, Moradia, Risco

Resumo

A partir da perspectiva construtivista e de conceitos como injustiça e racismo socioambientais, apresento uma reflexão acerca dos efeitos da omissão do Estado sobre a vida dos moradores das áreas de morro do Recife (PE). Mediante o risco ou a ocorrência de um deslizamento de barreira, os indivíduos acionam redes, arranjos e práticas que revelam a família, o parentesco e a vizinhança como instituições fundamentais para sua permanência na cidade. Ao passo que a (auto)responsabilização, a culpabilização e a competição se desencadeiam como as consequências mais perversas. A precarização do espaço de moradia se constitui em medida de forçar a expulsão nas áreas de morro. Assim, as estratégias dos moradores para persistirem nestas áreas se constituem em práticas de resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flora Clarissa Cardim Pimentel, Universidade de Pernambuco (UPE)

Mestra em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco. Pesquisadora do Laboratório de Estudos sobre Ação Coletiva e Cultura – LACC/UPE e integrante do Laboratório de Estudos de Populações Tradicionais e Educação – LEPTE/IFMA.

Referências

ACOSTA. Virginia Garcia. El riesgo como construcción social y la construcción social de riesgos. Revista Desacatos. Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social, Distrito Federal, México; núm. 19, setembro-dezembro, 2005, p. 11-24. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=13901902. Acesso em: 07 jun. 2017.

CARDOSO, Adalton Lucio. Risco urbano e moradia: a construção social do risco em uma favela do Rio de Janeiro. Cadernos IPPUR. Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, 2006, p. 27-48. Graduação em História, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2017.

FEACA – FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES, CENTROS COMUNITÁRIOS E CONSELHO DE MORADORES DE CASA AMARELA. Casa Amarela. Memórias, Lutas, Sonhos... Recife, FEACA, 1988.

FREIRE, Eliane Oliveira de Lima. Uma História Social do Movimento de Resistência à Ditadura Militar de Casa Amarela. Recife-PE 1964 a 1985. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 23., 2005, Londrina. Anais eletrônico... 2005. Londrina: ANPUH, 2005. Disponível em: https://anpuh.org.br/uploads/anais-simposios/pdf/2019-01/1548206371_fb21c36e4accb199ef359ee8c29f6b65.pdf. Acesso em: 11 out. 2017.

GRANJO, Paulo. Quando o conceito de risco se torna perigoso. Revista Análise Social, Lisboa, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, vol. XLI, n. 181, 2006. p. 1167-1179. Disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1218723740D5bIY1dm1Zi12UQ1.pdf. Acesso em: 09 set. 2017.

HERCULANO, Selene. O Clamor por Justiça Ambiental e Contra o Racismo Ambiental. INTERFACEHS. Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente. São Paulo, v. 3, n. 1, p. 1-20, jan./abr. 2008. Artigo 2. Disponível em: http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/InterfacEHS/wp-content/uploads/2013/07/art-2-2008-6.pdf. Acesso em: 17 dez. 2017.

LÓPEZ, Marisa. La contibuición de la Antropología al los estúdios de los desastres: el caso del Huracán Mitch em Honduras y Nicaragua. Revista del Instituto Hondureño de antropología e Historia, YAXKIN, v. 18, p. 5-18, 1999. Disponível em: http://eird.org/esp/cdcapra/pdf/spa/doc14689/doc14689-contenido.pdf. Acesso em: 14 out. 2015.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Da periferia ao centro. Trajetórias de pesquisa em antropologia urbana. São Paulo, Editora Terceiro Nome, 2012.

MARCHEZINI, Victor. Dos desastres da natureza à natureza dos desastres. In: VALÊNCIO, Norma et al. (Org.). Sociologia dos Desastres, vol. I. São Carlos: RiMa Editora, 2009. p. 48-57.

MENDES, José Manuel. Sociologia do Risco. Uma breve introdução e algumas lições. Imprensa da Universidade de Coimbra. Disponível em: https://www.uc.pt/fluc/nicif/riscos/src/SRCII/Sociologia_do_risco.pdf. Acesso em: 27 nov. 2017.

COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE JUSTIÇA AMBIENTAL, TRABALHO E CIDADANIA. Manisfesto de Lançamento da Rede Brasileira de Justiça Ambiental, Niterói, 2001. Disponível em https://www.mma.gov.br/informma/item/8077-manifesto-de-lan%C3%A7amento-da-rede-brasileira-de-justi%C3%A7a-ambiental.html. Acesso em 30 jun. 2020.

RECIFE. Decreto 18.810, de 30 de março de 2001. Autoriza a concessão de benefício eventual às famílias em situação de vulnerabilidade temporária. Recife-PE: prefeitura do Recife [2001]. Disponível em: http://www.legiscidade.recife.pe.gov.br/decreto/18810/. Acesso em: 26 jun. 2020.

SIENA, Mariana. A dimensão de gênero na análise sociológica de desastres: conflitos entre desabrigadas e gestoras de abrigos temporários relacionados às chuvas. Orientadora: Norma Felicidade Lopes da Silva Valêncio. 161f Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/6704/2441.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Assesso em: 11 mar. 2017.

VALÊNCIO, Norma. Da morte da Quimera à procura de Pégaso: a importância da interpretação sociológica na análise do fenômeno denominado desastre. In: VALÊNCIO, Norma et al (Org.). Sociologia dos Desastres vol. I. São Carlos: RiMa Editora, 2009a. p 3-18.

______. Da ‘Área de Risco’ ao abrigo temporário: uma análise dos conflitos subjacentes a uma territorialidade precária. In: VALÊNCIO, Norma et al (Org.). Sociologia dos Desastres vol. I. São Carlos: RiMa Editora, 2009b. p. 34-47.

Downloads

Publicado

2021-11-19

Como Citar

PIMENTEL, F. C. C. . A vida no morro enquanto o desastre não acontece: faces da injustiça socioambiental na cidade do Recife. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 27, n. 3, p. 106–129, 2021. DOI: 10.35699/2316-770X.2020.21639. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/21639. Acesso em: 3 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos