Cidade-corpo

Autores

  • Cássio Eduardo Viana Hissa Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • Maria Luísa Magalhães Nogueira Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2013.2674

Palavras-chave:

Cidades, Cidade-terreno, Subjetividades

Resumo

A cidade, onde a vida acontece, é a expressão mais representativa dos lugares, diz Milton Santos. Mas não se trata da cidade dos mapas, ou aquela percebida do alto, ou mesmo das cidades fotografadas ou imaginárias – ainda que todas elas se refiram à cidade-terreno. É a cidade-corpo, cidade-terreno, que diz o significado dos territórios da vida. Na cidadecorpo, território de existência, lugar da construção de subjetividades, a mobilidade veloz é, contraditoriamente, na modernidade, produtora de imobilismos. É a velocidade que, ao desequilibrar, no terreno próprio da cidade, obstrui o corpo em sua condição de ser e em sua capacidade de experimentar. O caminhar pela rua – que faz com que o corpo do sujeito se deixe atravessar pelo corpo da cidade; e se transforme nela – já se torna transgressão, diante do movimento prevalente que nos retira do chão. É este corpo do sujeito que concede existência à cidade-terreno; e, com o seu vagar, passo a passo, desafia a velocidade que rouba lugares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássio Eduardo Viana Hissa, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Professor Associado do Departamento de Geografia do Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais– UFMG (Brasil).

Maria Luísa Magalhães Nogueira, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Professora Adjunta do Departamento de Psicologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG (Brasil).

Referências

BALMISA, A. S. Entrevista com Francis Alÿs. Exit Express, Madrid, n. 57, fev./mar. 2011.

BORGES, J. L. Livro de areia. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CALDEIRA, T. P. R. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Ed. 34; Edusp, 2003.

CARERI, F. Walkscapes: el andar como práctica estética. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2003.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2008.

DIÓGENES, G. Itinerários de corpos juvenis: o tatame, o jogo e o baile. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

ENRIQUEZ, E. O outro, semelhante ou inimigo? In: NOVAES, Adauto. Civilização e barbárie. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. p. 45-60.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1993.

HARVEY, D. Rebel cities: from the right to the city to the urban revolution. New York: Verso, 2012.

HISSA, C. E. V. A mobilidade das fronteiras: inserções da geografia na crise da modernidade. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002.

HISSA, C. E. V.; MELO, A. F. O lugar e a cidade; conceitos do mundo contemporâneo. In: HISSA, C. E. V. (Org.). Saberes ambientais: desafios para o conhecimento disciplinar. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008. p. 293-308.

HISSA, C. E. V. Territórios de diálogos possíveis. In: RIBEIRO, M. T. F.; MILANI, C. R. S. (Org.). Compreendendo a complexidade socioespacial contemporânea: o território como categoria de diálogo interdisciplinar. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 36-84.

KEHL, M. R. O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo, 2009.

LEFEBVRE, H. Espaço e política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

PELBART, P. P. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

PEREC, G. Especies de espacios. Barcelona: Montesinos, 2001.

SANDER, J. Camelos também dançam – movimento corporal e processos de subjetivação contemporâneos: um olhar através da dança. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2006.

SANDER, J. Movimentos do corpo em dança: do corpo-sem-órgãos ao corporar. O Teatro Transcende, Blumenau, v. 17, n. 1, p. 19-38, 2012.

SARLO, B. La ciudad vista: mercancías y cultura urbana. Buenos Aires: Siglo XXI, 2009.

SANT’ANNA, D. B. Horizontes do corpo. In: BUENO, M. L.; CASTRO, A. L. (Org.). Corpo território da cultura. São Paulo: Annablume, 2005. p. 119-134.

SANTOS, B. S. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, M. A natureza do espaço: espaço e tempo; razão e emoção. São Paulo: HUCITEC, 2008.

SENNETT, R. Carne e pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SENNETT, R. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

Downloads

Publicado

2016-04-11

Como Citar

HISSA, C. E. V.; NOGUEIRA, M. L. M. Cidade-corpo. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 1, p. 54–77, 2016. DOI: 10.35699/2316-770X.2013.2674. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/2674. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos