Rios e cidades

uma longa e sinuosa história...

Autores

  • Márcio Benedito Baptista Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • Adriana Sales Cardoso Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2013.2693

Palavras-chave:

Rios urbanos, Cidades, Restauração

Resumo

Intervenções em cursos de água urbanos têm sido foco de amplo debate nos dias de hoje, com destaque para o tema da restauração. As tendências atuais apontam para uma maior integração desses meios ao cenário das cidades, buscando compatibilizar variadas demandas e contextos também fortemente diversificados. Contudo, os desafios que se apresentam são inúmeros, incluindo as incertezas inerentes ao processo – naturalmente dinâmico em termos fluviais e urbanísticos –, assim como questões afetas ao planejamento, às políticas públicas e institucionais. Este artigo propõe uma análise dos diferentes aspectos mencionados, partindo de uma visão histórica da relação entre os rios e as cidades, para apontar as principais tendências e desafios científicos, tecnológicos, econômicos, políticos e sociais na melhoria da qualidade ambiental e urbanística dos cursos de água e das cidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Benedito Baptista, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Doutor em Recursos Hídricos. Professor Titular do Departamento de Engenharia Hidráulica e Recursos Hídricos daEscola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Adriana Sales Cardoso, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Doutora em Recursos Hídricos. Pesquisadora do Departamento de Engenharia Hidráulica e Recursos Hídricos daEscola de Engenharia da UFMG. Consultora.

Referências

ADELMAN, J. Urban Planning and Reality in Republican Brazil: Belo Horizonte, 1890-1930. Ann Arbor: University Microfilms International, 1976.

AGUIAR, J. E. Estudos das características técnicas e operacionais das galerias de águas pluviais como subsídios para gestão patrimonial e estabelecimento de diretrizes para projetos de sistemas de drenagem ur- bana. 2012. 258F. Tese (Doutorado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos) – Escola de Engenharia da UFMG, Belo Horizonte, 2012.

BAPTISTA, M.; NASCIMENTO, N.; BARRAUD, S. Técnicas compensatórias em drenagem urbana. Porto Alegre: ABRH, 2005. 226P.

BAPTISTA, M. B.; NASCIMENTO, N. O. Aspectos institucionais e de financiamento dos sistemas de drenagem urbana. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 29-49, jan./ mar. 2002.

BONTEMPO, V. L. et. al. Gestão de águas urbanas em Belo Horizonte: avanços e retrocessos.

REGA, v. 9, n. 1, p. 5-16, jan./jun. 2012.

BRITO, S. Defesa contra inundações (1925). In: OBRAS completas de Saturnino de Brito. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1944. v. XIX.

BROOKES, A.; SHIELDS JR., F. D. Perspectives on River Channel Restoration (p. 1-19). In: BROOKES, A.; SHIELDS JR., F. D. (Ed.). River Channel Restoration: Guiding Principles for Sustain- able Projects. Chichester: John Wiley & Sons, 1996. 433p.

BROWN, R. R.; KEATH, N.; WONG T. H. F. Urban Water Management in Cities: Historical, Cur- rent and Future Regimes. Water Science and Technology, v. 59, n. 4, p. 847-855, 2009.

CARDOSO, A. S. Desenvolvimento de metodologia para avaliação de alternativas de intervenção em cursos de água em áreas urbanas. 2008. 183f. Dissertação (Mestrado em Saneamento, Meio Ambiente e Recur- sos Hídricos) – Escola de Engenharia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

CARDOSO, A. S. Proposta de metodologia para orientação de processos decisórios relativos a intervenções em cursos de água em áreas urbanas. 2012. 331f. Tese (Doutorado em Saneamento, Meio Ambiente e Recur- sos Hídricos) – Escola de Engenharia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

CHOCAT, B. (Coord.). Encyclopédie de l’hydrologie urbaine et de l’assainissement. Paris: Lavoisier, 1997. 1124P.

COINTET, N. L’eau et Paris: extraits des Mémoires du baron Haussmann (1893) et du Memoire sur les eaux de Paris, d’Eugène Belgrand (1873 à 1887). Paris: Albin Michel, 2009. 149p.

COSTA, H. S. M; BONTEMPO, V. L.; KNAUER, S. Programa Drenurbs: uma discussão sobre a constituição de alianças de aprendizagem na Política de Saneamento de Belo Horizonte. In: EN- CONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 16., 2008, Caxambu. Anais eletrônicos...

Caxambu: ABEP, 2008. 15 p.

COSTA, H. S. M.; BRAGA, T. M. Entre a conciliação e o conflito: dilemas para o planejamento e a gestão urbana e ambiental. In: SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA, 10., 2002, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: [s.n.], 2002. p. 1-24.

ESPANHA. Ministerio de Medio Ambiente. Restauración de rios: guía metodológica para la elabo- ración de proyetos. 2007. 318p.

EVANGELISTA, J. A. Sistemática para avaliação técnica e econômica de alternativas de intervenções em cursos de água urbanos. 2011. 197f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Sanea- mento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Escola de Engenharia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

FISRWG – Federal Interagency Stream Corridor Restoration Working Group. Stream Corridor Restoration: Principles, Processes, and Practices. Federal Interagency Stream Corridor Restoration Working Group, 2001. 637 p.

FJP/CEHC – Fundação João Pinheiro; Centro de Estudos Históricos e Culturais. Panorama de Belo Horizonte: atlas histórico. Belo Horizonte, 1997a. 103 p.

FJP/CEHC – Fundação João Pinheiro; Centro de Estudos Históricos e Culturais. Saneamento Básico em Belo Horizonte: trajetória em 100 anos. Belo Horizonte, 1997b. 331 p.

GROSTEIN, M. D. Metrópole e expansão urbana: a persistência de processos “insustentáveis”. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 15, n. 1, jan./mar. 2001.

IAURIF. L’eau, la ville et l’urbanisme. Cahiers de l’IAURIF, Paris, v. 116, 204P., avr./1997. JONES, C. Paris: biografia de uma cidade. Porto Alegre: L&PM, 2009. 592P.

KONDOLF, G. M.; DOWNS, P. W. Catchment Approach to Planning Channel Restoration. In: BROOKES, A.; SHIELDS JR., F. D. (Ed.). River Channel Restoration: Guiding Principles for Sustain- able Projects. Chichester: John Wiley & Sons, 1996. p. 129-148.

LOS ANGELES. Final Programmatic Environmental Impact Report/Programmatic Environmental Impact Statement. City of Los Angeles e US Army Corps of Engineers. 2007. 924 p.

MELLO, S. S. Na beira do rio tem uma cidade: urbanidade e valorização dos corpos d’água. 2008. 348f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

NRC – National Research Council. Restoration of Aquatic Ecosystems: Science, Technology and Public Policy. Washington DC: National Academy Press, 1992.

OLLERO, A. B. Territorio fluvial: diagnóstico y propuesta para la gestión ambiental y de riesgos en el Elbro y los cursos bajos de sus afluentes. Espanha: Fundación Nueva Cultura del Agua, 2007. 255P.

PROJETO MANUELZÃO. Revitalização de Rios no Mundo. Belo Horizonte, 2010. 344p.

QUEIROZ JR., O. Planejamento urbano-ambiental: atribuições e responsabilidades, 2009. Dis- ponível em: <http://portoimagem.WORDPRESS.COM/2009/03/05/ARTIGO-PLANEJAMENTo-urbano-ambi- ental-atribuicoes-e-responsabilidades/>. Acesso em: jan. 2011.

REYNOSO, A. E. G. et al. Rescate de ríos urbanos: propuestas conceptuales y metodológicas para la res- tauración y rehabilitación de ríos. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 2010. 109p.

RICO, E. A. M. Metodologia para priorização de intervenções em trechos de cursos de água: estudo de caso torrentes Bolonia e Yomasa, Bogotá – Colômbia. 2013. 156 p. Dissertação (Mestrado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos) – Escola de Engenharia da UFMG, Belo Horizonte, 2013.

SILVEIRA, A. L. L. Hidrologia Urbana no Brasil. In: BRAGA, B.; TUCCI, C.; TOZZI, M. Drenagem urbana: gerenciamento, simulação, controle. Porto Alegre: ABRH, 1998. p. 7-25.

TRAVASSOS, L. R. F. C. Revelando os rios: novos paradigmas para a intervenção em fundos de vale urbanos na cidade de São Paulo. 2010. 243F. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais) – Universi- dade de São Paulo, São Paulo, 2010.

UNFPA – Fundo das Populações da Organização das Nações Unidas. Relatório sobre a Situação da População Mundial 2011. 132P. Disponível em: <http://www.un.cv/files/PT-SWOP11-WEB.pdf>. Acesso em: 3 jan. 2014.

URRUTIAGUER, M.; EDWARDS, P.; CHANDLER, C. The Evolution of a WSUD Capacity Building Program: the Role of Implementation Targets. In: Proceedings NOVATECH, 2010.

VIDE, J. P. M. Ingeniería de ríos. Barcelona: Edicions de la Universitat Politècnica de Catalunya, 2002. 381p.

VIOLLET, P-V. L’hydraulique dans les civilisations anciennes. 2. ed. Paris: Presse de l’École Nationale des Ponts et Chaussées, 2004. 383p.

WOHL, E. et al. River Restoration. Water Resources Research, 41, w 10301, p. 1-12, 2005.

WOOLSEY, S. et al. Handbook for evaluating rehabilitation projects in rivers and streams. Rhone-Thur Project. Eawag. WSL. LCH-EPFL, VAW-ETHZ. 2005. 108p.

Downloads

Publicado

2016-04-11

Como Citar

BAPTISTA, M. B.; CARDOSO, A. S. Rios e cidades: uma longa e sinuosa história... Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 124–153, 2016. DOI: 10.35699/2316-770X.2013.2693. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/2693. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos