"Fiz do meu corpo minha própria arte"

Autores

  • Teresinha Soares

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2012.2721

Resumo

Teresinha Soares é uma artista mineira que teve atuação exemplar, durante os anos 1960/70, no cenário da arte contemporânea brasileira. Foi vereadora em Araxá na década de 1950, mudando-se posteriormente para Belo Horizonte, onde casou-se, teve cinco filhos e manteve ativa participação na vida cultural e artística da cidade. Publicou a peça “Luno e Lunika no país do futuro”, encenada com sucesso nas principais capitais do país – além de Belo Horizonte, Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. Defendendo a bandeira libertária em prol dos direitos e desejos das mulheres, apresentou objetos, instalações, happenings e performances, em sintonia com as propostas das novas vanguardas artísticas internacionais da segunda metade do século XX. O corpo surge como eixo transversal de suas propostas artísticas, que se desdobram do corpo feminino ao corpo da terra, enfocando tanto a discussão da sexualidade, do desejo, do papel social da mulher como da paisagem, do meio ambiente e da ecologia. Nesta entrevista, procuramos conversar com Teresinha Soares, indagando seu pensamento, sua atuação e as obras que realizou naquele momento de emergência da contracultura e de questionamento das normas sociais vigentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-12-12

Como Citar

SOARES, T. "Fiz do meu corpo minha própria arte". Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 19, n. 1 e 2, p. 130–139, 2012. DOI: 10.35699/2316-770X.2012.2721. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/2721. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos