Atravessando fronteiras

uma releitura da Antropologia da Arte proposta por Alfred Gell a partir de um Ibiri de Mestre Didi

Autores

  • Hélio Menezes Universidade de São Paulo - USP

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2015.2741

Palavras-chave:

Antropologia da arte, Alfred Gell, Mestre Didi

Resumo

Com base no exercício de observação de uma obra de arte de Mestre Didi – Ibiri, emblema do orixá Nanã –, proponho uma revisita às principais contribuições de Alfred Gell para uma análise de tipo antropológico do objeto artístico, indiciando os aportes e limites de sua abordagem à constituição dessa subárea disciplinar, tão instável quanto de difícil demarcação, convencionalmente denominada “Antropologia da Arte”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hélio Menezes, Universidade de São Paulo - USP

Mestrando no Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da Universidade de São Paulo (PPGAS-USP).

Referências

BAXANDALL, M. Padrões de intenção – a explicação histórica dos quadros. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

CASTRO, C. (org.). Evolucionismo: Textos de Morgan, Tylor e Frazer. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

CLIFFORD, J. The predicament of culture. Cambridge: Harvard University Press, 1988.

COOTE, J. “Marvels of everyday vision”: the anthropology of aesthetics and the Cattle-Keeping Nilotes”. In. J. Coote & A.Shelton. Anthropology, art, aesthetics. Oxford: Clarendon Press, p. 245-275, 1992.

DUFRENE, T. “Art contemporain et anthropologie”. In: Anais do XXXII Colóquio CBHA, pp. 109-136, 2012.

GELL, A. “On Coote’s ‘Marvels of Everyday Vision’”. In: J. F. Weiner (ed.), Too Many Meanings: A Critique of the Anthropology of Aesthetics, special issue, Social nalysis, no. 38, p. 18-31, 1995.

GELL, A. Art and agency. Oxford: Clarendon Press,1998.

GELL, A. “A rede de Vogel: armadilhas como obras de arte e obras de arte como armadilhas”, In: Arte e Ensaios. n. 8, p. 174-191, 2001.

GELL, A. 2001b. “Strathernograms”. In. The Art of Anthropology (essays and diagrams). London: The Athlone Press, p. 215-232, 2001.

GELL, A. “A tecnologia do encanto e o encanto da tecnologia”. In: Concinnitas. .v. 1, n. 8, p. 41-63, 2005[1992].

INGOLD, T. (ed). Key Debates in Anthropology. London, Routledge. (Cap. “Aesthetics is a cross-cultu-ral category”, 1994. p. 249-294.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos. São Paulo: Ed. 34, 2000.

LAYTON, R. H. “Art and agency: a reassessment”. Journal of the Royal Anthropological Institute, 9 (3). p. 447-463, 2003.

LEVI-STRAUSS, C. A via das máscaras. Lisboa: Editorial Presença, 1979 [1975].

LEVI-STRAUSS, C. O campo da Antropologia. In: Antropologia estrutural dois. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

MAUSS, M. Manual de etnografia. Lisboa: Dom Quixote, 1993.

MORPHY, H. “The Anthropology of Art”. In: T. Ingold (Ed). Companion Encyclopaedia of Anthropology. London & New York: Routledge p. 648-685, 1994.

PRANDI, R. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SAHLINS, M. 2004. Esperando Foucault, ainda. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

SANTOS, J. E. dos. Os Nàgô e a morte: Pàde, Àsèsè e o culto Ègun na Bahia. Petrópolis: Editora Vozes, 1979.

SANTOS, J. E. dos. “Bimestre Didi: tradição e contemporaneidade”. In: AGUILAR, Nelson (org.). Catálogo da XXIII Bienal de São Paulo, Salas Especiais. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo,1996. p. 264-295.

SANTOS, J. E. dos. Ancestralidade africana no Brasil: Mestre Didi, 80 anos. Salvador: SECNEB, 1997.

SANTOS, J. E. dos. (org.). Autos Coreográficos: Mestre Didi, 90 anos. Salvador: Corrupio, 2007.

SCHWARCZ, L. M. & PEDROSA, A. (orgs.). Histórias Mestiças - catálogo da exposição. Rio de Janeiro: Cobogó; São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2015.

STOCKING Jr., G. (ed.). Objects and Others (essays on museums and material culture). Madison: The University of Winscosin Press, 1985.

STOCKING Jr., G. (ed.). Victorian Anthropology. New York: The Free Press, 1987.

STRATHERN, M. “The decomposition of an event”. In: Cultural Anthropology,Vol. 7, N. 2, p. 244-254, 1992.

STRATHERN, M. 1992. O Gênero da Dádiva. Problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

THOMPSON, R. F. Flash of the Spirit: African & Afro-American Art & Philosophy. Random House, 1984.

WAGNER, R. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

Downloads

Publicado

2016-09-09

Como Citar

MENEZES, H. Atravessando fronteiras: uma releitura da Antropologia da Arte proposta por Alfred Gell a partir de um Ibiri de Mestre Didi. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 22, n. 1.2, p. 104–123, 2016. DOI: 10.35699/2316-770X.2015.2741. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/2741. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos