Universo diverso

Autores

  • Rogério Parentoni Martins Universidade Federal do Ceará - UFC / Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2015.2747

Palavras-chave:

Biodiversidade, Complexidade, Simplicidade

Resumo

Diversidade é banal no universo. Em nosso planeta, até mesmo o homem mais desatento é capaz de perceber a trivialidade de certos objetos físicos e biológicos. Entender as causas da diversidade é outra história. Há que se ter curiosidade e dúvida, os ingredientes que alimentam a vontade de conhecer. Não basta a vontade, todavia, sem que haja teorias a orientar os procedimentos necessários para se obter conhecimento científico. Não que esse conhecimento seja superior aos demais conhecimentos populares; é diferente apenas. A diferença é a de que cientificamente não podemos confiar em nossos sentidos para entender problemas complexos. A teoria nos possibilita abstrair-nos da avalanche de informações que recebemos visualmente, para que consigamos captar a simplicidade subjacente a fenômenos que nos pareçam complexos. A complexidade dificilmente será compreendida por meio de teorias ou modelos complexos. Felizmente podemos esperar soluções simples e generalizáveis que podem ser obtidas pela análise de um determinado fenômeno que se expressa por meio de ocorrências padronizadas em escalas de tempo e espaço. A ocorrência e distribuição da biodiversidade em nosso planeta se expressa por meio de padrões. Detectá-los é o primeiro passo para entendê-la. Em seguida, é necessário investigar quais são as causas responsáveis pela expressão do padrão observado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogério Parentoni Martins, Universidade Federal do Ceará - UFC / Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Prof. Visitante-Senior, Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais da Universidade Federal do Ceará. Pós-Graduação em Ecologia, Conservação e Manejo de Vida Selvagem, Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ANTUNES, L. C. M. A microbiota humana. Ciência Hoje. 2014, n. 316, p. 27- 29.

COUTINHO, F. A. et al. Construção de um perfil conceitual para o conceito de vida. Investigações em Ensino de Ciências. 2007. v. 12, n. 1, p.115-137.

GILBERT, L.E. Food web organization and the conservation of neotropical diversity. In: M. E. SOULÉ; WILCOX, B.A. (eds). Conservation Biology - An evolutionary-ecological perspective. Sinauer Associate, Sunderland, Massachussets, 1980.

GIMGERICH, P. Quantification and comparison of evolutionary rates. American Journal of Science, 1993, v. 293-A, p. 453-478.

HOLLAND, J.H. Hidden order: how adaptation builds complexity. New York, Helix Books, 1996.

IGLESIAS-RIOS, R & MAZZONI, R. Measuring diversity: looking for process that generate diversity. Natureza & Conservação. 2014. v. 12 n. 2, p. 156-161.

LALAND, K. et al. Comments. Nature , 2014, v. 514, p. 161-164.

LEWINSOHN, T. M.; PRADO, P. I. Biodiversidade Brasileira: síntese do estado atual do conhecimento. São Paulo Editora Contexto, MMA, Conservation International do Brasil, 2002.

LUISI, P.L. About various definitions of life. Origin of Life and Evolution of Biosfere 28(4-6): 613-622, 1998.

MacARTHUR, R.H. Population ecology of some warbles species of northeastern coniferous forest. Ecology 39: 599-561, 1958.

MARTINI, B; RIBEIRO, C. G. Antropoceno: a época da humanidade? Ciência Hoje 283: 38-42, 2011.

MARTINS, R. P. Teorias. In: MARTINS, R. P.; MARI, H. (eds). Universos do conhecimento. Belo Horizonte, Editora Faculdade de Letras da UFMG, 2002, p. 91-115.

MOROWITZ, H. J. The emergence of everything - How the world become complex. Oxford, Oxford University Press, 2002, 209 p.

MITTERMAYER, R. Megadiversity: Washington D.C. Earth’s Biologically Wealthiest Nations. Conservation International, 1998.

NAEEM, S.Species redundancy and ecosystem reabilitiy. Conservation Biology 1998 v. 12 n.1, p. 39-45.

OLIVEIRA, A. L. Universo. In: MARTINS, R. P.; MARI, H. (eds). Universos do Conhecimento. Belo Horizonte, Editora Faculdade de Letras da UFMG, 2002, p. 117-148.

PAINE, R.T. Food web complexity and species diversity. American Naturalist. 1966. v. 100, n. 910, p. 65-75.

PICKETT, S. T. A. et al. Ecological Understanding: the nature of Theory and The theory of Nature. Elsevier, New York, 2007.

PRICE, P. W. Species interactions and the evolution of biodiversity. In: C. M. HERRERA and O. PELLMYR, eds. Plant-animal interactions: an evolutionary approach. Oxford, Blackwell Science, 2002. p. 3-25.

ROBERTS, A. Evolution - The human story. London, Dorling Kindersley Limited, 2011.

SUGIHARA, G.; MAY, R. M. Applications of fractals in ecology. Trends in Ecology & Evolution. 1990, v. 5, p. 79-86.

THOMPSON, J. N. The role of coevolution. Science, 2012. v. 335, p.410-411.

WEISS, K. et al. How are we made? Evolutionary Anthropology 2015, v. 24, p. 130-136.

WRAY, G.A et al. Comments. Nature 2014, v. 514, p. 161-164.

ZARET, T.; PAINE, R. T. Species introduction in a tropical lake. Science 1973, v. 182, p.449-455.

Downloads

Publicado

2016-09-09

Como Citar

MARTINS, R. P. Universo diverso. Revista da UFMG, Belo Horizonte, v. 22, n. 1 e 2, p. 218–231, 2016. DOI: 10.35699/2316-770X.2015.2747. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/2747. Acesso em: 18 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos