Domínio do espaço. Temor do tempo

o que desejar dos arquitetos dos próximos dias?

  • Adriano Mattos Corrêa Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Espaço-tempo, Experiência, Território-comum

Resumo

Mapear e dominar o espaço são estratégias que empreendemos para encobrir o nosso temor e incapacidade de projetar o tempo. Práticas construtivas referenciadas na dimensão-temporal poderiam nos anunciar outras e diferentes dobras nos modos de ocupação e relação com o nosso território-comum.  Em um contexto territorial dominado por ordem uniformizante, higiênica e policiada, a possibilidade de experimentar uma comunidade que inclui a diferença pressupõe hospedar o outro, compartilhar e investigar outros modos para a formação e a prática de um homem-arquiteto. Uma arquitetura informe anuncia relações compartilhadas por sujeitos nomeados, habitantes de contextos singulares dispostos a experimentar de modo cúmplice, nas frestas do campo maior do domínio do arquitetural, outros modos de se viver e edificar as nossas mediações espaciais.

Biografia do Autor

Adriano Mattos Corrêa, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre em Letras pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutor em Arquitetura e Urbanismo NPGAU - Universidade de Minas Gerais. Professor de projetos da EA|UFMG.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o Contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

BATAILLE, Georges. A parte maldita; precedida de ‘A noção de dispêndio’. 2.ed. rev. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BATAILLE, Georges. A experiência interior. São Paulo: Ática, 1992.

BATAILLE, Georges. A mutilação sacrificial e a orelha cortada de Van Gogh. Lisboa: Hiena, 1994.

BATAILLE, Georges. O Erotismo. Lisboa: Antígona, 1988.

BESNIER, Jean-Michel. La politique de l’impossible. L’intellectuel entre revolte et engagement. Paris: Éditions la Découverte, 1998.

CERTEAU, Michel. L’invention du quotidian, tome 1: Arts de faire. Paris: Gallimard, 1990.

CORBUZ, André. Le territoire comme palimpseste et autres essays. Besançon: Editions de l’Imprimeur, 2001.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da Caixa Preta: ensaios para uma filosofia da fotografia. São Paulo: Relume Dumará, 2002.

FLUSSER, Vilém. O Mundo Codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo, Cosac Naif, 2007.

HOLLIER, Denis. Against architecture. The writings of Georges Bataille. Cambridge, London: MIT press, 1989.

MCEWEN, Idra. Socrates’Ancestor – an Essay on Architectural Beginnings. London: The Mit Press, 1994.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O Olho e o Espírito. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O Visível e o Invisível. São Paulo: Editora Perspectiva, 1971.

PROVIDÊNCIA, Paulo. Conimbriga – Arquitectura e Memória. Coimbra: EDARQ, 2015.

SEMPER, Gottfried. Style in the Technical and Tectonic Arts; or Pratical AesThetics. 2v. Los Angeles: Getty Research Institute, 2004.

SENNETT, Richard. O Artífice. Rio de Janeiro: Record, 2009.

SOJA, Edward. Postmetropolis: Critical Studies of Cities and Regions. Oxford: Blackwell, 2000.

SOJA, Edward. Thirdspace: Journeys to Los Angeles and other real-and-imagined places. Oxford: Blackwell Publishers, 1996.

STONER, Jill. Toward a minor Architecture. Londres: Mit Press, 2012.

VALÉRY, Paul. Eupalinos ou o Arquiteto. São Paulo: Editora 34, 1996.

YOURCENAR, Marguerite. Memórias de Adriano. Rio de Janeiro: Record, 1974.

Publicado
2017-06-05
Como Citar
MATTOS CORRÊA, A. Domínio do espaço. Temor do tempo. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 23, n. 1 e 2, p. 88-109, 5 jun. 2017.
Seção
Artigos