O tempo e o pensamento

a anomalia anacrônica como elemento de propulsão para a consciência crítica no filme “Violência Gratuita”

  • Ana Paula Oliveira Universidade Estadual de Londrina - UEL
  • Thiago Henrique Ramari Universidade Estadual de Londrina - UEL https://orcid.org/0000-0002-6267-6407
Palavras-chave: Violência Gratuita, Imagem-tempo, Tempo

Resumo

O presente artigo visa busca compreender as relações entre o uso do tempo produzidofeito pelo cinema e os efeitos que este o mesmprovoca o produz na audiência, tomando como objeto de análise   a partir do  o longa-metragem “Violência Gratuita” (1997), do cineasta austríaco Michael Haneke. Para tanto, utiliza-se como base a teoria cinematográfica de Deleuze (1983; 1990) e analisa-se uma sequência do filme na qual a ocorrência da imagem-tempo estimula o pensamento crítico do espectador. Como resultado, pode-se afirmar que a síntese operada pelo diretor entre diferentes noções de tempo, sob a a partir da perspectiva de Badiou (2015), transforma o público em cúmplice de assassinatos e, provocando o engendramento da culpa e uma reflexão sobre o consumo de imagens de violência como entretenimento.

Biografia do Autor

Ana Paula Oliveira, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Pós-doutoranda, professora colaboradora e bolsista Capes do Programa de Comunicação da Universidade Estadual de Londrina. É pesquisadora do Research Group Aesthetics Politics and Art do Instituto de Filosofia da Universidade do Porto, Portugal.

Thiago Henrique Ramari, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Mestrando e bolsista Capes do Programa de Comunicação da Universidade Estadual de Londrina.

Referências

WIRKLICHKEITEN in der Sekunde. Direção: Nina Kusturica, Eva Testor. Produção: NK Projects. Áustria: NK Projects, 2005. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=bQDmGE01pWw>. Acessado em 24 fev. 2016.

BADIOU, Alain. O cinema como experimentação filosófica. In: YOEL, Gerardo (Org.). Pensar o cinema: imagem, ética e filosofia. São Paulo: Cosac Naify, 2015, p. 31-82. (Cinema, teatro e modernidade, 19).

BADIOU, Alain. Cinema. Cambridge: Polity, 2013.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BERNARDET, Jean-Claude. O que é cinema. São Paulo: Brasiliense, 1980.

BRUNETTE, Peter. Michael Haneke. Chicago: University of Illinois Press, 2010.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche et la philosophie. Paris: Presses Universitaires de France, 1962.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche. Paris: Presses Universitaires de France, 1965.

DELEUZE, Gilles. Le bergsonisme. Paris: Presses Universitaires de France, 1966.

DELEUZE, Gilles. Cinéma I: l’image-mouvement. Paris: Les Éditions de Minuit, 1983.

DELEUZE, Gilles. Cinema II: a imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 1990.

DELEUZE, Gilles. Dialogues. Paris: Flammarion, 1996.

HANEKE, Michael. Violence and the media. In: GRUNDMANN, Roy (Org.). A companion to Michael Haneke. West Sussex: Wiley Blackwell, 2014. p. 575-579. (Wiley Blackwell companions to film directors, 1)

LAINE, Tarja. Haneke’s “Funny” Games with the audience (revisited). In: PRICE, Brian; RHODES, J. D. (Eds.). On Michael Haneke. Detroit: Wayne State University Press, 2010. p. 51-60.

NIETZSCHE, Friedrich. A origem da tragédia. 5. ed. Lisboa: Guimarães Editores, 1988.

SINGER, Ben. Modernidade, hiperestímulo e o início do sensacionalismo popular. In: CHARNEY, Leo; SCHWARTZ, V. R. (Orgs.). O cinema e a invenção da vida moderna. 2. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2004. p. 95-123. (Cinema, teatro e modernidade, 1).

SONTAG, Susan. Diante da dor dos outros. [E-book.] São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SPECK, Oliver. Funny frames: the filmic concepts of Michael Haneke. Nova York: Continuum, 2010.

VIOLÊNCIA gratuita. Direção: Michael Haneke. Produção: Veit Heiduschka. Intérpretes: Susanne Lothar; Ulrich Mühe; Arno Frisch; Frank Giering; Stefan Clapczynski. Áustria: Wega Film; Filmfonds Wien; Österreichischer Rundfunk; Österreichisches Filminstitut, 1997. 1 DVD (108 min), son., color.

WHEATLEY, Catherine. Michael Haneke’s cinema. New York: Berghahn Books, 2009.

Publicado
2017-06-05
Como Citar
OLIVEIRA, A. P.; RAMARI, T. H. O tempo e o pensamento. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 23, n. 1 e 2, p. 248-269, 5 jun. 2017.
Seção
Artigos