O tempo no corpo

envelhecimento e longevidade na perspectiva anti-aging

  • Fernanda Rougemont Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ
Palavras-chave: Envelhecimento, Anti-aging, Tempo

Resumo

O artigo tem a proposta de pensar a percepção do tempo por meio atrav do envelhecimento. O objetivo é analisar a articulação entre o envelhecimento, como processo físico, e os diferentes modos de mensuração e periodização do tempo. A análise é realizada sob a perspectiva anti-aging, cuja emergência evidencia controvérsias da compreensão do envelhecimento como fenômeno.  Considerando a preeminência da idade cronológica nas sociedades modernas ocidentais, destacam-se as transformações da concepção do ciclo de vida pela separação e distinção entre o envelhecimento biológico e o envelhecimento cronológico, promovidas pela abordagem anti-aging.

Biografia do Autor

Fernanda Rougemont, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Mestra em Sociologia e Antropologia. Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro - PPGSA/UFRJ.

Referências

ANTI AGING AGE. A4M Mission Statement. 2016. Disponível em: <http://www.antiagingage.com/about/about-a4m> Acesso em: 5 abr. 2016.

BARROS, M. L. A velhice na contemporaneidade. In: PEIXOTO, C. (org.). Família e Envelhecimento. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

BLAKEMORE, C. Why can’t we live forever?. The Times, London,january 2012. Eureka, p. 32–37.

CARADEC, V. Sexagenários e octogenários diante do envelhecimento do corpo. In: GOLDENBERG, M. (Org.). Corpo, envelhecimento e felicidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011. p.21-44.

DEBERT, G. A antropologia e os estudo dos grupos e das categorias de idade. In: BARROS, M. L. (Org.) Velhice ou terceira idade?. Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007. p. 47-68.

DEBERT, G. A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

DE GREY, A. An engineer’s approach to the development of real anti-aging medicine. Science’s SAGE KE, v.2003, n. 1, p. 1, 2003.

DE GREY, A. Defeat of aging - utopia or foreseeable scientific reality?. In: The Future of Life and the Future of our Civilization.Springer Netherlands, 2006. p. 277-290.

DE GREY, A. Resistance to debate on how to postpone ageing is delaying progress and costing lives. EMBO Reports, v. 6, special issue, p. S49-S53, 2005.

DE GREY, A; RAE, M. Ending Aging: the rejuvenation breakthroughs that could reverse human aging in our lifetime. New York, USA, St. Martin’s Press, 2007.

DUARTE, L.F. Três ensaios sobre pessoa e modernidade. Boletim do Museu Nacional (Nova Série) Antropologia, n. 41, agosto de 1983.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

EVANS-PRITCHARD, E. Os Nuer. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1978.

FINCH, C. E.; PIKE, M. C. Maximum life span predictions from the Gompertz mortality model. The Journals of Gerontology Series A: Biological Sciences and Medical Sciences, v. 51, n. 3, p. B183-B194, 1996.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Censo Demográfico 2010: Resultados Gerais da Amostra. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento, Gestão, 2012. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000008473104122012315727483985.pdf> Acesso em 2 abr. 2016.

INGOLD, T. The Perception of the Environment: Essays on Livelihood, Dwelling and Skill. London: Routledge, 2000.

KAMPF, A; BOTELHO, L. Anti-Aging and Biomedicine: Critical Studies on the Pursuit of Maintaining, Revitalizing and Enhancing Aging Bodies. Medicine Studies, v.1, n.3, p. 187–195, 2009.

KATZ, S. Imagining the life-span. From premodern miracles to postmodern fantasies. In: FEATHERSTONE, M; WERNICK, A. (Orgs). Images of aging: cultural representation of later life. London: Routledge, 1995. p. 61-75.

MYKYTYN, C. E. Executing aging: An ethnography of process and event in anti-aging medicine. 2007. Dissertation (Doctor of Philosophy – Anthropology) - College of Letters, Arts and Sciences, University of Southern California, 2007, Los Angeles. Disponível em: Acesso em: 20 jul. 2016.

OLSHANSKY, S.J. In Pursuit of the Longevity Dividend: What Should We Be Doing To Prepare for the Unprecedented Aging of Humanity? The Scientist, March 2006. Disponível em: <http://www.grg.org/resources/TheScientist.htm> Acesso em: 12 jul. 2016.

OLSHANSKY, S. J; CARNES, B. Evolutionary Perspectives on Human Senescence. Population and Development Review, v. 19, n.4, p. 793-806, December 1993.

OLSHANSKY, S. J; HAYFLICK, L; CARNES, B. No truth to the fountain of youth. Scientific American, v. 286, n. 6, p. 92-95, 2002.

OLSHANSKY, S. J; CARNES, B; CASSEL, C. In search of Methuselah: estimating the upper limits to human longevity. Science, v. 250, n. 4981, p. 634-640, 1990.

PEIXOTO, C. Entre o estigma e a compaixão e os termos classificatórios: velho, velhote, idoso, terceira idade... In: BARROS, M. L. (Org.) Velhice ou terceira idade?.Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007. p. 69-84.

ROSE, N. A política da própria vida: biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Paulus, 2013.

VAUPEL, J. Biodemography of human ageing. Nature, v. 464, n. 7288, p. 536-542, 2010.

VAUPEL, J; OEPPEN, Jim. Broken limits to life expectancy. Science, v. 296, p. 1029-1031, May 2002.

Publicado
2017-06-05
Como Citar
ROUGEMONT, F. O tempo no corpo. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 23, n. 1 e 2, p. 36-61, 5 jun. 2017.
Seção
Artigos