Tempo e paisagem

  • Altamiro Sérgio Mol Bessa Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Paisagem, Tempo, Jardim do tempo

Resumo

Este ensaio trata da paisagem como espacialização do tempo, que, quando apreendido nos raros jardins que  se insurgem no deserto paisagístico do mundo contemporâneo, pode  trazer novas possibilidades ao pensamento. Dialogando com filósofos, historiadores da paisagem e artistas, descobre-se como as duas distintas gêneses da paisagem, a de tradição chinesa e a ocidental, tratavam a questão do tempo e do espaço. A primeira dava ênfase  à paisagem como conciliação de opostos, um caminho a ser complementado pela imaginação, enquanto a segunda enfatizava os resultados. Tornada hoje hegemônica, a racionalidade ocidental coloca em campos distintos homem e natureza, tempo e espaço, configurando majoritariamente temporaneidades predatórias  que se impõem violentamente sobre as lentas temporalidades que  qualificam os lugares.

Biografia do Autor

Altamiro Sérgio Mol Bessa, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Adjunto do Departamento de Urbanismo da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutor em Arquitetura e Urbanismo – USP – com pós-doutorado em Filosofia da Paisagem e Arquitetura Paisagística pela FAU-USP.

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond. As impurezas do branco. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1973.

ANDO, Tadao; AUPING, Michael. Tadao Ando: conversas com Michael Auping. São Paulo: Editora G. Gili Ltda, 2003.

ASSUNTO, Rosário. Il paesaggio e l’estetica. Milano: Novecento, 2006.

BEARLEANT, Arnold. Living in the landscape. Toward an aesthetics of environment. Lawrence: University Press of Kansas, 1997.

BERQUE, Augustin. Cinq propositions pour une théorie du paysage. Paris: Editions Champ Vallon, 1994.

BESSE, Jean-Marc. Nas dobras do mundo. Paisagem e filosofia segundo Péguy. In: BESSE, Jean-Marc. Ver a Terra: seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. Trad. Vladimir Bartalini. São Paulo: Perspectiva, 2006, p. 97-106.

CARVALHO, Thiago Mesquita. Arte e natureza no budismo japonês. Lisboa, 2011, 162 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia). Mestrado em Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

OKAKURA, Kakuzo. O livro do chá. Trad. Leiko Gotoda. São Paulo: Editora Estação Liberdade Ltda, 2008.

PAZINI, Franco. Projetar a natureza. Arquitetura da paisagem e dos jardins desde as origens até a época contemporânea. São Paulo: Editora Senac, 2013.

ROGER, Alain. Breve tratado del paisaje. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva, 2007.

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SIMMEL, Georg. A filosofia da paisagem. Trad.: Artur Morão. Covilhã: LusoSofia Press, 2009.

SERRÃO, Adriana Veríssimo. Paisagem: Natureza Perdida, Natureza Reencontrada? Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, v.1, n.2, Lisboa, 2013.

TRIGOSO, Maria. A (não) questão do tempo na tradição chinesa. Cultura - Revista de História e Teoria das Ideias. Centro de História da Cultura, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, vol. 23.

TURRI, Eugênio. A paisagem como teatro. Do território do vivido ao território representado. In: SERRÃO, Adriana Veríssimo (Coord.). Filosofia da paisagem. Uma antologia. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2013, p. 167 – 184.

Publicado
2017-06-05
Como Citar
BESSA, A. S. M. Tempo e paisagem. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 23, n. 1 e 2, p. 180-195, 5 jun. 2017.
Seção
Artigos