Porvir, ter sido e atualidade

a temporalidade como marca fundamental da possibilidade no horizonte da pandemia

Autores

  • Antônio Lucio Túlio de Oliveira Barbosa Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2021.33316

Palavras-chave:

Heidegger, pandemia, temporalidade

Resumo

O intuito do presente ensaio é realizar, a partir da descrição fenomenológico-existencial de Martin Heidegger exposta na obra Ser e tempo, uma reflexão sobre o futuro, no horizonte contemporâneo abatido pela pandemia do coronavírus. Acompanhando a perspectiva hermenêutica heideggeriana, pretendemos contemplar a multiplicidade de caminhos existenciais do porvir, marcados pela historicidade do Dasein na linha contínua da temporalidade. Partindo de algumas disposições fundamentais desse modelo filosófico, aprofundaremos junto ao caráter de poder-ser do homem para suas possibilidades mais originárias em cada momento de ser no tempo, a fim de testar a multiplicidade de experiências outras enfrentadas no agora. Retomando o ter sido na temporalidade por diversas matizes culturais e científicas, especialmente no terreno do pensamento ocidental, almejamos evidenciar, ao final, que as possibilidades mais autênticas de ser, no futuro, exigem, de alguma forma, a desobstrução da calcificação de camadas sedimentadas nos discursos impensados do passado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Lucio Túlio de Oliveira Barbosa, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Mestrando em Filosofia do Direito, na Universidade Federal de Minas Gerais; Juiz Federal do Tribunal Regional Federal da 1ª Região. E-mail: antoniolucio@gmail.com

Referências

CAMUS, Albert. A peste. Tradução de Valerie Rumjanek. 29. ed. Rio de Janeiro: Record, 2020.

CASANOVA, Marco Antonio. Compreender Heidegger. 5. ed., 1. reimp. Petrópolis: Vozes, 2017.

_________________________. Mundo e Historicidade. Leituras Fenomenológicas de Ser e Tempo. Existência e mundaneidade. v. 1. Rio de Janeiro: Ed. Via Vérita, 2017.

_________________________. Mundo e Historicidade. Leituras Fenomenológicas de Ser e Tempo. Tempo e historicidade. v. 2. Rio de Janeiro: Ed. Via Vérita, 2019.

_________________________. Eternidade Frágil: ensaio de temporalidade na arte. 1. ed. Rio de Janeiro: Ed. Via Vérita, 2013.

CHIORO, Artur. Decisões de gestão: organização da atenção hospitalar em rede na pandemia de COVID-19. In: SANTOS, Alethele de Oliveira e LOPES, Luciana Tolêdo (Org.). Planejamento e Gestão v. 2. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde, 2021, p. 174-199.

COSTA, Ana Maria; RIZZOTTO, Maria Lucia Frizon; LOBATO, Lenaura de Vasconcelos Costa. Na pandemia da Covid-19, o Brasil enxerga o SUS. Saúde Debate. Rio de Janeiro, abr-jun. 2020, v. 44, n. 125, p. 289-296. DOI: 10.1590/0103-1104202012500.

GADAMER, Hans-Georg. A universalidade do problema hermenêutico. In: GRODIN, Jean (Org.). O pensamento de Gadamer. Tradução de Enio Paulo Giachini. São Paulo: Paulus, 2012.

GRONDIN, Jean. Hermenêutica. Tradução de Marcos Marcionilo. 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Tradução revisada e apresentação de Márcia Sá Cavalcante. 10. ed., 7. reimp. Petrópolis: Vozes, 2020; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2015.

_________________________. Contribuições à filosofia: do acontecimento apropriador. Tradução de Marco Antônio Casanova. 1. ed. Rio de Janeiro: Via Vérita, 2015.

_________________________. Introdução à filosofia. Tradução de Marco Antonio Casanova; Revisão da tradução por Eurides Avance de Souza; Revisão técnica Tito Lívio Cruz Romão. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

HESPANHA, Pedro. Mal-estar e risco social num mundo globalizado: novos problemas e novos desafios para a teoria social. In: SANTOS, Boaventura de Souza (Org.). A globalização e as ciências naturais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005, p.161-196.

JOHNS HOPKINS UNIVERSITY: Coronavírus Resource Center. Disponível em: ˂www.coronavirus.jhu.edu/region/brazil˃. Acesso em 21 de abr. de 2021.

LEITE. Marcela Barbosa. A questão da dimensão ética em Ser e tempo. 2. ed. São Paulo: Editora Edgard Blucher, 2017.

MARIANO, Cynara Monteiro. Emenda constitucional 95/2016 e o teto dos gastos públicos: Brasil de volta ao estado de exceção econômico e ao capitalismo do desastre. Revista de Investigações Constitucionais. Curitiba, jan./abr. 2017, v. 4, n. 1, p. 259-281.

PLATÃO. Diálogos. Teeteto – Crátilo. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Editora UFPA, 1988.

REIS, Róbson Ramos dos. Heidegger: origem e finitude do tempo. Dois pontos. Ago. 2005, v. 1, n. 1, p. 99-126. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v1i1

_________________________. Heidegger: a transcendência como jogo. Praxis Filosófica. jan. 1999. v. 10, n. 11, pp. 341-353.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Cruel Pedagogia do Vírus. 1. ed. Coimbra: Edições Almedina, S.A., 2020. ISBN 978-972-40-8496-1.

_________________________. Os processos de globalização. In: SANTOS, Boaventura de Souza (Org.). A globalização e as ciências naturais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005, p. 25-102.

WERLE, Marco Aurélio. A angústia, o nada e a morte em Heidegger. Trans/Form/Ação: Revista de Filosofia. Marília/SP, 2003. v. 26, n. 1.

Downloads

Publicado

2022-07-28 — Atualizado em 2022-07-29

Como Citar

BARBOSA, A. L. T. de O. Porvir, ter sido e atualidade: a temporalidade como marca fundamental da possibilidade no horizonte da pandemia. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 28, n. 2, p. 126–155, 2022. DOI: 10.35699/2316-770X.2021.33316. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/33316. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Filosofia/Utopia