Relações entre música e memória na era do streaming

o k-pop como indicador de contextos históricos e sociais

Autores

  • Laiza Ferreira Kertscher Pontíficia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2021.33395

Palavras-chave:

Música, Memória, K-poop

Resumo

A relação entre música e memória vai muito além do uso de influências de artistas e canções de tempos passados para compor peças contemporâneas. A forma com que uma música é feita, gravada, reproduzida e compreendida traz consigo rastros de temporalidades, espacialidades e de contextos históricos e sociais. Por meio deste artigo, buscamos relacionar estudos sobre a memória com discussões que identificam a música como objeto revelador de traços culturais e políticos. Para evidenciar como esses rastros podem ser lidos em objetos do presente e para reconhecer a música como um estruturador de memórias sociais, investigamos o k-pop para desvendar quais sinais de memória podem ser lidos por meio da indústria da música da Coreia do Sul.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laiza Ferreira Kertscher, Pontíficia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG)

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela PUC Minas. E-mail: laizafk1989@gmail.com

Referências

BYRNE, David. Como funciona a música. Tradução de Otávio de Albuquerque. Barueri: Amarilys, 2014. 345 p. ISBN 978-85-204-3593-9

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Ed. 34, 1998. 264p. (TRANS (Ed. 34)). ISBN 85-7326-113-7.

GOULART RIBEIRO, A. P. Mercado da nostalgia e narrativas audiovisuais. E-Compós, v. 21, n. 3, 20 dez. 2018.

JANOTTI JUNIOR, Jeder. Música popular massiva e gêneros musicais: produção e consumo da canção na mídia. Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 3, n. 7 , p.31-47, jul. 2006.

FRIEDLANDER, Paul. Rock and roll: uma história social. Tradução de A. Costa. 10 ed. Rio de Janeiro: Record, 2017, 485 p. ISBN 978-85-01-04954-4

HONG, Euny. The birth of Korean cool: how one nation is conquering the world through pop culture. Nova Iorque: Picador USA, 2014, 267 p.

PRATAMASARI, Annisa. International Business Strategy in Selling Korean Pop Music: A Case Study of SM Entertainment. In: GLOBAL & STRATEGIS. Surabaya, Java Oriental: Departemen Hubungan Internasional Universitas Airlangga, 2016, v. 10, n. 2. ISSN 1907-9729

SANTAELLA, Lucia. RIBEIRO, Daniel Melo. A arqueologia benjaminiana para iluminar o presente midiático. In: MUSSE, Christina Ferraz; SILVA, Herom Vargas; NICOLAU, Marcos Antonio. Comunicação, mídias e temporalidades. Edufba; Brasília, Compós, 2017. ISBN 978-85-232-1592-7.

Serviço de Cultura e Informação sobre a Coreia. Fatos sobre a Coreia. Tradução de Park Won-bock. Seul: Ministério da Cultura, Esportes e Turismo, 2011. 271 p. ISBN 89-7375-155-6-03910

TOWNSHEND, Pete. A Autobiografia. Tradução de Cid Knipel Moreira. São Paulo: Globo, 2013. 487 p. ISBN 978-85-250-5356-5

VALGE, Claudia; HINSBERG, Maari. The Capitalist Control of K-pop: The Idol as a Product. Diplomaatia. Estônia: ICDS, 2 de out. 2019. Disponível em: <https://icds.ee/en/the-capitalist-control-of-k-pop-the-idol-as-a-product/> Acesso em: 20 de fev. 2021.

VIVEIROS MARTINS, Bruno. Decantando a República: um encontro entre o historiador e o compositor popular. Revista História Hoje, v. 6, nº 11, p. 57-77. jun. 2017.

Downloads

Publicado

2022-07-28 — Atualizado em 2022-07-29

Versões

Como Citar

KERTSCHER, L. F. Relações entre música e memória na era do streaming: o k-pop como indicador de contextos históricos e sociais. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 28, n. 2, p. 474–495, 2022. DOI: 10.35699/2316-770X.2021.33395. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/33395. Acesso em: 29 set. 2022.