Acumulações, despossessões e a terra como comum

reconstruções decoloniais para a Terra Brasilis

Autores

  • Mariana de Moura Cruz Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2022.39399

Palavras-chave:

Teoria decolonial, Despossessões, Acumulação primitiva, Comum

Resumo

No presente artigo as reconstruções decoloniais orientam meu olhar para a história dos cercamentos, das despossessões e da concentração fundiária no Brasil. Essas reconstruções, apresentadas como um outro modo de fazer pesquisa, partem do reconhecimento da história como ferramenta útil para compreensão das relações sociais e assumem a relevância de recontá-la a partir de múltiplas vozes e culturas, abrindo espaço para o fazer e o pensar dos sujeitos historicamente silenciados. Extrapolando as contribuições da economia política, e articulando história, antropologia e literatura, proponho recontar o desvanecimento da terra como comum no Brasil e o surgimento da propriedade privada como uma instituição que não só moldou o território brasileiro, mas transformou as relações autóctones com a terra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALCÂNTARA FILHO, J.; FONTES, R. A formação da propriedade e a concentração de terras no Brasil. Em: Revista de História Econômica & Economia Regional Aplicada. Vol.4 n 7. julho-dezembro 2009. pp.63-85.

BISPO, A. Colonização, Quilombos: modos e significações. Brasília: 2015, 150p.

BISPO, A. Somos da terra. PISEAGRAMA, Belo Horizonte, n.12, 2018, pp. 44-51.

CORRÊA, T. O golpe e a produção do espaço. 2018. Monografia (Graduação em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2018.

DE ANGELIS, M. The beginning of History: Value Struggles and Global Capital. London, Pluto Press. 2007

DOS SANTOS, T. Teoria da dependência – balanço e perspectivas. Reedição Ampliada. Florianópolis:Editora Insular. 2018. 232p.

DULCI, L. O que professores universitários aposentados de Nova York têm a ver com a expropriação de pequenos agricultores no nordeste brasileiro? 2017. Disponível em: http://indebate.indisciplinar.com/2017/08/21/o-que-professores-universitarios-aposentados-de-nova-york-tem-a-ver-com-a-expropriacao-de-terras-de-pequenos-agricultores-no-nordeste-brasileiro/ .Acesso em: 21 nov. 2019.

FEDERICI, S. The reproduction of Labor Power in the Global Economy and the Unfinished Feminist Revolution (2008) In: FEDERICI, S. Revolution at point zero: Housework, Reproduction and Feminist Struggle. Oakland (CA): PM Press, 2012.

GOMES, A. M.; KOPENAWA, D. O. Cosmo Segundo os Yanomami: Hutukaraand Urihi. Revista UFMG, pp. 142-159, 2015.

GOMES, F. Quilombos — Remanescentes de Quilombos. In: SCHWARCZ, L. GOMES, F. (org.). Dicionário da Escravidão e Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Tradução de Inês Martins Ferreira. Em: Revista Crítica de Ciências Sociais, no 80. Coimbra, 2008. p.115-147.

HARVEY, D. A acumulação via espoliação. In: HARVEY, D. O novo imperialismo. São Paulo: Edições Loyola, 2004, pp.115-148.

HOLSTON, J. Legalizando o ilegal: propriedade e usurpação no Brasil. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, ano 8, n. 21, p. 68-89, 1993

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2020. 102p.

MARX, K. A assim chamada acumulação primitiva. Em: MARX, K. O capital: Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013 (1867).

MIGNOLO, W. Colonial and Postcolonial Discourse: Cultural Critique or Academic Colonialism? In: Latin America Research Review. Vol. 28, no. 3. 1993. p.120-134. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/2503613 Acesso em 23 de Outubro de 2017

MIGNOLO, W. Desobediencia epistémica: retorica de la modernidad, logica de la colonialidad y gramatica de la descolonialidad. Argentina: Ediciones del signo, 2010, 126p.

MIGNOLO, W. The communal and the decolonial. Em: Turbulence, Berlim: 2018

MIGNOLO, W. The darker side of western modernity: global futures, decolonial options. Durham & London: Duke University Press, 2011. p.01-24.

NOVAES, A. A Terra Brasilis como Terra Incógnita. Em: Revista Carbono [online] 2012. Disponível em: http://revistacarbono.com/artigos/01a-terra-brasilis-como-terra-incognita/ Acesso em: 10 de dezembro 2019.

PAULA, J.A. O mercado e o mercado interno no Brasil: conceito e história. Em: História econômica & história de empresas, v.1, 2002, pp.7–39.

QUIJANO, A. Colonialdad y Modernidad/Racionalidad. Em: Perú Indígena 13(29). Lima, 1992. p.11-20

QUIJANO, A. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos Rumos, n. 37, 2002, pp. 04-28.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro. A formação e o Sentido do Brasil. São Paulo: Editora Global, 2014. 368p.

RISÉRIO, A. A cidade no Brasil. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2013, 368p.

RIBEIRO, N. Os Povos Indígenas e os Sertões das Minas do Ouro no Século XVIII. Tese (Doutorado) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008. 405p.

SCHWARCZ, L.; STARLING, H. Brasil: uma biografia. São Paulo: Editora Companhia das Letras. 2015.

MOMBORÉ-UAÇU. Digo apenas simplesmente o que vi com meus olhos. 1612. Povos indígenas no Brasil. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/%22Digo_apenas_simplesmente_o_que_vi_com_meus_olhos%22 . Acesso em: 19 abril 2022.

FRANÇA, B. O. Nós não éramos índios. 1999. Povos indígenas no Brasil. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/%22Nós_não_eramos_%C3%ADndios%22 . Acesso em: 19 abril 2022.

LANA, L. G. Nosso saber não está nos livros! 1992.Povos índigenas no Brasil. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/%22Nosso_saber_não_está_nos_livros!%22 . Acesso em: 19 abril 2022.

Downloads

Publicado

2022-08-01

Como Citar

CRUZ, M. de M. Acumulações, despossessões e a terra como comum: reconstruções decoloniais para a Terra Brasilis. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 29, n. 2, p. 187–215, 2022. DOI: 10.35699/2316-770X.2022.39399. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/39399. Acesso em: 7 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos