Plástica e urbanidade

a metrópole europeia e o princípio da montagem

Autores

  • André Vaillant Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • João Vítor Araújo Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2022.39501

Palavras-chave:

Montagem, Plástica, Representação, Metrópole, Sentido

Resumo

Este artigo analisa a relação epistemológica entre a arquitetura da metrópole europeia, surgida na passagem do século XIX para o XX, e as artes do mesmo período a partir do conceito benjaminiano de “montagem”. Essa análise visa elencar e relacionar elementos presentes nas mais variadas artes com processos ocorridos nas urbanizações de Paris e Berlim, tentando entender a influência mútua do urbanismo moderno nas artes concomitantes. A partir desse entendimento, pretendemos esboçar as mudanças sofridas pela ideia de “plástica”, nas artes, enquanto princípio de transformação da matéria inerte em produtora de sentido, ou seja, enquanto condição da representação nas artes visuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Vaillant, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Arquiteto urbanista pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, mestrando do programa de pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Minas Gerais. Membro dos grupos de pesquisa Cosmópolis (UFMG) e Cronologia do Pensamento Urbanístico (UFRJ/UFBA). Possui graduação sanduíche na Universidade de Rotterdam (Holanda), com dois anos de trabalhos na Índia (2019) e na Hungria (2020).

João Vítor Araújo, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Arquiteto urbanista pela Universidade Positivo (PR), mestrando do programa de pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Minas Gerais, membro dos grupos de pesquisa Cosmópolis (UFMG) e Cronologia do Pensamento Urbanístico (UFRJ/UFBA). Organizador do Colóquio Internacional Walter Benjamin (UFPR, 2020). Atua em assessoria técnica de arquitetura e urbanismo e expôs no Circuito de Arte Contemporânea de Curitiba (2019).

Referências

ARGAN, Giulio Carlo. História da arte como história da cidade. Trad. Pier Luigi Cabra. São Paulo: Martins Fontes, 2014. 6.ed.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Porto Alegre: L&PM, 2020.

BENJAMIN, Walter. A crise do romance: Sobre Alexanderplatz, de Döblin. In: Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987. 3.ed. p. 54-61.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única: Infância berlinense: 1900. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

BERNARD, Émile. Paul Cézanne. In: DORAN, Michael (Org). Conversas com Cézanne. Trad. Júlia Vidile. São Paulo: Editora 34, 2021. p. 64-81.

BOLLE, Willi. Fisionomia da metrópole moderna. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1994.

BUCK-MORSS, Susan. Dialética do olhar: Walter Benjamin e o Projeto das Passagens.. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015.

CORRADI, Bruno. Prefácio. In: ARGAN, Giulio Carlo. História da arte como história da cidade. Trad. Pier Luigi Cabra. São Paulo: Martins Fontes, 2014. 6.ed.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem-combate: Inatualidade, experiência crítica, modernidade. In: Diante do tempo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015. pp.183-251.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem-malícia: História da arte e quebra-cabeça do tempo In: Diante do tempo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015. pp.102-165.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Quando as imagens tocam o real In: Pós. Belo Horizonte: Vol.2, n.4, 2012. pp.204-219

DÖBLIN, Alfred. Berlin Alexanderplatz. Trad. Irene Aron. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

DUBOIS, Philippe. Plasticidade e cinema: a questão do figural. In: HUCHET, Stéphane (Org). Fragmentos de uma teoria da arte. São Paulo : Editora USP, 2012. p. 97-119.

EINSTEIN, Carl. Documents: Carl Einstein 1929-1930. Florianópolis: Cultura e Barbárie, 2019.

HUCHET, Stéphane. Horizonte tectônico e campo plástico: de Gottfried Semper ao Grupo Archigram: pequena genealogia fragmentária. In: MALARD, Maria Lúcia (Org). Cinco textos sobre arquitetura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005. p. 169-235.

HUCHET, Stéphane. Do ver ao mostrar: representação e corpus da arte. In: HUCHET, Stéphane (Org). Fragmentos de uma teoria da arte. São Paulo: Editora USP, 2012. p. 263-289.

JACQUES, Paola Berenstein. Estética da ginga: a arquitetura das favelas através da obra de Hélio Oiticica. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2011. 4.ed.

JACQUES, Paola Berenstein. Fantasmas modernos: montagem de outra herança v.1. Salvador: EDUFBA, 2020.

LARGUIER, Léo. Le dimanche avec Paul Cézanne. In: DORAN, Michael (Org). Conversas com Cézanne. Trad. Júlia Vidile. São Paulo: Editora 34, 2021. p. 30-42.

ROTH, Joseph. Berlim. Trad. José Marcos Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

VELLOSO, Rita. Experiência estética e Arquitetura. In: Urbano-Constelação. Belo Horizonte: Cosmópolis, 2022. p.150-193.

VELLOSO, Rita. Modos de des-ver: post-scriptum à fantasmagoria. In: Urbano-Constelação. Belo Horizonte: Cosmópolis, 2022. p.194-233.

Downloads

Publicado

2022-08-01

Como Citar

VAILLANT, A.; ARAÚJO, . J. V. Plástica e urbanidade: a metrópole europeia e o princípio da montagem. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 29, n. 2, p. 241–257, 2022. DOI: 10.35699/2316-770X.2022.39501. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/39501. Acesso em: 7 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos