Povos Tradicionais, Conflitos, Expropriação e Luta Social na Amazônia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2021.41573

Palavras-chave:

Amazônia, Povos Tradicionais, Conflitos, Expropriação

Resumo

O presente artigo pretende refletir sobre as situações de conflitos e processos de expropriação na Amazônia. Para isso, utiliza-se a Revisão Sistemática de Literatura como metodologia de pesquisa, priorizando a análise dos resultados apresentados em 68 estudos publicados no período de 2014 a 2019, os quais apontaram que diferentes formas de expropriação em territórios tradicionalmente ocupados, induzem a conflitos de caráter territorial, socioambiental e de identidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Solange Gayoso, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Assistente Social. Doutora em Ciências Socioambientais pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos – NAEA/UFPA. Professora da Faculdade de Serviço Social (FASS) e do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal do Pará (PPGSS/UFPA). Coordenadora Grupo de Estudos e Pesquisas Sociedade, Território e Resistência na Amazônia (GESTERRA). Bolsista Produtividade PQ-2/CNPq.

Larissa Marinho da Costa, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Assistente Social. Mestre em Serviço Social e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal do Pará (PPGSS), bolsista da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (FAPESPA). Grupo de Estudos e Pesquisas Sociedade, Território e Resistência na Amazônia (GESTERRA).

Maria Amoras, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Antropóloga. Doutorado em Ciências Sociais – Antropologia. Professora Adjunta da Faculdade de Serviço Social (FASS) e do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal do Pará (PPGSS). Coordenadora Grupo de Estudos e Pesquisas Relações étnico-raciais, gênero, geração, corpo e território na Amazônia (INTERFACES).

Referências

AIRES, Geovania Machado. Educação a céu aberto e escolarização no território do formoso: um estudo etnográfico a partir dos saberes e conhecimentos tradicionais locais como contribuição para as escolas estabelecidas nas comunidades quilombolas Olho D’água e Lagoa Mirim. 2016. Dissertação (Mestrado em Cartografia Social e Política da Amazônia) - Universidade Estadual do Maranhão, São Luís, 2016.

AZAR, Zaira Sabry. O MST e a luta pela terra: uma luta para além das reformas. Revista Políticas Públicas, São Luís, v. 22, número especial, p. 1195-1211, set. 2018.

BARATA, Joaquina. Etnias amazônicas: confrontos culturais e intercorrências no campo jurídico. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 133, p. 501-514, set./dez. 2018.

BARBOSA, Rômulo Soares; SILVA, Queite Marrone Soares da. Conflitos Ambientais e Estratégias de Resistência: a Luta pela Água no Riachão. O Social em Questão, Rio de Janeiro, ano XXI, n. 40, p. 289-308, jan./ abr. 2018.

BARBOSA, Zulene Muniz. O protagonismo dos movimentos sociais na América Latina amazônica: uma nova fase de múltiplos embates. Revista Políticas Públicas, São Luís, número especial, p. 213-217, jul. 2014.

BERREDO, Eliane Sá Amorim. O MIQCB: aspectos organizativos e o processo de onguização do movimento. 2017. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017.

BRANDÃO, André Augusto Pereira; SOUZA, Sidimara Cristina de. Comunidades Remanescentes de Quilombos do Vale do Mucuri: um emaranhado de significados no processo de construção identitária. O Social em Questão, Rio de Janeiro, ano XX, n.37, p. 109-136, jan./abr. 2017.

BRASIL. Advocacia Geral da União. Portaria 303 de 16 de julho de 2012. Dispõe sobre as salvaguardas institucionais às terras indígenas. Disponível em: https://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex:br:advocacia.geral.uniao:portaria:2012-07-16;303. Acesso em: 18 jun. 2021.

CAPIBERIBE, Artionka; BONILLA, Oiare. A ocupação do Congresso: contra o quê lutam os índios? Estudos avançados, São Paulo, v. 29, n. 83, p. 293-313, jan./abr. 2015.

CASCAES, Barbara de Sousa. “Miranda era essas pedras”: Estado, mineração e conflitos em uma comunidade quilombola. 2017. Dissertação (Mestrado em Cartografia Social e Política da Amazônia) - Universidade Estadual do Maranhão, São Luís, 2017.

CHAVES, Maria do Perpétuo Socorro Rodrigues; LIRA, Talita de Melo. Comunidades ribeirinhas na Amazônia: organização sociocultural e política. Interações, Campo Grande, MS, v. 17, n. 1, p. 66-76, jan./mar. 2016.

CLEMENTE, Flávia da Silva et al. Mulheres rurais e as lutas pela água na América Latina. Temporalis, Brasília (DF), ano 15, n. 30, p. 495- 514, jul./dez. 2015.

CONGILIO, Celia Regina. Mineração, trabalho e conflitos amazônicos no sudeste do Pará. Revista Políticas Públicas, São Luís, Número Especial, p. 195-199, jul. 2014.

CONGILIO, Celia Regina; MOREIRA, Edma do Socorro Silva. A resistência aos grandes projetos de mineração do ferro no sudeste paraense. Revista Políticas Públicas, São Luís, Número Especial, p. 105-115, nov. 2016.

COSTA, Alexandre Bernardino et al. Conflitos agrários e massacres no campo na Nova República: um balanço no marco dos 35 anos dos relatórios da CPT. In: Centro de Documentação Tomás Balduino. Conflitos no campo: Brasil 2020. Goiânia: CPT Nacional, 2021, p. 201-211.

COSTA, César Augusto; LOUREIRO, Carlos Frederico. Os movimentos sociais e a questão ambiental na perspectiva de Enrique Dussel. Argumentum, Vitória (ES), v. 8, n.1, p. 140-157, jan./abr. 2016.

COSTA, César Augusto Soares da; LOUREIRO, Carlos Frederico. Questão ambiental, neoextrativismo e capitalismo periférico: uma leitura política em Enrique Dussel. Ser Social, Brasília, v. 20, n. 42, p. 164-181, jan./jun. 2018.

DAMASCENO, Elena Steinhorst. A Resex de Tauá-mirim e seus rizomas: um experimento de autoria coletiva e etnografia do processo. 2016. Tese (Doutorado em Políticas Públicas) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2016.

DALOSTO, Cássius Dunck; DALOSTO, João Augusto Dunck. Políticas públicas e os quilombos no Brasil: da Colônia ao Governo Michel Temer. Revista Políticas Públicas, São Luís, v. 22, n. 1, p. 545-564, 2018.

FERNANDES, Edimar Antonio. Políticas Afirmativas para Povos Indígenas: sob o olhar dos protagonistas. 2018. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

FREITAS, Luiz Francisco Nogueira de. Filhos do Waraná: territorialização dos Sateré-mawé na Região Metropolitana de Manaus – RMM. 2014. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2014.

FONTOURA, Yuna; NAVES, Flávia. Movimento agroecológico no Brasil: a construção da resistência à luz da abordagem neogramsciana. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 23, n. 77, p. 329-347, abr./jun. 2016.

GIFFONI, Johny Fernandes et al. Paradigma dos Direitos da Natureza. In: LACERDA, Luiz Felipe (org.). Direitos da Natureza: marcos para a construção de uma teoria geral. São Leopoldo/RS: Casa Leiria, 2020, p. 15-28. Disponível em: <https://olma.org.br/wp-content/uploads/2020/11/direitosdanatureza.pdf>. Acesso em: 18 jun. 2021.

INCRA. Normativa de execução nº57, de 20 de outubro de 2009. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação, desintrusão, titulação e registro das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que tratam o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal de 1988 e o Decreto nº 4.887, de 20 de novembro de 2003. Disponível em: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=78048. Acesso em: 18 jun. 2021.

JOHNSON, Guillermo Alfredo; SILVA, Marcos Antônio da. A “vocação” extrativista latino-americana e os movimentos sociais. Revista Políticas Públicas, São Luís, número especial, p. 219-223, jul. 2014.

HAURADOU, Gladson Rosas; AMARAL, Maria Virgínia Borges. mineração na amazônia brasileira: aspectos da presença e avanço do capital na região. Revista Políticas Públicas, São Luís, v. 23, n. 1, p. 402-420, maio 2019.

HARVEY, David. O novo imperialismo. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2005.

HAZEU, Marcel Theodoor; COSTA, Solange Gayoso da; FIALHO NASCIMENTO, Nádia Socorro. Comunidades Tradicionais e Sindicatos em conflito com Estado e capital em Barcarena (PA). Argumento, Vitória, v. 11, n. 1, p. 173-187, jan./abr. 2019.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. Companhia das Letras. São Paulo, 2019.

LIMA, Luiza de Nazare Mastop de. Povos indígenas e agricultores familiares: a luta pela construção da identidade e da diversidade no Território Sudeste Paraense. 2015. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.

LITTLE, Paul E. Os conflitos socioambientais: um campo de Estudo e de Ação Política. In: BURSZTYN, Marcel (org.). A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond; Terra Mater, 2001. p.57-64.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Anuário Antropológico, Rio de Janeiro, v. 28, n.1, p. 251-290, 2003; Tempo Brasileiro, 2004.

LUSA, Mailiz Garibotti. Políticas Públicas no Semiárido Alagoano e a resistência quilombola e camponesa frente à exploração capitalista. Revista Políticas Públicas, São Luís, Número Especial, p. 447-452, jul. 2014.

LUXEMBURGO, Rosa. A acumulação do capital: contribuição ao estudo econômico do Imperialismo. 2. ed. São Paulo: Nova Cultura, 1985 (Coleção Os Economistas).

MARQUES, G. S. Estado e desenvolvimento na Amazônia: inclusão amazônica na reprodução capitalista brasileira. Rio de Janeiro: UFRRJ, 2007.

MARINHO, Thais Alves. Territorialidade e cultura entre os Kalunga: para além do culturalismo. Caderno CRH, Salvador, v. 30, n. 80, p. 353-370, maio/ago. 2017.

MELO, Luciana Marinho de. Povos Indígenas na cidade de Boa Vista: estratégias identitárias e demandas políticas em contexto urbano. 2018. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

MENDES, Ana Carolina Magalhaes. Reflexões e contribuições para a etnografia das práticas cotidianas de resistência das quebradeiras de coco babaçu de Codó. 2016. Dissertação (Mestrado em Cartografia Social e Política da Amazônia) - Universidade Estadual do Maranhão, São Luís, 2016.

MENDES, Ferreira Mendes et al. A organização das mulheres extrativistas na região Sudoeste mato-grossense, Brasil. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 1, p. 71-89, jan./abr. 2014.

NASCIMENTO, Nádia Socorro Fialho; HAZEU, Marcel Theodoor. Grandes empreendimentos e contradições sociais na Amazônia: a degradação da vida no município de Barcarena, Pará. Argumentum, Vitória (ES), v. 7, n. 2, p. 288-301, jul./dez., 2015.

NOVAES, Jurandir Santos de; ARAUJO, Helciane de Fátima Abreu. Cartografia social na região ecológica do babaçu: estratégias de quebradeiras de côco e processos sociais atinentes aos babaçuais. Revista Políticas Públicas, São Luís, número Especial, p. 179-188, nov. 2016.

PEDRO, Viviane Vazzi; SANTOS, Rosimeire de Jesus Diniz. Povos tradicionais e indígenas no Maranhão: violência, fronteiras territoriais e margens da normatização. Revista Políticas Públicas, São Luís, v. 22, número especial, p. 1388-1406, set. 2018.

PIRES, Anacleta; BRUSTOLIN, Cindia. Quando a balança pende: um corredor para exportações e o território Santa Rosa dos Pretos. Revista Políticas Públicas, São Luís, v. 22, número especial, p. 1365-1385, set. 2018.

RODRIGUES, J. C. Conflitos territoriais na Amazônia oriental, oeste do estado do Pará: duas situações distintas, mas a mesma lógica imperativa. Revista Cerrados, Montes Claros/MG, v. 18, n. 02, p. 474-511, jul./dez. 2020.

SANTOS, Josiane Soares et al. Dimensões econômicas e classistas dos conflitos socioambientais envolvendo povos tradicionais no Brasil. Revista Políticas Públicas, São Luís, v. 22, n. 2, p. 733-752, out. 2018.

SANT’ANA JÚNIOR, Horácio Antunes de. Complexo portuário, reserva extrativista e desenvolvimento no Maranhão. Caderno CRH, Salvador, v. 29, n. 77, p. 281-294, maio./ago. 2016.

SILVA, Elizângela Cardoso de Araújo. Povos indígenas e o direito à terra na realidade brasileira. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 133, p. 480-500, set./dez. 2018a.

SILVA, Emanuel Luiz P. da; WANDERLEY, Mariangela Belfiore; CONSERVA, Marinalva de Sousa. Proteção social e território na pesca artesanal do litoral paraibano. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 117, p. 169-188, jan./mar. 2014.

SILVA, Linalva Cunha Cardoso. Quebradeiras de côco babaçu, organização e mobilização política no lago do junco e lago dos rodrigues, região do médio mearim (MA): a experiência da fábrica de sabonete. 2018b. Dissertação (Mestrado em Cartografia Social e Política da Amazônia) - Universidade Estadual do Maranhão, São Luís, 2018b.

SOARES, Iris Pontes. Conflitos socioambientais e a ameaça ao processo de demarcação de terras quilombolas no Brasil. Revista Políticas Públicas, São Luís, v. 22, n. 2, p. 687-709, out. 2018.

SOUSA, Maria Gorete de. Articulação internacional dos atingidos pela Vale na luta contra o capital e sua forma destrutiva. Revista Políticas Públicas, São Luís, número especial, p. 201-206, jul. 2014.

TAVARES, Anderson de Souza. Geograficidades, urbanidades rurais e campesinidade no modo de vida dos moradores da comunidade de Santa Maria de vila Amazônia, Parintins/AM, 2016. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2016.

TEISSERENC, Maria José da S. A. Politização, ambientalização e desenvolvimento territorial em Reservas Extrativistas. Caderno CRH, Salvador, v. 29, n. 77, p. 229-242, maio/ago. 2016.

TEISSERENC, Pierre. As vias de integração da mobilização social no campo político. Caderno CRH, Salvador, v. 29, n. 77, p. 243-259, maio/ago. 2016.

TRECANNI, Girolamo Domenico; BENATTI, José Heder; MONTEIRO, Aianny Naiara Gomes. Agravamento da violência no campo: reflexões sobre a política de regularização fundiária. In: Centro de Documentação Tomás Balduino. Conflitos no campo: Brasil 2020. Goiânia: CPT Nacional, 2021, p. 112-124.

TRINDADE, Joseline Simone Barreto. Lavrando a memória, cultivando a terra: o direito de dizer e fazer a roça no Quilombo do Curiaú/AP. 2015. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.

VIEIRA, Mônica do Corral. Histórias Tembé: sobre narrativas e autoidentificação. 2016. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2016.

VILLÉN-PÉREZ, S. et al. Brazilian Amazon gold: indigenous land rights under risk. Elementa Science Anthropocene, v. 8, n. 31., p.1-5, jul. 2020. Disponível em: https://ipam.org.br/bibliotecas/brazilian-amazon-gold-indigenous-land-rights-under-risk/. Acesso em: 08 jun. 2021.

VOGT, Gabriel Carvalho. O artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) como instrumento. O Social em Questão. Rio de Janeiro, ano XVII, n. 32, p.151-164, jul./dez. 2014.

Downloads

Publicado

2023-05-18

Como Citar

GAYOSO, S. .; COSTA, L. M. da; AMORAS, M. . Povos Tradicionais, Conflitos, Expropriação e Luta Social na Amazônia. Revista da UFMG, Belo Horizonte, v. 28, n. 3, p. 167–191, 2023. DOI: 10.35699/2316-770X.2021.41573. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/41573. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos