Decolonialidade e Saberes Tradicionais em Práticas Científicas na Amazônia

Autores

  • Nelissa Peralta Universidade Federal do Pará (UFPA)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2021.41582

Palavras-chave:

Colonialidade, Amazônia, Desobediência epistêmica, Conhecimentos Tradicionais

Resumo

O artigo propõe uma reflexão sobre a potencialidade de um despertar epistêmico na Amazônia a partir da colaboração entre formas de conceber e conhecer o mundo enquanto diferentes regimes de conhecimento. Foram realizadas observação participante e entrevistas não-diretivas entre atores sociais envolvidos em práticas científicas na região de Tefé (AM), onde se localiza a instituição na qual foi conduzido o estudo - o Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. Como recorte para estudo de caso, foi focalizado o método de censo populacional de pirarucus e a abordagem teórico-metodológica da modernidade/colonialidade. Concluímos que um despertar epistêmico na Amazônia deve tornar visíveis e valorizar saberes e práticas tradicionais dos povos indígenas e ribeirinhos, para estabelecer uma colaboração e/ou aliança pragmática entre regimes de conhecimento para que as populações locais possam permanecer nos seus territórios, mantendo “a floresta em pé” e desenvolvendo seus próprios projetos de futuro, a partir de seus saberes e modos de vida ancestrais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nelissa Peralta, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Professora de Sociologia da Universidade Federal do Pará.

Referências

ALLUT, Antonio García. O conhecimento dos especialistas e seu papel no desenho de novas políticas pesqueiras. In: DIEGUES, Antonio Carlos (Org.). Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Hucitec/NUPAUB, 2000. p. 101-123.

AMARAL, Ellen Sílvia Ramos. O manejo comunitário de pirarucu (Arapaima gigas) como alternativa econômica para os pescadores das RDS’s Amanã e Mamirauá, Amazonas, Brasil. 85 f. Dissertação (Mestrado em Gestão dos Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia) – Núcleo do Meio Ambiente, Universidade Federal do Pará, Belém, 2009.

ALMEIDA, Mauro W. B. Caipora e Outros Conflitos Ontológicos. São Paulo: UBU Editora, 2021.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, nº11. Brasília, maio - agosto de 2013, pp. 89-117.

BERKES, Fickret. Evolution of Co-Management: Role of Knowledge Generation, Bridging Organizations and Social Learning. Journal of Environmental Management, v. 90, p. 1692-1702, 2009.

BRASIL. Congresso Nacional. LEI Nº 9.637, DE 15 DE MAIO DE 1998 D.O.U. de 18.05.1998 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e a absorção de suas atividades por organizações sociais, e dá outras providências.

CANDOTTI, Enio (entrevista). A Amazônia é parte da solução dos problemas do Brasil. Revista Terceira Margem Amazônia. Vol. 1, n. 5, s/d.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Cultura com aspas. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela; ALMEIDA, Mauro (Org.). A enciclopédia da floresta. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CASTELLO, Leandro. Ecologia e ferramenta de manejo para as populações de pirarucu Arapaima gigas (Cuvier). Tefé: IDSM/CNPq, 2001. Relatório de atividades. Não paginado.

CASTELLO, Leandro. A Socio-Ecological Synthesis on the Conservation of the Pirarucu (Arapaima) in Floodplains of the Amazon. 2007. 194 f. Thesis (PhD) – College of Environmental Science and Forestry Syracuse, State University of New York, New York, 2007.

ELLEN, Roy; HARRIS, Holly. Concepts of Indigenous Environmental Knowledge in Scientific and Development Studies Literature: a Critical Assessment. East-West Environmental Linkages Network Workshop, Canterbury, v. 3, p. 8-10, May 1996.

ESCOBAR, Arturo. Territorios de diferencia: lugar, movimiento, vida, redes. Popayán: Envión. 2010.

GIDDENS, Anthony. A vida em uma sociedade pós-tradicional. In: GIDDENS, Anthony; BECK, Ulrich; LASH, Scott. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: UNESP, 1997.

INGOLD, Tim. The Perception of the Environment: Essays in Livelihood, Dwelling and Skill. London; New York: Routledge, 2000.

IDSM – INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ. Plano Diretor do IDSM, 2010-2015: planejamento estratégico do IDSM. Tefé, 2010. Documento interno.

LAVE, Jean; WENGER, Etienne. Situated Learning: Legitimate Peripheral Participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

LEVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. Campinas: Papirus, 1989.

MIGNOLO, Walter D. Os esplendores e as misérias da “ciência”: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistêmica. IN: SANTOS, Boaventura de Souza. Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. Rio de Janeiro: Editora Cortez, 2006.

MIGNOLO, Walter D. Epistemic Disobedience, Independent Thought and De-Colonial Freedom. Theory, Culture and Society, [s. l.], v. 26, ed. 7-8, 2009, p. 1-23.

MIGNOLO, Walter D. Desobediência Epistêmica. Revista X, v. 16, n. 1, p. 24-53, 2021.

NEVES, Lino João de Oliveira. Desconstrução da colonialidade: iniciativas indígenas na Amazônia, ecadernos CES [Online], 02 | 2008.

PERALTA, Nelissa. Toda Ação de Conservação Precisa ser Aceita Pela Sociedade: Manejo Participativo em Reserva de Desenvolvimento Sustentável. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. 333 f. 2012.

POPPER, Karl R. Conjecturas e refutações. Tradução de Sérgio Bath. Brasília: Editora UnB, 1980.

QUEIROZ, Helder. A Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 54, p. 183-203, ago. 2005.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad y Modernidad/Racionalidad. Perú Indig. Vol.13, n.54, p. 11-20, 1992.

SANTOS, Boaventura de S. Para uma Sociologia das Ausências e para uma Sociologia das Emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais. Vol. 63, out. 2002, p. 237-280.

SANTOS, Gilton Mendes; DIAS, Carlos Machado Jr. Ciência da floresta: Por uma antropologia no plural, simétrica e cruzada. Revista De Antropologia, São Paulo, USP, 2009, vol. 52 Nº 1.

SILLITOE, Paul. Let Them Eat Cake: Indigenous Knowledge, Science and the ‘Poorest of the Poor’. Anthropology Today, v. 16, n. 6, p. 3-7, Dec. 2000.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. Tradução de Alexandre Morales e Marcela Coelho de Souza. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Editora UnB, 1994.

Downloads

Publicado

2023-05-18

Como Citar

PERALTA, N. Decolonialidade e Saberes Tradicionais em Práticas Científicas na Amazônia. Revista da UFMG, Belo Horizonte, v. 28, n. 3, p. 89–107, 2023. DOI: 10.35699/2316-770X.2021.41582. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/41582. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos