GEOTECNOLOGIAS NA REDE

EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ATRAVÉS DE UMA REDE SOCIAL

Autores

  • Alex Mota dos Santos Universidade Federal de Goiás
  • Daniel de Oliveira Soares Universidade Nova de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.35699/2318-2326.2021.19452

Palavras-chave:

Universidade, Geotecnologias, Ensino, Pesquisa e extensão

Resumo

O objetivo deste artigo é revelar os resultados preliminares da ação de extensão “Geotecnologias na rede”. O projeto está sendo desenvolvido a partir da produção de vídeos temáticos que são publicados no Youtube®. Os resultados preliminares mostraram que o canal foi acessado em 54 países de todos os continentes, possui 114.539 visualizações, possibilitando a disseminação de ações entre professores do ensino médio, comunidade de estudantes e profissionais interessados no assunto. Além disso, apesar do pouco tempo de criação e do número de vídeos, os relatórios do Youtube®, mostram que 24,9% dos vídeos visualizados foram sugeridos e que 62,2% foram identificados por meio de pesquisas. Nesse sentido, o compartilhamento dos vídeos foi feito através do WhatsApp® (54,8%) e copiado para a área de transferência (32,1%). Ou seja, conclui-se que as pessoas estão vendo, gostando e recomendando o canal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Mota dos Santos, Universidade Federal de Goiás

Professor do curso de Engenharia de Transportes

Daniel de Oliveira Soares, Universidade Nova de Lisboa

Mestrando em Ciência e Sistemas de Informação Geográfica

Referências

Anjos, et al. (2015) A análise de redes sociais como ferramenta para o mapeamento de relações entre atores sociais de um projeto de extensão universitária. RECIIS, 9 (1), p.1-14. Disponnível em: <https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/628/pdf_2>.

Athayde, et al. (2014) O dispositivo pedagógico das redes sociais nas inovações tecnológicas nas ações em extensão universitária. Raízes e Rumos, 2 (1), p. 1-7. Disponível em: <http://www.seer.unirio.br/index.php/raizeserumos/article/view/3902>.

Burnsed, B. (2011) YouTube goes to college. U.S. News and World Report, vol. único, s.p. Disponível em:<http://www.usnews.com/education/bestcolleges/articles/2011/05/16/youtube-goes-to-college>.

Cabral, N. G. (2012) Saberes em extensão universitária: contradições, tensões, desafios e desassossegos. 259 f. (Doctorado). Faculdade de Educação. Programa de Posgrado en Educación, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.Disponível em:<http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/49409/000836465.pdf>.

Carbonari, M. E. E.; Pereira, A. C. A (2007) Extensão universitária no Brasil, do assistencialismo à sustentabilidade. Revista de Educação, Itatiba, 10 (10), p. 23-28.

Cerqueira, E.C.; Nascimento, D.M.C. (2013) O lugar da cartografia no ensino de geografia: perspectivas a partir de um projeto de extensão. Geotextos, 9 (1), p.231-253. Disponível em: <https://periodicos.ufba.br/index.php/geotextos/article/view/8354>.

Chauhan, J. (2007) Agricultural extension education. National Science Digital Library. Disponível em: <http://nsdl.niscair.res.in/jspui/bitstream/123456789/307/1/AGRICULTURAL%20EXTENSION%20EDUCATION.pdf>.

De Paula, J. A. (2013, jul./nov.)A extensão universitária: história, conceito e propostas. Interfaces - Revista de Extensão, Belo Horizonte, 1 (1), p. 05-23. Disponível em: <https://www.ufmg.br/proex/revistainterfaces/index.php/IREXT/article/view/5/pdf>.

Demarmels, S. et al. (2017) Thematic Cartography. Geographic Information Technology Training Alliance (GITTA). Disponível em:<http://www.gitta.info/ThematicCart/en/text/ThematicCart.pdf >.

Ebner, P. et al. (2017) Preparing Students for Extension Careers and Expanding U.S. Extension Reach Through International Service Learning. Journal of Extension. 55 (4). Disponível em: <https://www.joe.org/joe/2017august/a2.php>.

Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras – FORPROEX, (2012) Politica Nacional de Extensão Universitária. Manaus. Disponível em: <https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/Pol%C3%ADtica-Nacional-deExtens%C3%A3o-Universit%C3%A1ria-e-book.pdf>.

Langworthy, S. (2017) Do You YouTube? The Power of Brief Educational Videos for Extension. Journal of Extension. 55 (2). Disponível em:<https://www.joe.org/joe/2017april/pdf/JOE_v55_2iw1.pdf>.

Loizzo, J.; Lilliard, P. (2015, feb.) In the field: Increasing undergraduate students’ awareness of Extension through a blended project-based multimedia production course. Journal of Extension, 53 (1), p. 1-7. Disponível em: http://www.joe.org/joe/2015february/rb3.php>.

Mirra, E. (2009) A Ciência que sonha e o verso que investiga. São Paulo: EditoraPapagaio.

Moraes, R. C.C. (1998) Universidade hoje - Ensino, pesquisa, extensão. Educação e Sociedade, Campinas, 19 (63). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73301998000200003>.

Parish, J. A.; Karish, B. B. (2013) Determining Interest in YouTube Topics for Extension Authored Video Development. Journal of Extension. 51 (6). Disponível em:<https://www.joe.org/joe/2013december/pdf/JOE_v51_6tt6.pdf>.

Pinheiro, D. (2013) Conquistas e desafios da extensão universitária no Brasil: um convite ao debate. Raízes e Rumos, 01 (01), p. 2–98, Rio de Janeiro. Disponível em:.

Proença, I. C. L. et al. (2012, jul.-dez.) Diálogos da extensão universitária: desafios e potencialidades nas práticas ambientais escolares do município de Lavras/ MG. REMEA – Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. 29. ISSN 1517-1256.

Ramos, H.F. et al. (2015) Dasimetria aplicada à análise espacial da ocupação humana na cidade de Acreúna – Goiás. XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, ... Anais, João Pessoa-PB, Brasil, 25 a 29 de abril de 2015, INPE. Disponível em: <http://www.dsr.inpe.br/sbsr2015/files/p0805.pdf>.

Richards, J. A. (2005) Analysis of Remotely Sensed Data: The Fomative Decades and the Future. IEEE Transactions on Geoscience and Remote Sensing, 43 (3).

Santos, A. M. (2015) Experiência pedagógica em geotecnologias para um curso de engenharia na Amazônia Ocidental. In: VIII SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO. De que falamos quando falamos em educação? Rolim de Moura. Anais, Porto Velho: Universidade Federal de Rondônia, 2015. 8, p. 1-12.

Santos, A.M.; Mota, V.C. (2017) Análise espacial dos usos e da cobertura da terra no pantanal dos rios Guaporé e Mamoré/Rondônia. Revista Brasileira de Geomática, 5 (3), p. 433-452. Disponível em: <https://periodicos.utfpr.edu.br/rbgeo>.

Santos, F.; Fenchine, J. A. (2017, jul.-set.) A cartografia escolar e sua importância para o ensino de Geografia. Caderno de Geografia, 27 (50), p. 500-515. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/3332/333251655006.pdf>.

Soares, L.T. (2007) Prefácio: Direitos humanos políticas públicas e extensão universitária. In: FREIRE, Silene de Moraes (Org.). Direitos humanos, violência e pobreza na América Latina contemporânea, RJ, Letra e Imagem 230. p. 9-12.

Stoica, I. et al. (2011) Concept maps, a must for the modern teaching-learning process. Romanian Reports in Physics, 63 (2), p. 567–576. Disponível em: <http://www.rrp.infim.ro/2011_63_2/art22Stoica.pdf>.

Publicado

2021-07-14

Como Citar

SANTOS, A. M. dos; SOARES, D. de O. GEOTECNOLOGIAS NA REDE: EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ATRAVÉS DE UMA REDE SOCIAL. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 114–141, 2021. DOI: 10.35699/2318-2326.2021.19452. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/19452. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos