PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES

CONTRIBUIÇÕES NA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

Autores

  • Carla Patrícia Antunes Gontijo Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Regiane Prado Ribeiro Universidade Federal de Minas Gerais
  • Alexandre da Silveira Sete Universidade Federal de Minas Gerais
  • Silvana Aparecida Costa Universidade Federal de Minas Gerais
  • Juliana Silveira Teixeira Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte (Santa Casa BH)
  • Fátima Ferreira Roquete Ferreira Roquete Universidade Federal de Minas Gerais
  • Karla Rona da Silva Universidade Federal de Minas Gerais
  • Elaine Santana de Souza Ferreira Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Terapias complementares; Qualidade de vida; Saúde do trabalhador; Condições de trabalho; Educação.

Resumo

Este artigo descreve a experiência da utilização das práticas integrativas e complementares (PIC) com trabalhadores de um hospital universitário público em Belo Horizonte-MG. Os atendimentos terapêuticos aos trabalhadores, gratuitos, ocorreram no período de outubro de 2018 a abril de 2019, sendo prestados por profissionais voluntários em salas disponibilizadas em um ambulatório do hospital. Foram oferecidas as seguintes terapias: a) Aromaterapia; b) Auriculoterapia; c) Homeopatia; d) Reiki; e) Tai Chi Chuan; e f) Tuiná. Contando com a participação de 7 voluntários, foram oferecidas 456 vagas durante o período avaliado, sendo realizados 568 agendamentos (com 405 atendimentos efetivos). Diante da experiência, constatou-se a necessidade de: a) fortalecer os meios de comunicação, para promover maior adesão aos atendimentos terapêuticos; b) aprimorar a percepção dos trabalhadores; e c) sensibilizar as lideranças para que mobilizem e inspirem a participação dos trabalhadores nos programas de qualidade de vida no trabalho (QVT) em organizações do setor saúde.[E1]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-12-30

Edição

Seção

Artigos