IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTA PARA REGISTRO DO ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL EM UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO ENFRENTAMENTO DE UM DESAFIO

Autores

  • Pedro Henrique dos Santos Silva Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Isadora Maria de Almeida Moraes Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Mariana Veras Rocha Borges Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Sara Sabrina Vieira Cirilo Universidade Estadual do Maranhão
  • Ariane Oliveira Dinato Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Vasco Macêdo Gonçalves Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • José Vitor Mota de Moura Silva Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Cleison Bruno Machado Lima Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Karina Rodrigues dos Santos Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Severino Cavalcante de Sousa Júnior Universidade Federal do Delta do Parnaíba

DOI:

https://doi.org/10.35699/2318-2326.2020.19982

Palavras-chave:

Relações Comunidade-Instituição, Gravidez, Cuidado Pré-Natal, Centros de Saúde

Resumo

o presente artigo objetiva relatar a experiência e contribuições de acadêmicos do curso de medicina da Universidade Federal do Delta do Parnaíba na aplicação do projeto de extensão intitulado “Adoção de Ficha-Espelho no Pré-Natal de Mulheres da UBS São Vicente de Paula, Parnaíba-PI”. Inseridos no serviço de uma Unidade Básica de Saúde, os acadêmicos construíram uma análise situacional e elaboraram uma proposta de intervenção que buscou solucionar o problema do preenchimento inadequado dos prontuários de atendimento pré-natal. Para isso, elaboraram uma ferramenta de preenchimento rápido e fácil, baseada em levantamento bibliográfico realizado pelos alunos. Após todo esse processo de vivência tido pelos participantes do projeto de extensão, viu-se que a imersão de acadêmicos nos serviços de saúde é benéfica tanto para a formação de futuros profissionais quanto para o serviço que os acolhe, ressaltando a importância de valorização de atividades extensionistasaseada em levantamento bibliográfico realizado pelos alunos. Após todo esse processo de vivência tido pelos participantes do projeto de extensão, viu-se que a imersão de acadêmicos nos serviços de saúde é benéfica tanto para a formação de futuros profissionais quanto para o serviço que os acolhe, ressaltando a importância de valorização de atividades extensionistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Henrique dos Santos Silva, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Graduando do curso de Medicina.

Isadora Maria de Almeida Moraes, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Mariana Veras Rocha Borges, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Sara Sabrina Vieira Cirilo, Universidade Estadual do Maranhão

Fisioterapeuta residente do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família pela Universidade Estadual do Maranhão, Caxias - Maranhão

Ariane Oliveira Dinato, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Vasco Macêdo Gonçalves, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal do Delta do Parnaíba

José Vitor Mota de Moura Silva, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Cleison Bruno Machado Lima, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Karina Rodrigues dos Santos, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Professor do Curso de Medicina da Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Severino Cavalcante de Sousa Júnior, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Professor de Medicina da Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Referências

Araújo, C. C. F., Pontes, J. L., & Pontes, T. L. (2011). Potencialidades e fragilidades da rede de atenção à saúde da mulher no município de Surubim. JMPHC| Jour-nal of Management & Primary Health Care| ISSN 2179-6750, 2(2), 24–29.

Araújo, M. A. L., da Silva, D. M. A., da Silva, R. M., & Gonçalves, M. L. C. (2008). Análise da qualidade dos registros nos prontuários de gestantes com exame de VDRL reagente. Revista de APS, 11(1).

Bordenave, J., & Pereira, A. (1989). Estratégias de Ensino-Aprendizagem. Rio de Janeiro. Vozes.

Carvalho, A. de. (2009). Informação em saúde como ferramenta estratégica para a qualificação da gestão e o fortalecimento do controle social no SUS. Tempus-Actas de Saúde Coletiva, 3(3), 16–30.

Colombo, A. A. (2007). A Metodologia da Problematização com o Arco de Ma-guerez e sua relação com os saberes de professores. Semina: ciências sociais e humanas, 28(2), 121–146.

Costa, A. M. (2009). Participação social na conquista das políticas de saúde para mulheres no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 14, 1073–1083.

de Oliveira Sobrinho, T. A., Medeiros, C. P. P., Maia, M. R., Reis, T. C., de Paula Miranda, L., & Costa, P. F. (2011). Integração acadêmica e multiprofissional no PET-Saúde: Experiências e desafios. Revista da ABENO, 11(1), 39–42.

Departamento de Atenção Básica. (2012). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Ministério da Saúde.

Duarte, S. J. H., & Andrade, S. M. O. de. (2008). O significado do pré-natal para mulheres grávidas: Uma experiência no município de Campo Grande, Brasil. Saúde e Sociedade, 17, 132–139.

Ferreira, L. O. (2013). Saúde e relações de gênero: Uma reflexão sobre os de-safios para a implantação de políticas públicas de atenção à saúde da mulher indígena. Ciência & Saúde Coletiva, 18, 1151–1159.

Gusso, G., & Lopes, J. M. C. (2018). Tratado de Medicina de Família e Comunida-de-: Princípios, Formação e Prática. Artes Medicas.

Júnior, A. P., & Júnior, L. C. (2006). Políticas públicas de saúde no Brasil. Espaço para a Saúde. Londrina, 8(1), 13–19.

Ministério da Saúde (Org.). (2011). Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: Princípios e diretrizes (1a. ed., 2a. reimp). Editora MS.

Montenegro, C. B., & Rezende Filho, J. F. (2017). Rezende obstetrícia (13o ed). Gua-nabara Koogan.

Oliveira, A. L. de O. e, Melo, L. P. de, Pinto, T. R., Azevedo, G. D. de, Santos, M. dos, Câmara, R. B. G. da, Costa, P. M. da, & Mata, Á. N. de S. (2017). Vivência integrada na comunidade: Inserção longitudinal no Sistema de Saúde como estratégia de formação médica. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 21(suppl 1), 1355–1366. https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0533

Osis, M. J. M. D. (1998). Paism: Um marco na abordagem da saúde reprodutiva no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 14(suppl 1), S25–S32. https://doi.org/10.1590/S0102-311X1998000500011

Roncalli, A. G. (2006). Epidemiologia e saúde bucal coletiva: Um caminhar com-partilhado. Ciência & Saúde Coletiva, 11, 105–114.

Santos, T. M. M. G. dos, Abreu, A. P. de S. B., & Campos, T. G. (2017). Avaliação dos registros no cartão de pré-natal da gestante. Rev. enferm. UFPE on line, 2939–2945.

Silva, L. P. da, Moreira, C. M. M., Amorim, M. H. C., Castro, D. S. de, & Zandonade, E. (2014). Avaliação da qualidade dos dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos e do Sistema de Informações sobre Mortalidade no período neonatal, Espírito Santo, Brasil, de 2007 a 2009. Ciência & Saúde Coletiva, 19, 2011–2020. https://doi.org/10.1590/1413-81232014197.08922013

Silva, L. A. dos S., Gonçalves, J. G., Pereira, R. A., Silva, G. O., Costa, R. S., & Dias, A. K. (2019). PLANEJAMENTO FAMILIAR: MEDIDA DE PROMOÇÃO DE SAÚDE, UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Revista Extensão, 3(1), 151–161.

Vasconcellos, M. M., Gribel, E. B., & Moraes, I. H. S. de. (2008). Registros em saú-de: Avaliação da qualidade do prontuário do paciente na atenção básica, Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 24, s173–s182.

Publicado

2020-12-30

Como Citar

SILVA, P. H. dos S. .; MORAES, I. M. de A. .; BORGES, M. V. R.; CIRILO, S. S. V.; DINATO, A. O.; GONÇALVES, V. M.; SILVA, J. V. M. de M.; LIMA, C. B. M.; SANTOS, K. R. dos; SOUSA JÚNIOR, S. C. de . IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTA PARA REGISTRO DO ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL EM UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO ENFRENTAMENTO DE UM DESAFIO. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 322–333, 2020. DOI: 10.35699/2318-2326.2020.19982. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/19982. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos