CRIAS CINE

EXPERIÊNCIAS COM O CINEMA E O AUDIOVISUAL EM AMBIENTES VIRTUAIS

Autores

  • Maria Gabriela Capper Colégio Universitário Geraldo Reis- Universidade Federal Fluminense

Palavras-chave:

Cinema, Audiovisual, Arte, Educação, Infância

Resumo

Este artigo aborda as experiências de um grupo de crianças, com o audiovisual, realizadas em uma oficina de extensão, em ambiente virtual, durante o período de distanciamento social causado pela pandemia de COVID-19. São relatos de experiências que surgem nos processos de fruição e criação com o audiovisual na infância, em diálogo com os pensamentos de Alain Bergala (2008), Gilles Deleuze (1985, 1998), Fernand Deligny (2016), Giorgio Agamben (2007) e Sergei Eisenstein (2002, 2014) sobre a arte e o cinema. De um modo geral, o cinema está presente nas escolas de maneira limitada. Como ampliar a presença do cinema e do audiovisual como arte nas escolas? Como tornar possível que crianças operem, fruindo e criando em um devir cinema-infância? É o que se pretende descobrir nessa trajetória de experiências com imagens, sons, edição e montagem cinematográfica, que deflagram operações audiovisuais inventivas, em que os gestos cinematográficos das crianças se fazem próprios e singulares.

Palavras-chave: Cinema. Audiovisual. Arte. Educação. Infância.

 

Abstract: The article addresses the audiovisual experiences from a group of children in an extension workshop all performed in a virtual environment during the social distancing period caused by Covid-19 Pandemic. They are reports which emerge from fruition and creation processes with the audiovisual during the childhood, in dialogue with thoughts of Alain Bergala, Gilles Deleuze, Fernand Deligny, Giorgio Agamben and Sergei Eisenstein about art and cinema. In general, cinema is present in schools in a limited way. How to extend the presence of cinema and audiovisual as art in schools? How to make it possible for children to operate, enjoy and create in a fluid and non-stop movement related to children with the cinema. This is what we intend to discover in this trajectory of experiences with images, sounds, editing and film editing, which trigger inventive audiovisual operations, in which the cinematographic gestures of children become their own and singular gestures.

 

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Gabriela Capper, Colégio Universitário Geraldo Reis- Universidade Federal Fluminense

Colégio Universitário Geraldo Reis – Universidade Federal Fluminense-Niterói-Rio de Janeiro-Brasil
Professora do curso de Música

Referências

Agamben. G. (2007). Os seis minutos mais belos da história do cinema. In: Profanações (pp. 72-73). São Paulo: Boitempo.

Barros, M. (1996). As lições de R.Q. Livro Sobre Nada (p.75). Rio de Janeiro: Record.

Barros, M. (1999). Exercícios de Ser Criança. São Paulo: Salamandra.

Barros, M. (2008). Palavras e Memórias Inventadas: as Infâncias de Manoel de Barros. Brasil: Planeta.

Barthes, R. (2003). Como Viver Junto; Simulações Romanescas de Alguns Espaços Cotidianos (cursos e seminários no Collège de France, 1976-1977). Texto estabelecido, anotado e apresentado por Claude Coste. Tradução Leyla Perrone-Moisés (pp. 11-12). São Paulo: Martins Fontes.

Benjamin, W. (1986). A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. In: Magia e Técnica, Arte e Política: Ensaios Sobre Literatura e História da Cultura. (pp. 165-170) São Paulo: Editora Brasiliense.

Bergala, A. (2008). A hipótese-cinema. Pequeno Tratado de Transmissão do Cinema Dentro e Fora da Escola. Rio de Janeiro: Booklink. CINEAD – LISE – FE/UFRJ.

Cesar, P. (Diretor). (2009). Só Dez por Cento é Mentira: a Desbiografia Oficial de Manoel de Barros. Filme. Brasil.

Cunha, L. & Neves, A. (2016). Um Dia, um Rio. Rio de Janeiro: Pulo do Gato.

Deleuze, G. (1985). As potências do falso. Cinema 2 - A imagem-tempo (pp. 161 -165). São Paulo: Brasiliense.

Deleuze, G. & Parnet, Claire (1998). Diálogos. São Paulo: Ed. Escuta.

Deligny, F. (2016). Colóquio Internacional Fernand Deligny. Coletânea de textos. Seleção e tradução Sandra Alvarez de Toledo e Marlon Miguel. RJ.

Eisenstein, S. (2002). O sentido do filme. Rio de Janeiro: Zahar.

Eisenstein, S. (2014). Notas para uma história geral do cinema. Rio de Janeiro: Azougue.

Lumiére, I. (1895). L’arrivée d’un train. Filme. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=RP7OMTA4gOE&t=2s

Méliès, G. (1902). Le voyage dans la lune. Filme. Recuperado de https://www. youtube.com/watch?v=5_xcB0-y10E

Mendonça, K. (Diretor) & Lesclaux E. (Produtor). (2009). Recife frio. Filme: Brasil. Cinemascópio Produções Cinematográficas.

Migliorin, C., Pipano, I., Garcia, L., Martins, I. M., Guerreiro, A., Nanchery, C. & Benevides, F. (2016). Cadernos do Inventar: Cinema, Educação e Diretos Humanos. Niterói: EDG.

Schafer, M. (1991). O ouvido Pensante. Fundação Editora UNESP.

Publicado

2021-12-31

Como Citar

CAPPER, M. G. CRIAS CINE: EXPERIÊNCIAS COM O CINEMA E O AUDIOVISUAL EM AMBIENTES VIRTUAIS. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 9, n. 2, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/29326. Acesso em: 27 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos