A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA SOCIALMENTE ORIENTADA ENQUANTO RESISTÊNCIA EPISTEMOLÓGICA

POSSIBILIDADES EMANCIPATÓRIAS

Autores

Palavras-chave:

Extensão universitária, Emancipação, Universidade pública, Justiça cognitiva

Resumo

A extensão universitária vem sendo exaustivamente discutida na América Latina, seja em sua vertente de prestação de serviço e transferência de conhecimento, seja em sua vertente comunitária, atenta às demandas sociais de seu entorno. O presente estudo, de natureza bibliográfica, se propõe a retomar a reflexão sobre as potencialidades emancipatórias da extensão universitária no contexto latino-americano. Para isso, nos valemos das categorias do pensamento abissal para fundamentar a origem cognitiva da injustiça social e pensar a extensão enquanto possibilidade de resistência epistemológica e política, discutindo o modelo de universidade subjacente a essa possibilidade. Ancorados na perspectiva de educação libertadora, apresentamos ainda os elementos que pensamos ser qualificadores da extensão capaz de colaborar para este projeto. Identificamos por fim, os desafios para a concretização de um outro projeto universitário, no qual a extensão figure enquanto articuladora da formação crítica e da pesquisa
situada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Loryne Viana de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas- Campinas- São Paulo-Brasil

Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Brasília (2012) com ênfase em Lógica, Filosofia da Ciência, e Epistemologia. Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica pelo Instituto Federal de Goiás (2019) tendo pesquisado o desenvolvimento de produto educacional para formação docente em ciências com enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade. Atualmente está vinculada ao Doutorado em Política Científica e Tecnológica da Universidade Estadual de Campinas, se interessando pelo tema Estratégias de Ciência e Tecnologia e Atores Sociais. Professora do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (D 301) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília, desde 2014, atualmente em exercício no Campus Estrutural. Nesta mesma instituição desenvolve ações de pesquisa e extensão diversas e atua no ensino de nível médio, técnico e superior, ministrando disciplinas de filosofia geral, lógica, ética, educação e correlatas em cursos em diferentes eixos tecnológicos.

Referências

Chauí, M. (2003). A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, 24, 5-15. doi.org/10.1590/S141324782003000300002.

Dagnino, R. (2008). Neutralidade da Ciência e Determinismo Tecnológico: um debate sobre a tecnociência. Campinas: Editora da Unicamp.

Dagnino, R. (2010). Uma Estória sobre Ciência e Tecnologia, ou Começando pela Extensão Universitária... In: Dagnino, R. (Org.). Estudos Sociais da Ciência e Tecnologia e Política de Ciência e Tecnologia: abordagens alternativas para uma nova América Latina. Campina Grande: EDUEPB.

Fraga, L. S. (2012). Extensão e transferência de conhecimento: As Incubadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares. [Tese de Doutorado em Política Científica e Tecnológica, Universidade Estadualde Campinas].

Fraga, L. S. (2017). Transferência de conhecimento e suas armadilhas na extensão universitária brasileira. Avaliação (Campinas), 22(2), 403-419.

Freire, P. (2015). Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2002). Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. Rio de Janeiro:Paz e Terra.

Freire, P. (2013). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gibbons, M. (1994). The New Production of Knowledge: the Dynamics of Science and Research in Contemporary Societies. London: Sage.

Herrera, A. (1995). Los determinantes sociales de la política científica en América Latina. Política científica explícita y política científica implícita. Redes, 2(5), 117-131.

Humboldt, W. (1997). Sobre a organização interna e externa das instituições científicas superiores em Berlim. In: Casper, G. & Humboldt, W. (Org.). Um mundo sem universidades? Rio de Janeiro: EdUERJ.

Imperatore, S. L. B. & Pedde, V. (2015). Curricularização da Extensão universitária no Brasil: questões estruturais e conjunturais de uma Política Pública. In: XIII Congreso Latinoamericano de Extensión Universitaria, La Habana.

Incrocci, L. M. C. & Andrade, T. H. M. (2018). O fortalecimento da extensão no campo científico: uma análise dos editais ProExt/MEC. Sociedade & Estado, 34(1), 187-212.

Jasanoff, S. (2004). The idiom of co-production. In: Jasanoff, S. (Eds.) States of knowledge: the co-production of science and social order. Londres: Routledge.

Jasanoff, S. (2019). Tecnologias da humildade: participação cidadã na governança da ciência. Sociedade & Estado, 34(2), 565-589.

Oliveira, L. V (2018). Educação Científico-Tecnológica e Desenvolvimento tecnocientífico: em busca de uma reorientação social para a C&T. Tecnia - Revista de Educação, Ciência e Tecnologia do IFG, 3(1),122-138.

Pereira, E. M. A. (2009). A universidade da modernidade nos tempos atuais. Avaliação (Campinas), 14(1), 29-52.

Rocha, G. (2001). A Construção do Conceito de Extensão universitária na América Latina. In: Faria, D. S. (Org.). Construção Conceitual da Extensão na América Latina. Brasília: Editora UnB.

Santos, B. S. (1999). Da ideia de universidade à universidade de ideias. In: Pela mão de Alice: o social e político na pós-modernidade. Porto: Edições Afrontamento.

Santos, B. S. (2004). A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. São Paulo: Cortez Editora.

Santos, B. S. (2007). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos CEBRAP, 79, 71-94. https://doi.org/10.1590/S0101-33002007000300004.

Santos, P. E. P. (2014). Extensão, Conhecimento e Democratização da Universidade Pública: Conexões Possíveis nos Espaços-tempos do Currículo Acadêmico. [Tese de Doutorado em Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro].

Serrano, R. M. S. M. (2010). Conceitos de extensão universitária: um diálogo com Paulo Freire. Escola Técnica de Saúde da UFPB. https://issuu.com/praticasintegraisnutricao/docs/conceitos_de_extens__o_universit__r.

Singer, P. (2001). A universidade no olho do furacão. Estudos avançados [online], 15(42), 305-316.

Soares, L. T. (2011). CT&I, desenvolvimento social e demandas locais: o papel da extensão universitária. Parcerias Estratégicas, 16(32), 556-573.

Souza, J. A. J.; Santos, E. C.; Lobo, A. S.; Melo, L. C. & Soares, A. C. (2013). Concepções de universidade no Brasil: uma análise a partir da missão das universidades públicas federais brasileiras e dos modelos de universidade. Revista GUAL, 6(4), 216-233.doi.org/10.5007/1983-4535.2013v6n4p216

Tommasino, H. & Cano, A. (2016). Modelos de extensión universitaria en las universidades latinoamericanas en el siglo XXI: tendencias y controversias. Universidades UDUAL, 67(1), 7-24.

Velho, O. (2006). A conquista da autonomia. Revista Carta Capital, VIII(425), 25-27.

Winner, L. (1986). Do Artifacts Have Politics? In: Winner, L. (Org.). The Whale and the Reactor – A Search for Limits in an Age of High Technology (19-39). Chicago: The University of Chicago Press.

Publicado

2022-12-31

Como Citar

VIANA DE OLIVEIRA, L. A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA SOCIALMENTE ORIENTADA ENQUANTO RESISTÊNCIA EPISTEMOLÓGICA: POSSIBILIDADES EMANCIPATÓRIAS. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 10, n. 2, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/33737. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos