OCUPAÇÕES

MORADIA E RESISTÊNCIA

Autores

Palavras-chave:

Ocupações, habitação, movimentos de moradia, resistência

Resumo

Às portas da terceira década do século XXI, o contexto urbano e habitacional brasileiro apresenta-se assentado sobre um tripé paradoxal: uma significativa produção de novas unidades habitacionais decorrente de política pública; um persistente déficit habitacional, concentrado nos estratos de mais baixa renda; e uma significativa quantidade de domicílios desocupados. Apesar do enorme avanço normativo representado pela Constituição de 1988 e pelo Estatuto da Cidade de 2001, o acesso à terra para a população de baixa renda continua se dando quase que exclusivamente através da moradia autoconstruída ou alugada em assentamentos precários, cortiços e favelas. Neste artigo se propõe apresentar e analisar a realidade de quatro ocupações localizadas na região central de São Paulo. A ocupação de edifícios vagos pelos movimentos de moradia organizados tem sido prática recorrente nas grandes cidades brasileiras, tanto como forma de pressionar o poder público, quanto como forma de viabilizar uma moradia em área central, ainda que de forma precária. Num momento de intensa intolerância política e social e de ameaça aos movimentos populares, o texto procura mostrar os desafios atuais da luta por moradia e pelo direito à cidade da população de baixa renda na maior metrópole brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Estevam Vanale Otero, FAUUSP

Docente da FAU USP - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, na área de Planejamento Urbano e Regional. Doutor pela FAUUSP (2016) - Área de Concentração Planejamento Urbano e Regional. Mestre em Arquitetura e Urbanismo - Área de Concentração Hábitat pela FAUUSP (2009). Arquiteto e urbanista com graduação pela FAUUSP (2002). Pesquisador do Laboratório de Habitação e Assentamentos Humanos - LABHAB / FAUUSP. Possui experiência profissional em planejamento e gestão urbana, tendo trabalhado no Instituto de Pesquisas e Planejamento de Piracicaba (2003-2013). Realiza pesquisas, atividades de ensino e extensão nas áreas de planejamento urbano, habitação social e produção imobiliária.

Referências

Alonso, A. (2009). As Teorias dos Movimentos Sociais: um balanço do debate, Lua Nova, São Paulo, n. 76, p. 49-86. https://doi.org/10.1590/S0102-64452009000100003.

Autor/a (2019).

Bloch, J.A. (2008). O direito à moradia: Um estudo dos movimentos de luta pela moradia no centro de São Paulo [Dissertação de Mestrado em Sociologia, Universidade de São Paulo, São Paulo]. https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8132/tde-08072008-143230/publico/DISSERTACAO_JANAINA_ALIANO_BLOCH.pdf

Brenck, C. & Carvalho, L. (2019). Limites para o crescimento com mudança estrutural no Brasil no século XXI. Santiago: CEPAL.

Cardoso, A.L. (2019). Política Habitacional. Propostas para uma política democrática e sustentável. Boletim Observatório das Metrópoles, 17 de janeiro de 2019. http://observatoriodasmetropoles.net.br/wp/propostas-para-uma-politica-habitacional-democratica-e-sustentavel/.

Cardoso, A. L (org.). (2013). O Programa Minha Casa Minha Vida e seus efeitos territoriais. Rio de Janeiro: Letra Capital. https://observatoriodasmetropoles.net.br/arquivos/biblioteca/abook_file/mcmv_adauto2013.pdf.

Cardoso, A.L., Jaenish, S. & Aragão, T. (Eds) (2017). 22 Anos de Política Habitacional no Brasil. Rio de Janeiro: Observatório das Metrópoles/Letra Capital. https://observatoriodasmetropoles.net.br/arquivos/biblioteca/abook_file/livro_politicahabitacional_2017.pdf.

COMDEC (2018). Relatórios Visitas Técnica de Requalificação de Segurança. São Paulo: PMSP/COMDEC.

Dallari, A. A. & Ferraz, S. (Eds.) (2006). Estatuto da Cidade. Comentários à Lei Federal no 10.257/2001. São Paulo: Malheiros Editores.

Autor/a (2019).

Freire, P. (1983[1969]). Extensão ou Comunicação?. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FJP - Fundação João Pinheiro (2018). Déficit Habitacional no Brasil 2015 . Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro.

Maricato, E. (2015). Para entender a crise urbana. São Paulo: Expressão Popular.

Massonetto, L. F. (2015). Pontos cegos da regulação urbanística: notas sobre uma articulação programática entre o Direito Econômico e o Direito Urbanístico. Revista Fórum de Direito Financeiro e Econômico – RFDFE. Belo Horizonte, ano 4, n. 6, p. 141-154, set./fev.

Murad, J. (2019). Ocupação, uma alternativa de moradia? O caso Prestes Maia [Dissertação de Mestrado em Habitat-Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo].

Neuhold, R. R. Dos (2008). Os movimentos de sem-teto e a luta pelo direito à moradia na área central da cidade de São Paulo. III Simpósio lutas sociais na América Latina. Londrina: UEL.

Autor/a (2016).

PMSP/Prefeitura da Cidade de São Paulo (2013). Prefeitura mapeia 42 prédios ocupados no Centro. Portal da Prefeitura da Cidade de São Paulo (16/05/2013). http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/comunicacao/noticias/?p=148204.

Ramos, D. H. (2009). A guerra dos lugares nas ocupações de edifícios abandonados do centro de São Paulo [Dissertação de Mestrado em Planejamento Urbano e Regional-Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo]. https://www.teses.usp.br/index.php?option=com_jumi&fileid=17&Itemid=160&lang=pt-br&id=27A4EBBBD722

Rossetto Netto, A. (2017). Habitação central. Produção de habitação de interesse social no centro de São Paulo, no âmbito do Programa Minha Casa Minha Vida – Faixa 1 [Dissertação de Mestrado em Habitat-Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo]. https://teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16137/tde-22062017-154052/pt-br.php

Autor/a (2017).

Rufino, M.B.C. Um olhar sobre a produção do PMCMV a partir de eixos analíticos. Em C. Santo Amore, L. Z. Shimbo & M. B. C Rufino (Eds) (2015). Minha Casa...e a Cidade? Avaliação do Programa Minha Casa Minha Vida em seis Estados Brasileiros. Rio de Janeiro: Letra Capital. https://observatoriodasmetropoles.net.br/arquivos/biblioteca/abook_file/mcmv_nacional2015.pdf

Santo Amore, C., Shimbo, L. Z. & Rufino, M.B.C. (Eds) (2015). Minha Casa...e a Cidade? Avaliação do Programa Minha Casa Minha Vida em seis Estados Brasileiros. Rio de Janeiro: Letra Capital. https://observatoriodasmetropoles.net.br/arquivos/biblioteca/abook_file/mcmv_nacional2015.pdf

Saule Jr, N. (2010). Marco Legal do Direito à Cidade - A Trajetória da Reforma Urbana no Brasil. Em A. Sugranyes, C. Mathivel. (Eds.). Cidades para Todos: Propostas e Experiências pelo Direito à Cidade. Santiago: Habitat International Coalition, 2010, v. 1, p. 257-271.

Publicado

2023-07-22

Como Citar

D’OTTAVIANO, C.; VANALE OTERO, E. OCUPAÇÕES: MORADIA E RESISTÊNCIA. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], 2023. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/36683. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos