A MATEMÁTICA DAS PLANTAS

UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR A PARTIR DA LUDICIDADE PARA O ENSINO DE BOTÂNICA

Autores

  • Eduardo Bezerra de Almeida Jr. Universidade Federal do Maranhão
  • Catherine Rios Santos Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Ariade Nazaré Fontes Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Ingrid Fabiana Fonseca Amorim Universidade Federal do Maranhão
  • Luann Brendo da Silva Costa Universidade Federal do Maranhão
  • Mariana Guelero Valle Universidade Federal do Maranhão
  • Camila dos Santos Pires Museu Paraense Emílio Goeldi
  • Kauê Nicolas Lindoso Dias Museu Paraense Emílio Goeldi
  • Aline Duarte Nascimento Universidade Federal do Maranhão
  • Aryana Vasque Frota Guterres Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Gabriela dos Santos Amorim Universidade Estadual do Maranhão
  • Jéssica Sousa dos Anjos Universidade Federal do Maranhão

Palavras-chave:

Ensino de Botânica, Interdisciplinaridade, Projeto de extensão, SNCT

Resumo

Este trabalho apresenta o desenvolvimento de uma exposição interativa que abordou como a Matemática e a Botânica podem ser ensinadas de maneira interdisciplinar a partir da ludicidade. As atividades ocorreram na
Universidade Federal do Maranhão (UFMA), no Departamento de Biologia, durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT). Os estudantes visitantes participaram da exposição organizada em seis estações: Estação 1 – Descobrindo as formas geométricas nas plantas; Estação 2 – Caules e fitossociologia; Estação 3 – Jogo da memória botânica; Estação 4 – Formas e simetria das flores; Estação 5 – A sequência de Fibonacci e de que forma ela está presente nas plantas; Estação 6 – O jogo de tabuleiro: conceitos de Botânica e a relação com a matemática no cotidiano. As atividades desenvolvidas, em geral, envolviam associações com exemplos do cotidiano, permitindo aos estudantes relacionarem os conceitos trabalhados com seus conhecimentos prévios. O desenvolvimento desse projeto contribuiu com a construção e com a revisão dos conhecimentos, associando botânica e matemática por meio de ações descontraídas e estimulantes, trazendo leveza para os temas apresentados, de modo a possibilitar a aprendizagem de forma lúdica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, E.B.; Silva Costa, L.B.; Pires, C.S.; Santos, S.C.C.; & Valle, M.G. (2017). O Herbário MAR como espaço de integração de atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão. Unisanta BioScience, 6(5),145-150.

Amorim, G.S.; Pires, C.S.; Santos, C.R.; Nascimento, A.D.; Almeida Jr, E.B.; & Valle, M.G. (2019). Herbários como espaços facilitadores para o processo de ensino e aprendizagem. Revista Trópica: Ciências Agrárias e Biológicas, 11(1), 36-45.

Brasil. (2002). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação. Acesso em 11 mar., 2021, http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf

Brasil. (2018). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília. Acesso em 11 mar., 2021, http://basenacionalcomum.mec.gov.br/

Brasil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 1996. Acesso em 11 mar., 2021, http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm.

Buckeridge, M. (2015). Árvores urbanas em São Paulo: planejamento, economia e água. Estudos Avançados, 29, 85-101.

Cabral, A.M.F. (2002). Relatório de atividades do sof/Etajj cível. Laboratório de Serviço Social. Belém: UNAMA.

Castelo-Branco, A.L.; Viana, I.B.; & Rigolon, R.G. (2011). A utilização do jogo 'Perfil Botânico' como estratégia para o Ensino de Botânica. In: VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação e Ciências e I Congresso Iberoamericano de Investigación en Enseñanza de las Ciencias, Campinas.

Coelho, A.R.R.A.; Gonçalves, M.N.M.; & Abreu, M.C. (2015). Jogo das Angiospermas: uma proposta no ensino de Botânica. Revista Digital. Acesso em 11 mar., 2021, https://efdeportes.com/efd202/jogo-das-angiospermas-uma-proposta-de-botanica. htm

Fagundes, J.A.; & Gonzalez, C.E.F. (2006). Herbário escolar: suas contribuições ao estudo da Botânica no Ensino Médio.

Fagundes, M.C.V. (2009). Universidade e projeto político-pedagógico: diálogos possíveis fomentando formações emancipatórias. Programa de Pós-graduação em Educação. Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Falkembach, G.A.M. (2006). O lúdico e os jogos educacionais. Mídias na Educação. In: CINTED - Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação, UFRGS. Acesso em 11 mar., 2021, http://penta3.ufrgs.br/midiasedu/modulo13/etapa1/leituras/arquivos/ Leitura_1.pdf.

Faria, R.L.; Jacobucci, D.F.C.; & Oliveira, R.C. (2011). Possibilidades de ensino de botânica em um espaço não-formal de educação na percepção de professoras de ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 13 (1), 87-104.

Fazenda, I.C.A. (2011). Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola.

Ferreira, A.A.S.N.; & Santos, C.B. (2019) A Ludicidade no Ensino da Biologia/The Playfulness in the Teaching of Biology. Revista de Psicologia, 13(45), 847-861.

Fialho, N.N. (2007). Jogos no ensino de química e biologia. In: Congresso nacional de educação - Curitiba: IBPEX.

Freire, P. (2014). Pedagogia do Oprimido. 58 ed. São Paulo: Paz e Terra.

Freitas, D.; Menten, M.L.M.; Souza, M.H.A.O.; Lima, M.I.S.; Buosi, M.E.; Loffredo, A.M.; & Weigert, C. (2012). Uma abordagem interdisciplinar da Botânica no Ensino Médio. 1ed. São Paulo: Moderna.

Freitas, R.D.L.; Furlan, A.L.D.; Kunze, J.C.; Maciel, M.M.; Santos, A.D.; & Costa, R.D. (2011). Uso de jogos como ferramenta didática no ensino de botânica. In: Congresso Nacional De Educação Cutiriba, p. 12809- 12815.

Gadotti, M. (2017). Extensão universitária: para quê. Instituto Paulo Freire, v. 15. Acesso em 11 mar., 2021, https://www.paulofreire.org/images/pdfs/Extens%C3%A3o_Universit% C3%A1ria_-_Moacir_Gadotti_fevereiro_2017.pdf.

Gomes, J.A.C.; Lima, A.K.M.; & Oliveira, F.C.S. (2015). Dominó vegetal: uma atividade lúdica como recurso auxiliar para o ensino de botânica. In: Congresso Nacional de Educação (Conedu).

Lago, W.L.A.; Araújo, J.M.; & Silva, L.B. (2015). Interdisciplinaridade e ensino de ciências: perspectivas e aspirações atuais do ensino. Saberes 1(11), 52-63.

LAWS, B. (2010). Fifty plants that changed the course of history. Buffalo: Firefly Books Ltd.

Martinez, E.R.M.; Fujihara, R.T.; & Martins, C. (2008). Show da Genética: um jogo interativo para o ensino de Genética. Genética na Escola, 3 (2), 24-27.

Menezes, L.C.; Souza, V.C.; Nicomedes, M.P.; Silva, N.A.; Quirino, M.R.; Oliveira, A.G.; Ronelli, R.; de Andrade, D.; & Santos, B.A.C. (2008). Iniciativas para o aprendizado de botânica no ensino médio. XI Encontro de Iniciação à Docência da UFPB-PRG.

Miranda, S. (2002). No fascínio do jogo, a alegria de aprender. Linhas Críticas, 8(14), 21–34.

Neris, D. (2013). A importância das aulas práticas no ensino de botânica. Acesso em 11 mar., 2021, http://biopedagogia.webnode.com.br/news/a-import%C3%A2ncia-de-aulas-praticas--no-ensino-de-bot% C3% A2nica.

Nunes, A.L.D.P.F.; & Silva, M.B.C. (2011). A extensão universitária no ensino superior e a sociedade. Mal-Estar e Sociedade, 4(7), 119-133.

ODS. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável - Agenda 2030. Organização das Nações Unidas. Disponível em: https://odsbrasil.gov.br/objetivo/objetivo?n=4

Oliveira, R.E.D.; Figueiredo, R.A.D.; Makishi, F.; Sais, A.C.; Olival, A.D.A.; Alcântara, L.C.S.; Morais, J.P.G.D.; & Veiga, J.P.C. (2021). A interdisciplinaridade na prática acadêmica universitária: conquistas e desafios a partir de um projeto de pesquisa-ação. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 26, pp.377-400.

Peixoto, A.L.; Barbosa, M.R.V.; Menezes, M.; & Maia, L.C. (2006). Diretrizes e estratégias para a modernização de coleções biológicas brasileiras e a consolidação de sistemas integrados de informação sobre biodiversidade. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos: Ministério da Ciência e Tecnologia.

Rohr, T.C.S. (2014) Práticas Interdisciplinares no Ensino da Matemática. Fórum internacional de pedagogia. Santa Maria/RS – Brasil.

Salatino, A.; & Buckeridge, M. (2016). Mas de que te serve saber botânica? Estudos avançados, 30 (87), 177-196.

Serrano, R.M.S.M. (2013). Conceitos de extensão universitária: um diálogo com Paulo Freire. Grupo de Pesquisa em Extensão Popular, 13(8), pp.01-15.

Silva, O.D. (1997). O que é extensão universitária. Integração: ensino, pesquisa e extensão, 3(9), 148-9.

Thiesen, J.D.S. (2008). A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista brasileira de educação, 13, 545-554.

Tosta, R.M.; Calazans, D.D.L.; Santi, G.S.D.; Tumulo, I.B.; Brochado, K.; Faggian, L.F.; Faria, L.C.D.; Muller, M.L.; Cecchini, M.V.G.; Ishida, R.M.M.; & Fonseca, R.F.D. (2006). Programa de Educação Tutorial (PET): uma alternativa para a melhoria da graduação. Psicologia Latino América, 8, 0-0.

Zanon, D.A.V.; Guerreiro, M.A.S.; & Oliveira, R.C. (2008). Jogo didático Ludo Químico para o ensino de nomenclatura dos compostos orgânicos: projeto, produção, aplicação e avaliação. Ciências & Cognição, 13, 72-81.

Publicado

2023-07-22

Como Citar

ALMEIDA JR., E. B. de; SANTOS, C. R.; SILVA, A. N. F.; AMORIM, I. F. F.; COSTA, L. B. da S.; VALLE, M. G.; PIRES, C. dos S.; DIAS, K. N. L.; NASCIMENTO, A. D.; GUTERRES, A. V. F.; AMORIM, G. dos S.; ANJOS, J. S. dos. A MATEMÁTICA DAS PLANTAS: UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR A PARTIR DA LUDICIDADE PARA O ENSINO DE BOTÂNICA. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], 2023. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/36910. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos