TRABALHO E ESPIRITUALIDADE

CONTRIBUIÇÕES ERGOLÓGICAS PARA A COMPREENSÃO DA ESPIRITUALIDADE NOS PROCESSOS DE TRABALHO

Autores

  • Naim Rodrigues de Araújo Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) https://orcid.org/0000-0003-4966-816X
  • Conceição Clarete Xavier Travalha Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.17648/2238-037X-trabedu-v28n3-12393

Palavras-chave:

Espiritualidade, Trabalho, Ergologia

Resumo

Temos por objetivo, neste artigo, fazer uma abordagem aproximativa entre conceitos ergológicos e a espiritualidade nos processos de trabalho. Historicamente a espiritualidade é tida como algo desnecessário, descabido e até inapropriado aos contextos organizacionais, conquanto, busca-se aqui, através dos conceitos ergológicos, refutar essa imagem negativa/destorcida da espiritualidade inserida nos processos de trabalho. Metodologicamente a opção é por fazer uma revisão bibliográfica acerca das produções relativas à questão da espiritualidade enquanto elemento a se considerar nas diversas relações existentes nos processos de trabalho bem como abordar conceitos ergológicos, dialogando entre as temáticas, sobretudo para ampliarmos as discussões relativas a ergologia, trabalho e espiritualidade. Acredita-se que os conceitos ergológicos possam contribuir para a percepção da espiritualidade como algo inseparável do ser humano e, por conseguinte, presente de forma explicita ou implícita no trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Naim Rodrigues de Araújo, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Mestrando em Educação e Docência pela Universidade Federal de Minas Gerais. Técnico Administrativo em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais

Conceição Clarete Xavier Travalha, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Possui Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas, Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais, graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais e Graduação em Física pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente é Professora associada do Departamento de Ciências Aplicadas à Educação da Universidade Federal de Minas Gerais e Coordena o Núcleo de Estudos e pesquisas do Pensamento Complexo NEPPCOM /UFMG. E-mail: tecaxavier@uol.com.br.

Referências

ANTONELLO, Nádya Regina Bilibio;et al.. A Espiritualidade no Local de Trabalho como Diferencial em Comportamentos e Atitudes de Excelência – Um Estudo de Caso. In: AHRENS, Rudy de Barros (org). A Gestão Estratégica na Administração. v.2. Ponta Grossa (PR): Atena Editora, 2017. p. 7-21.

BELL, Emma; TAYLOR, Scott. A Exaltação do Trabalho: o poder pastoral e a ética do trabalho na nova era. RAE, São Paulo, v.44, n.2, p. 64-78, abr./jun.2004. Disponível em: https://rae.fgv.br/rae/vol44-num2-2004/exaltacaotrabalho-poder-pastoral-etica-trabalho-nova-era. Acesso em: 1 nov. 2018.

BERGSON, Henri. A alma e o corpo. In: Cartas, conferências e outros escritos (coleção Os Pensadores). São Paulo: Abril cultural, 1974.

CALDEIRA, Silvia; GOMES, Ana Calapez; FREDERICO, Manuela. De Um Novo Paradigma Na Gestão Dos Enfermeiros – a espiritualidade no local de trabalho. Revista de Enfermagem Referência, n.3, p.25-35, mar.2011. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0874-02832011000100003&lng=pt&nrm=i.p. Acesso em: 18 ago. 2018.

ENCONTRO LATINO AMERICANO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, XII, 2008, Paraíba. A Espiritualidade Como Diferencial Competitivo Para As Organizações. Disponível em: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2008/anais/arquivosEPG/EPG01083_03_O.pdf. Acesso em: 06 nov. 2018.

RAMPAZZO Lino. Metodologia Científica para Alunos de Graduação e Pós- Graduação. São Paulo (SP): Stiliano, 1998.

REGO, Armênio; CUNHA, Miguel Pinha; SOUTO, Solange. Espiritualidade nas Organizações e Comprometimento Organizacional. RAE-eletrônica, São Paulo, v.6, n.2, p.1-2, jul.-dez.2007. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=205114656003. Acesso em: 12 ago. 2018.

RORH, Ferdinand. Espiritualidade e Formação Humana. Poiésis, Tubarão, n.especial: Biopolítica, Educação e Filosofia, p.53-68, 2011.

SALOMON, Delcio Vieira. Como Fazer Uma Monografia. São Paulo (SP): Martins Fontes; 1996.

SCHWARTZ, Yves. Trabalho e uso de si. Pro-posições, v.1, n.5, jul.2000. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644041. Acesso em: 12 dez. 2019.

SCHWARTZ, Yves; DURRIVE, Louis. Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 1º ed. Rio de Janeiro: Editora EDUFF, 2007.

SILVA, Rogerio Rodrigues da. Espiritualidade e religião no trabalho: possíveis implicações para o contexto organizacional. Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, v.28, n.4, p.768-779, dez.2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932008000400009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 ago. 2018.

SILVA, Rogério Rodrigues da. Espiritualidade e Religião no Trabalho: possíveis implicações para o contexto organizacional. Psicologia Ciência e Profissão, v.28, n.4, p.768-779, dez.2008. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa. Acesso em: 8 out. 2018.

SILVA, Rogério Rodrigues da; SIQUEIRA, Deis. Espiritualidade, Religião e Trabalho no Contexto Organizacional. Psicologia em Estudo, Maringá, v.14, n.3, p.557-564, jul./set.2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v14n3/v14n3a17. Acesso em: 15 ago. 2018.

TRINDADE, Valter. Trabalho Prescrito e Real no Atual Mundo do Trabalho. Trabalho e Educação, Belo Horizonte, n.1, fev./jul. 1997.

TRINQUET, Pierre. Trabalho e Educação: o método ergológico. RevistaHistedbr On-line, Campinas, n.especial, p.93-113, ago.2010. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/38e/art07_38e.pdf. Acesso em: 25 ago. 2018.

YAMAMOTO,T; MIAKO, R. Metodologia da Pesquisa em Saúde: fundamentos essenciais. Curitiba (PR): As autoras, 1999.

Downloads

Publicado

2019-12-11

Como Citar

ARAÚJO, N. R. de; TRAVALHA, C. C. X. TRABALHO E ESPIRITUALIDADE : CONTRIBUIÇÕES ERGOLÓGICAS PARA A COMPREENSÃO DA ESPIRITUALIDADE NOS PROCESSOS DE TRABALHO. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 28, n. 3, p. 101–114, 2019. DOI: 10.17648/2238-037X-trabedu-v28n3-12393. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/12393. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS