TRABALHO DOMÉSTICO E CAPITALISMO

A NATURALIZADA SINA SOCIOAMBIENTAL DAS MULHERES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2020.14672

Palavras-chave:

Mulheres, Trabalho, Relações sociais

Resumo

Artigo resultante de pesquisa desenvolvida no curso de Especialização em Educação, Sustentabilidade Social e Ambiental do Programa de Pós-graduação Lato Sensu em Educação do Instituto Federal Catarinense, Campus Camboriú. Tal pesquisa teve por objetivo investigar a naturalização do trabalho doméstico como tarefa feminina com o intuito de averiguar a contribuição do estudo do trabalho feminino no debate da Educação Ambiental em uma perspectiva crítica. Adotando a revisão bibliográfica como metodologia, foi realizado um mapeamento bibliográfico com produções disponíveis online, tendo principalmente, como palavras chave: mulher, trabalho doméstico, divisão social e sexual do trabalho. Selecionado os materiais, debruçou-se no estudo das condições de vida em relação ao trabalho de manutenção e reprodução da vida, da mercadoria mais cara do mercado, a força de trabalho, a partir da abordagem marxista. Com base nesse método e nas leituras dos textos, observou-se que a naturalização do fazer doméstico, como função feminina é uma consequência histórica das relações sociais de produção e reprodução da vida humana, de exploração do capital e domínio do patriarcado. Diante disso, esta pesquisa afirma que o término da subjugação feminina em sua totalidade só é possível de ser realizada em sua plenitude com a emancipação universal da humanidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isadora Fernandes Ribas, Prefeitura Municipal de Balneário Camboriú

Licenciada em Pedagogia (2010) e Teatro (2015) pela Universidade Federal de Santa Maria, Especialista em Educação pelo Instituto Federal Catarinense (2018). Professora de Educação Infantil Rede Pública Municipal de Balneário Camboriú, SC.

Fabio Alves dos Santos Dias, Instituto Federal Catarinense (IFC)

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (2014), Mestre em Ciências Políticas pela Universidade Estadual de Campinas (2008), Bacharel (2005) e Licenciado (2008) em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo. Professor do Instituto Federal Catarinense, SC.

Referências

BEAUVOIR, Simone. O segundo Sexo: A experiência vivida. 2º ed. V. 2. Tradução Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967. Disponível em: http://www.afoiceeomartelo.com.br/posfsa/Autores-/Beauvoir,%20Simone%20de/O%20Segundo%20Sexo%20-%20II.pdf. Acesso em: 13 ago. 2020.

BELLI, Gioconda. Conselhos para mulher forte. Tradução Jeff Vasques. Nicarágua: 1948.

BRASIL, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estáticas de gênero: Indicadores sociais das mulheres no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de população e Indicadores sociais, 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/multidominio/genero/20163-estatisticas-de-genero-indicadores-sociais-das-mulheres-no-brasil.html?=&t=resultados. Acesso em: 13 ago. 2020.

CARRASCO, Cristina. La Sostenibilidad de la Vida Humana: ¿Un asunto de mujeres? Tradução Izadora Ribas. Revista Mientras Tanto, n. 82, Barcelona: Icaria Editorial, otoño-invierno. 2001.

D’ATRI, Andrea. Pão e Rosa: Identidade de Gênero e antagonismo de classe no capitalismo. Tradução Barbara Molnar, Flavia Toledo, Lara Zaramella. São Paulo: Iskara, 2017.

ENGELS, Friedrich. A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. Tradução Ciro Mioraza. 2ª ed. São Paulo; Escala, 2006.

ENGELS, Friedrich e. MARX, Karl. A Ideologia Alemã. Tradução Marcelo Backes. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

ENGELS, Friedrich e. MARX, Karl. A Sagrada Família ou A crítica da Crítica crítica contra Bruno Bauer e consortes. Tradução Marcelo Backes. São Paulo: Boitempo, 2011.

ENGELS, Friedrich e. MARX, Karl. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

HIRATA, Helena. Globalização, Trabalho e Gênero. Periódicos Eletrônicos Universidade Federal do Maranhão. Revista de Politicas Públicas. v. 9, n. 1, p. 111-128, jul/dez. 2005. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica/article/view/3770/1848. Acesso em: 13 set. 2020.

HIRATA, Helena. KERGOART, Danièle. Novas Configurações da Divisão Sexual do Trabalho. Tradução Fátima Murad. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, set/dez, 2007. Disponível em: http://scielo.br/pdf/cp/v37n132/a0537132. Acesso em: 13 set. 2020.

IASI, Luis Mauro. Trabalho doméstico e valor. Capítulo VI, p. 123-141. In Ensaio sobre Consciência e Emancipação. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

KOLLANTAI, Alexandra. A família e o comunismo. São Paulo: ISKRA, 2013.

LESSA, Sergio. Abaixo a família monogâmica. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

LOUREIRO, Carlos Frederico. Trajetórias e Fundamentos da Educação Ambiental. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

MARX, Karl. Manuscritos Econômicos – Filosóficos. Tradução Alex Marins. São Paulo, Martin Claret. 2002.

MARX, Karl. O Capital: Crítica da economia política. Livro I; O processo de produção do capital. Tradução Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

NOGUEIRA, Claudia Mazzei. O trabalho duplicado: A divisão sexual no trabalho e na reprodução: um estudo das trabalhadoras do telemarketing. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

NOGUEIRA, Claudia Mazzei. As relações sociais de gênero no trabalho e na reprodução. AURORA, ano IV, número 6, agosto, 2010.

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, Michèle; CARVALHO, Isabel (Org.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 17- 45.

Downloads

Publicado

2020-09-04

Como Citar

RIBAS, I. F.; DIAS, F. A. dos S. TRABALHO DOMÉSTICO E CAPITALISMO: A NATURALIZADA SINA SOCIOAMBIENTAL DAS MULHERES. Trabalho & Educação, [S. l.], v. 29, n. 2, p. 77–88, 2020. DOI: 10.35699/2238-037X.2020.14672. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/14672. Acesso em: 28 nov. 2020.

Edição

Seção

ARTIGOS