TRABALHO, CAPITALISMO E CLASSE TRABALHADORA

DO TAYLORISMO-FORDISMO AO TOYOTISMO UBERIZADO

Autores

  • Eliane Juraski Camillo Instituto Federal Santa Catarina (IFSC) https://orcid.org/0000-0002-6385-6629
  • Dante Henrique Moura Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2021.29157

Palavras-chave:

Trabalho, Uberização, Precarização

Resumo

O presente artigo debruçou-se, pelas vias da pesquisa bibliográfica, na tarefa de desenvolver um breve panorama histórico acerca da evolução da categoria Trabalho, contemplando elementos do pensamento marxiano até a atualidade marcada pela sua precarização, no bojo da Economia do Compartilhamento (EC), modalidade econômica que vem exacerbando a uberização do trabalho. Ao recorrer à teoria marxista, nós, pesquisadora e pesquisador anã/anão, tentamos subir em ombros de autores e autoras gigantes, no afã de enxergar um pouco mais além as nuances que montam o vasto caleidoscópio que envolve a temática. Afinal, o que é o trabalho? Como podemos defini-lo? Que elementos não poderiam ser desprezados ao se montar um breve panorama histórico acerca de sua evolução, desde as elaborações de Marx e Engels até a atualidade, marcada pela uberização e precarização?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Juraski Camillo, Instituto Federal Santa Catarina (IFSC)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Mestra em Educação pela Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC, Graduação em Letras pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e da Missões - URI. Docente do Instituto Federal Santa Catarina – IFSC

Dante Henrique Moura, Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN)

Doutor em Educação pela Universidad Complutense de Madrid, UCM, Espanha, Graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN. Docente do Instituto Federal Rio Grande do Norte – IFRN.

Referências

ALBORNOZ, Suzana. O que é o trabalho. São Paulo: Brasiliense, 2008.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho?: ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2009.

DOWBOR, Ladislau. A era do capital improdutivo: Por que oito famílias tem mais riqueza do que a metade da população do mundo?. São Paulo: Autonomia Literária, 2017. Disponível em: https://dowbor.org/wp-content/uploads/2012/06/a_era_do_capital_improdutivo_2_impress%C3%A3oV2.pdf . Acesso em: 30 jan. 2020.

ENGELS, Friedrich. Sobre o papel do trabalho na transformação do homem em macaco. Ed. Ridendo Castigat Mores, 1999. Disponível em: http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/macaco.pdf Acesso em: 08 ago. 2020.

HARVEY, David. O Enigma do Capital: e as crises do capitalismo. Tradução de João Alexandre Peschanski. São Paulo, SP: Boitempo, 2011.

HUWS, Ursula. A formação do cibertariado: trabalho virtual em um mundo real. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 2017.

KUENZER, Acacia Zeneida. A educação profissional nos anos 2000: a dimensão subordinada das políticas de inclusão. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 96, p. 877-910, out. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000300012&lng=pt&nrm=iso. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302006000300012. Acesso em: 06 out. 2020.

MARX, Karl. Grundrisses: manuscritos econômicos de 1857-1858 – esboços da crítica da economia política. Tradução Mario Duayer; Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, Karl. O Capital: Crítica da Economia Política. São Paulo: Nova Cultural, Vol. I, Tomo I, 1985.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Tradução Paulo Cezar Castanheira, Sérgio Lessa. - 1.ed. revista. - São Paulo: Boitempo, 2011.

PINKER, Steven. Os bons anjos da nossa natureza: Por que a violência diminuiu; tradução Laura Teixeira Motta. — 1ª ed. — São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SLEE, Tom. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

STANDING, Guy. O precariado: a nova classe perigosa. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

Downloads

Publicado

2022-02-03

Como Citar

CAMILLO, E. J.; MOURA, D. H. TRABALHO, CAPITALISMO E CLASSE TRABALHADORA: DO TAYLORISMO-FORDISMO AO TOYOTISMO UBERIZADO. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 30, n. 3, p. 17–31, 2022. DOI: 10.35699/2238-037X.2021.29157. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/29157. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.